segunda-feira, 31 de dezembro de 2018

CAOS NA RODOVIA BR-493 MAGÉ-MANILHA

por Luciana G. Rugani - Um assunto grave, problema antigo, descaso total dos governos e pequena parcela apenas de cidadãos protestando. 
Quando falamos no estado caótico da BR-493 (Magé-Manilha) no estado do Rio, parece que estamos falando de um problema comum e que em nada afeta a vida das pessoas. Poucas são as matérias em jornais locais sobre as tragédias constantes que ali acontecem. E, na Região dos Lagos, por exemplo, poucas são as pessoas despertas e com consciência de que este problema é de todos, pois trata-se de uma das vias de acesso à região. Não vejo um só blog local citando o problema antigo. Infelizmente parece que acham que é um problema que nunca irá lhes atingir, mas esquecem que não vivem ilhados, não estão isolados e, mais dia menos dia, podem precisar sair de suas redomas e também serem atingidos. Além disso, estejam certos de que este abandono é uma das causas de, a cada ano, diminuir o número de famílias, turistas de bem, que procuram a região na alta temporada e aumentar o número de gangues e malandros que buscam nossa região. O problema ronda a todos e tenho certeza de que se houvesse uma visão mais inteligente, cidadã e solidária, uma pressão maior da sociedade em cima das autoridades competentes, muitos dos nossos problemas poderiam ter sido resolvidos e não precisaríamos perder tantas vidas por tantas razões. Mas infelizmente nossa sociedade é egoísta, e só reclama ou por interesse de politicagem mesmo ou quando o problema bate diretamente e individualmente na sua porta.
Esta rodovia há anos sofre com abandono das obras de duplicação pelo governo federal e o estado aproveitou e fechou os olhos totalmente para o local abandonando também a questão da segurança pública. Ali tornou-se ponto certo de assaltos constantes e mortes. Inaceitável isso!
Segue abaixo matéria do jornal O Tempo sobre o empresário que foi assassinado na BR-493 quando se dirigia para Niterói para passar seu final de ano:


AO LADO DA MÃE
Empresário mineiro é morto a tiros durante assalto em estrada no Rio
Ele era sócio de uma clínica de fisioterapia e ortopedia na região metropolitana de BH e viajava de carro para passar o réveillon em Niterói



Polícia investiga a morte de Dalmo Antônio Júnior, que tinha 54 anos
PUBLICADO EM 30/12/18 - 17h49

BERNARDO MIRANDA

Foi enterrado neste domingo (30) o corpo do empresário mineiro Dalmo Antônio Júnior, 54, no cemitério do Bonfim, em Belo Horizonte. Na última sexta-feira (28), ele foi morto a tiros em uma tentativa de assalto na BR-493, em Itaboraí, no Rio de Janeiro. Ele viajava com a mãe para passar o réveillon na cidade de Niterói quando foi interceptado pelos criminosos.

As investigações estão sendo realizadas pela Divisão de Homicídios de Niterói da Polícia Civil fluminense. Ninguém ainda foi preso pelo crime. De acordo com os investigadores, tudo indica que se trata de latrocínio, que é o roubo seguido de morte. Essa será a primeira linha de investigação a ser seguida. 

De acordo com as informações da ocorrência, o veículo Toyota Hilux, dirigido por Dalmo, reduziu a velocidade ao se aproximar de um viaduto que está em construção na rodovia. Nesse momento um outro carro emparelhou com o veículo e efetuou o disparo que atingiu o empresário. Há duas versões para o crime. Uma delas é a de que Dalmo não parou após o anúncio do assalto e os bandidos atiraram. A segunda é que os bandidos atiraram com a intenção de quebrar o vidro que estava fechado e acabaram atingindo a vítima. Dalmo estava acompanhado da mãe e o enfermeiro contratado para cuidar da idosa. Segundo amigos, o enfermeiro contou que os bandidos fugiram logo após o disparo. "Vamos ir embora porque você fez merda", teria dito um dos comparsas do atirador. 

Dalmo havia passado o Natal com familiares em Ilha Grande, no município de Angra dos Reis e seguia com a mãe para Niterói onde passaria do réveillon. Ele era sócio de uma clínica de fisioterapia e ortopedia com atuação em Betim e Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, tenente reformado do Exército, solteiro e morava com a mãe.

A clínica em que era sócio divulgou noto de pesar lamentando sua morte precoce. "Com amparo de Deus e com tudo o que aprendemos em nossa trajetória ao lado de Júnior, logo essa tristeza profunda dará espaço às boas lembranças e a seu legado de bondade e capacidade de entrega ao outro. Nos despedimos de seu corpo físico, mas com a certeza de que sua alma brilhará eternamente em nossos corações", diz o texto. Amigos também fizeram homenagens nas redes sociais lembrando as atividades de lazer que Dalmo mais gostava: acompanhar jogos do Atlético e o mergulho esportivo.

domingo, 30 de dezembro de 2018

LANÇAMENTO DO LIVRO INFANTIL "O DINOSSAURO BEN"

A escritora Rosemary Gomes, membro da ALACAF - Academia de Letras e Artes de Cabo Frio, fará o lançamento do seu 5º livro infantil "O Dinossauro Ben".
O evento acontecerá no dia 04 de janeiro, das 19 h às 22 h,  no Solar dos Massa, na Praça Porto Rocha, centro de Cabo Frio.
Vale a pena prestigiar!


Luciana G. Rugani

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

FELIZ NATAL COM POESIA


NATAL E POESIA

Na avenida principal,
Caminho sob luzes de natal
- ou seriam estrelas? -
Luzes, enfeites,
O que representam?
Embelezamos nossas almas,
Ou apenas nossas cidades?
O sorriso,
a alegria da criança,
Seria fruto do carinho diário,
Ou apenas do presente do dia?
Na confraternização de amigos,
Moraria ali,
em cada coração presente,
A amizade limpa,
Verdadeira,
o sentimento espontâneo?
E a mensagem virtual,
Transporta desejo real,
Ou apenas integra,
mais uma de tantas,
listas de transmissão?
Natal é nascimento,
A poesia resgata sentimentos.
Natal e poesia,
Que nasça o sentimento real,
Que haja chance
para o verdadeiro sentir.
E que cada verso,
Cada palavra aqui lida,
Sejam como as lâmpadas desta avenida,
Iluminando corações sombrios,
Brilhando alegria,
Em almas tristonhas.
E que esta que vos escreve,
Possa também despertar,
Para, então, enfim
A felicidade brindar.

Luciana G. Rugani, 19/12/18

DUAS PERGUNTAS PARA O PREFEITO DE CABO FRIO

 


Na segunda-feira passada, o prefeito Dr. Adriano esteve no programa do apresentador Dill Quaresma, na Jovem TV.

Enviei via whatsapp duas perguntas para o apresentador, porém o mesmo precisou desligar seu celular durante o programa, pois eram muitas as ligações e perguntas. E o programa foi bem tumultuado em função de questionamentos sobre previsão de pagamento de salário aos funcionários e problemas na área da saúde. O apresentador até se perdia entre tantas perguntas que, na quase totalidade, foram sobre estes temas.
Então, como não foi possível fazer minhas perguntas, resolvi postar aqui no blog os meus questionamentos, para que, quem sabe, algum dia alguém possa levá-los até o prefeito ou até o secretariado competente.
Seguem:

1) Cultura:

- Comemoramos com alegria a aprovação do Plano Municipal de Cultura e o aumento no orçamento. Gostaria de saber sobre a possibilidade de ser lançado novamente um projeto de incentivo cultural do tipo do PROEDI, que em 2015, no governo do prefeito Alair Corrêa, foi essencial para alavancar novos escritores e artistas locais, tendo sido, inclusive, muito elogiado pelo segmento.

2) Limpeza das praias:

-  No fim de semana passado, aconteceu uma ação voluntária de limpeza do microlixo na Praia do Forte. Iniciativa muito relevante, mas penso que seria muito interessante que, de tempos em tempos, fosse realizado aquele trabalho de limpeza da areia que aconteceu em 2014, também no governo do prefeito Alair Corrêa, quando, com o devido acompanhamento técnico, foi utilizada a máquina "Tatuí da areia" e feito o peneiramento do microlixo. De lá pra cá nunca mais vi este trabalho acontecer. Há muito perigo de ferimentos e cortes, e já vi turistas comentando sobre a beleza da praia, porém lamentando a sujeira. Idem para a Praia das Dunas.
Gostaria de saber se há previsão de alguma ação nesse sentido.

Luciana G. Rugani

sábado, 8 de dezembro de 2018

POESIA EM HOMENAGEM AO GRUPO "RODA DE POESIAS"

Poesia que fiz em homenagem ao 3º aniversário do grupo "Roda de Poesias":


RODA DE POESIAS

Roda poesia, roda.
Gira com todo teu encanto,
corre o mundo,
em todos os teus cantos.

É sentimento que levas,
carregas pétalas de amor.
Roda poesia, roda.
Aquece com teu calor.

Com graça, ritmo e música
gira no espaço,
me envolve no teu abraço

Roda poesia, roda
pois contigo irei
e o Amor buscarei

Luciana G. Rugani, 08/12/18

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

CABO FRIO: CIDADE PIONEIRA NO CARNAVAL DA INCLUSÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

por Luciana G. Rugani - hoje, no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, vale a pena relembrarmos mais uma iniciativa pioneira que aconteceu em nossa cidade: Cabo Frio foi a primeira cidade no Brasil a promover um desfile de carnaval inclusivo para pessoas com deficiência. O evento foi realizado em 2003, durante governo do prefeito Alair Corrêa.
Uma ideia que, sem dúvida nenhuma, merece nossos aplausos! Tempos atrás postei aqui no blog uma matéria sobre a "Embaixadores da Alegria", escola de samba inclusiva do Rio de Janeiro, criada em 2006. Destaquei a importância deste trabalho como inclusão social, mas nem imaginava que nossa cidade já era a pioneira neste trabalho! 
Alair Corrêa, o prefeito que realizou mais de 80% das obras da cidade, saiu na frente mais uma vez em relação à inclusão social de pessoas com deficiência no carnaval de Cabo Frio. Parabéns, prefeito, por marcar o nome de nossa cidade como pioneira em iniciativa tão importante no resgate da autoestima  e alegria das pessoas com deficiência, e meus parabéns também à cidade de Cabo Frio pela conquista da época!
Abaixo segue matéria sobre o assunto, do jornal "O Cabofriense", de março de 2003. Vale destacar que, onde está escrito "Beth Peralta", leia-se "Beth Marge". Por um equívoco da redação na época, o nome saiu grafado erroneamente:





CARNAVAL DA INCLUSÃO É SUCESSO EM CABO FRIO


- Jornal "O Cabofriense", de 01/03/2003 -


Deficientes se realizam em desfile na Praia do Forte


Não foi um sonho, foi realidade. Pela primeira vez, no Brasil, um município realiza com sucesso um desfile de Carnaval exclusivamente para portadores de deficiência física. Apesar do tempo do desfile não ter sido idêntico aos tradicionais das escolas de samba, o Bloco da Inclusão, como foi batizado, trouxe a alegria e a realização para muitos deficientes de Cabo Frio e da região. O desfile, realizado na noite da última quinta-feira, dia 27, na Praia do Forte, que arrebanhou centenas de pessoas, foi promovido pela prefeitura de Cabo Frio e incluiu pessoas com vários tipos de deficiência, como os assistidos da APAE e das escolas Arlete Rosa Castanho e Fernando Azevedo. Segundo o prefeito Alair Corrêa, o desfile será aperfeiçoado para fazer parte do calendário da programação de eventos da cidade. Para o diretor de Eventos da prefeitura, Edson Leonardes, o objetivo do desfile foi alcançado plenamente.
- Novamente Cabo Frio sai na frente de outras cidades do Brasil, em enxergar que essas pessoas portadoras de deficiência física, que infelizmente não tinham o prazer e condições de participar da alegria de um Carnaval organizado, agora têm. Mas esse momento foi concedido a eles com muito brilho e garbo. A emoção que sentiram e passaram, para quem estava acompanhado, é que vale. Graças ao prefeito Alair Corrêa, pessoa sensível a qualquer assunto, que enxergou essa necessidade, ao vereador Amaury Valério por estar sempre se empenhando nestas causas, ao Jubiabá que iniciou com este projeto, e a gente que realiza o evento. As coisas acontecem assim. Tem um mentor, tem alguém que acredita, dá a força e investe que é o nosso prefeito, enfim, partem para cima do evento, com determinação, até que ele aconteça.
De acordo com Leonardes, pela visão do prefeito Alair Corrêa o evento entrará com certeza para o calendário de eventos do município.
- É uma coisa tão bonita e gostosa de se ver, que não tem como não ser incluído no calendário de eventos de nossa cidade.

