Pular para o conteúdo principal

LANÇAMENTO DA 2ª ANTOLOGIA POÉTICA FLORES LITERÁRIAS

Sábado (18) aconteceu, no Charitas, o lançamento da 2a. Antologia Poética Flores Literárias. O evento fez parte do encerramento do FLIC - Festival Literário Cabo-friense Flores Literárias - e contou com a participação de poetas autores, com shows de Léo Díoli, Sarah Dhy e performance do coletivo Urbano Buziano. 
Eu tenho a felicidade de participar também desta 2ª antologia. Participei da primeira, no ano passado, com a poesia "Sonhos" e agora participo com "Diálogo com o mar azul", que segue abaixo: 



 DIÁLOGO COM O MAR AZUL

Defronte o mar azul,
sinto sua cumplicidade.
O vai e vem de suas ondas são respostas,
ao meu indagar íntimo.
Fixo o olhar em suas águas límpidas,
percebo que ele me indaga: o que houve agora?
E a ele mais uma vez relato
os mais recentes pensamentos.
Pergunto a ele: por que tanta dor, tanta saudade...
para que um sentir sem sentido, um amar por amar..
Ahh mar...
que tanto pranto já lavou,
tanto adeus já abrigou,
quantos amores já levou.
Sonhos se foram no tempo
este mesmo tempo
que agora graceja da dor
passa, vai embora
deixa a saudade do que não foi.
E o burburinho do mar azul,
diz com suavidade:
o tempo, a saudade,
são o preço de amar
em um mundo de dores e corações de pedra.
Mas, se assim não fosse, que graça teria a poesia?
Ela, que abriga a saudade,
compreende e acolhe o sentir
com palavras mágicas, transmuta a dor
perpetua os sonhos e ri do tempo,
tempo este que dela não é rei, apenas súdito
que dela não graceja, porém respeita
porque dela é prisioneiro.
O tempo é eterno na poesia, pois se entrelaça ao amor.
Amor e tempo, infinitos na poesia
sem limites, sem poréns, sem dores, nem saudade.

Luciana G. Rugani, 18/08/18

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói