Pular para o conteúdo principal

LEITURA: INSTRUMENTO ESSENCIAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL

Todos sabemos que a mente das crianças é como um "HD zerado", um disco rígido de computador pronto para gravar as mínimas impressões e acontecimentos que, pouco a pouco, constituirão o seu saber e formarão sua personalidade para a vida. Assim, o meio em que vive, as experiências que vivencia, a maneira como é tratada, tudo isso influenciará sobremaneira em sua personalidade no amanhã. Muitos hábitos adquiridos na infância farão a diferença no seu desenvolvimento futuro. A leitura é um destes hábitos.
A criança tem, no lúdico, grande parte de seu aprendizado. A contação de histórias, os livros infantis, peças teatrais, brincadeiras de imaginação, tudo isso são instrumentos poderosos de influenciação na mente infantil. Através da imaginação, é como se a criança participasse de uma peça teatral. Ela fantasia e vive a vida dos personagens, assimila a história contada como se dela fizesse parte. Daí a importância de que a história, ou o conto, ou a peça teatral, o que seja, tenha sempre uma mensagem que transmita uma virtude. Ouso dizer que este mundo imaginário dos livros, das histórias e brincadeiras pode ser considerado como a maneira mais eficaz de ensinar valores que constituirão o caráter do futuro adulto. É a forma mais fácil de "falar a mesma língua" da criança, possibilitando a ela uma maior compreensão e consolidação do saber dentro de si.
Entre todos estes instrumentos citados, importante destacar a literatura infantil.
Criar nas crianças o hábito de ler as influenciará para toda a vida. É como dar a chave que abrirá portas e a fará desvendar o mundo! A criança que adquire o hábito da leitura estará apta no futuro buscar as informações, pesquisar, ir atrás do conhecimento. E o principal: haverá muito mais chance de que isso se dê com gosto, com prazer e satisfação. Através de uma boa leitura, a criança viaja no fantasioso, experimenta sensações e emoções e volta para sua realidade um pouco mais transformada, fortalecida por valores mais sólidos e pouco a pouco mais preparada para viver sua realidade com maior discernimento.
E vale destacar também que o exemplo fala muito alto na formação da criança. Ela assimila com muito mais facilidade aquilo que ouve, que vê, que observa. Daí a importância de o educador, seja este os pais ou os professores, também terem prazer na leitura, gostarem de ler, pois assim estarão mais capacitados para viajar na fantasia junto com as crianças e dela absorverem o conteúdo que fará a diferença em suas realidades. Só com prazer na leitura é que os educadores poderão entrar na mesma faixa de entendimento da criança e falar a sua voz, pois não bastará a eles colocar o livro nas mãos dela e dizer que precisam ler. Isso será inócuo. Há a necessidade de vivenciar com elas o lúdico  e isso só é possível quando o educador também se encanta com a leitura.
Educar e ler são dois verbos que caminham juntos. Não há como separá-los. Se quer ser educador, antes de tudo ame a leitura, pois ela será o fio invisível que proporcionará a sintonia fina com seu aprendiz e, em consequência, uma melhor transmissão do conteúdo com chance de assimilação muito mais eficaz. E, além disso, o exemplo fala mais alto e somente amando a leitura é que o educador conseguirá fazer brotar, até mesmo no mais resistente dos aprendizes, a vontade de ler, o encanto com a leitura, que constitui a base para formação do hábito.

Luciana G. Rugani - texto que escrevi para a antologia "Ler para Educar - literatura infantil", da Editora Comunicação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?  por Regis Mesquita Blog www.psicologiaracional.com.br
Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio, nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida.

A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos.

Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos.

Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado.

O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas).

Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte.

Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade.

Se seguisse este preceito, Rodin teria sido um bom pedreiro. O correto é diz…