"Enquanto o mundo está em guerra e fazendo novos deficientes, nós estamos aqui entrosando o deficiente na sociedade. Mostramos para o Brasil que podemos fazer um Carnaval de paz" - Beth Peralta.*

A emoção foi muito grande e segundo a nossa entrevistada, a única coisa que realmente não deu para fazer foi levantar da cadeira de rodas.
- Ficamos muito felizes em ver que o povo foi à rua para nos assistir e apoiar. Isso demonstra claramente que, no ano que vem, iremos fazer um Carnaval com um maior apoio principalmente dos deficientes. Uma das coisas mais importantes é que mostramos que podemos fazer um Carnaval de paz e familiar. Enquanto o mundo está em guerra e fazendo novos deficientes, nós estamos aqui entrosando o deficiente na sociedade. Nós mostramos para o Brasil que podemos fazer um Carnaval de paz.
Para o vereador e radialista Amaury Valério, a audácia do prefeito Alair Corrêa em aceitar e promover a ideia de fazer este Carnaval da Inclusão foi de tirar o chapéu.
- A única coisa que ele se preocupou, quando lhes apresentamos a ideia, foi quanto à aceitação dos próprios deficientes. Ao abraçar o ideal, Alair proporcionou este Carnaval maravilhoso que aconteceu aqui na Praia do Forte, com todos os portadores de deficiência física se esbaldando e pedindo para que o evento prossiga.
Para o próximo ano, Amaury Valério propõe que para melhor comodidade das famílias dos deficientes, o evento seja realizado durante o dia, para que mais pessoas possam participar.
- Os alunos das Escolas Arlete Rosa Castanho e Fernando  Azevedo, por exemplo, com certeza se sentiriam bem mais à vontade se o desfile tivesse sido realizado durante o dia. Ano que vem vamos procurar adequar a questão do horário às possibilidades das famílias, porque normalmente o deficiente depende de uma ou mais pessoas.

Amaury Valério: "Ao abraçar o ideal, Alair proporcionou este Carnaval maravilhoso que aconteceu aqui na Praia do Forte com todos os portadores de deficiência física se esbaldando, e pedindo para que o evento prossiga".

De acordo com Amaury, o evento, que foi registrado até pelos turistas na Praia do Forte, deve servir de exemplo para o país.
- O exemplo que foi dado hoje, em Cabo Frio, tem que ser seguido. Não pode haver preconceito, nem pensamentos do tipo: "Será que é ridículo ver quem está em cadeiras de rodas ou de muletas sambando?" Claro que não. O resultado dessa nossa ousadia foi totalmente positiva. Portanto, queremos que até as próprias famílias percam a timidez e venham para a rua. O prefeito de Cabo Frio está dando esta oportunidade para que as pessoas portadoras de qualquer tipo de deficiência mostrem que podem ser e viver absolutamente normal.

Beth Peralta*: "Me senti poderosa. As pessoas precisam rever os seus conceitos"

Para a cadeirante Beth Peralta*, que se acidentou aos 19 anos e há 30 anos é paraplégica, a emoção foi total. Essa foi a primeira vez que desfilou num bloco para deficientes.
- Foi compensador. Eu sinto que a cidade de Cabo Frio abraça os nossos ideais, o que é mais importante. Eu não tenho preconceito e procuro mostrar às pessoas que elas devem lutar por aquilo que querem.
Beth acredita no projeto por ser inusitado e audacioso, que mexe com os conceitos das pessoas e com o próprio consciente.
- O próprio deficiente tem que se aceitar e participar destes tipos de eventos que, na verdade, tanto sonhamos. Se a pessoa tiver a mente boa, com certeza o corpo vai estar bem. As pessoas ao redor, de repente, nem se aperceberam que ali naquele bloco existiam pessoas deficientes como as da APAE, que não falam, ouvem, mas estavam sentindo a música, já que ela vibra dentro da pessoa, o que faz muito bem para nós deficientes, principalmente no Carnaval em que todos querem extravasar os seus sentimentos.

*Onde estiver escrito "Beth Peralta" leia-se "Beth Marge". Por um equívoco da redação na época, o nome saiu grafado erroneamente.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...