Pular para o conteúdo principal

CONTINUANDO A SÉRIE DE POSTAGENS SOBRE "PSICOPATAS" - PSICOPATAS DE COLARINHO BRANCO

por Luciana G. Rugani - Continuando a série de postagens sobre "Psicopatas" que tenho aqui no blog, hoje trago mais um texto excelente e explicativo sobre este transtorno de personalidade tão comum em nossa sociedade e ainda tão desconhecido por muitas pessoas. Os psicopatas nem sempre se revelam por meio de comportamentos violentos. Aliás, em sua grande maioria, não possuem atitudes violentas, razão pela qual podemos conviver diariamente com um psicopata e não reconhecê-lo. Daí a importância de lermos sobre o assunto
Há textos muito esclarecedores na internet. O texto abaixo é um deles e detalha características de um psicopata e suas similaridades com o perfil de políticos corruptos. Dezenas de vezes que buscarmos este assunto e lermos estes textos ainda serão poucas para nos protegermos de suas armadilhas mentais. Segue abaixo:


POLÍTICO CORRUPTO PODE SER UM PSICOPATA. SERÁ QUE VOCÊ IDENTIFICA ALGUM?
por Bia Souza

Psicopatas ou sociopatas têm como característica a falta de empatia com as vítimas, insensibilidade, a falta de remorso e a frieza para agir. Mas nem sempre eles se personificam como um assassino cruel, como se fossem um Coringa ou Hannibal. Ao contrário, eles podem ser "gente como a gente" e estar no seu trabalho, na sua vizinhança, no seu círculo social e até ter conseguido o seu voto nas eleições.

Os estudiosos chamam de "psicopatas de colarinho branco", os psicopatas que têm atitudes destrutivas, mas não letais. "Há um mito nessa associação ao serial killer. Os seriados e os filmes criaram a caricatura do psicopata violento. Existem psicopatas que são pessoas destrutivas de forma indireta, desorganizam os ambientes, constroem prédios com material de baixa qualidade e até fazem investimentos de alto risco, por exemplo. Podem ser empresários, políticos corruptos ou indivíduos comuns", diz o médico Antonio de Pádua Serafim, coordenador do núcleo forense do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

No mundo corporativo também pode haver psicopatas. Ele pode ser um chefe cruel e insensível, disposto a caluniar e fazer intrigas para tirar qualquer um do seu caminho, segundo o psiquiatra Sergio Hototian, do Hospital Sírio-Libanês. "Esses indivíduos percebem como as pessoas a sua volta funcionam. Aprendem as características pessoais e as utilizam para destruir o que estiver atrapalhando seus objetivos. Ele percebe as tristezas e fragilidades, diz o que o outro quer ouvir, presenteia e manipula para conseguir o que quer."

Estima-se que de 1% a 3% da população mundial seja psicopata.

Os psicopatas sofrem do que alguns médicos chamam de "sensibilidade ao tédio", precisam de estímulos constantes e da sensação de experimentar coisas novas. Essa necessidade unida a falta de empatia faz o comportamento parecer "normal" à primeira vista. "Às vezes parece que o psicopata está ligado a outra pessoa, mas ele tem um egocentrismo patológico, todas as ligações pessoais e as familiares são para benefício próprio. Essas pessoas não sentem remorso e culpam os outros pela sua atitude. É comum ouvir justificativas como: 'eu o agredi porque ele me provocou'", diz Serafim.

A psicopatia e a sociopatia são vistas pelos especialistas como sinônimos que representam a mesma condição mental chamada transtorno de personalidade antissocial ou dissocial. Mas para Hototian psicopatia não é doença. "É algo intratável. É um traço de personalidade que faz o indivíduo tentar destruir o outro social ou profissionalmente por prazer. Já o antissocial (sociopata) sofre de uma doença tratável. O que ele tem são limitações de comportamento que embora o levem a prejudicar os outros também o prejudicam e podem causar depressão, angustia e dependência química."

O diagnóstico destas condições é bastante complexo e é feito a partir da história do indivíduo, incluindo comportamentos da infância, da observação de como se apresenta, pensa, interpreta e se relaciona atualmente com os outros. Assim características como irritabilidade, impulsividade, falta de remorso e irresponsabilidade podem ser separadas de mudanças de humor corriqueiras. Os médicos também utilizam questionários padronizados que visam traçar as características de personalidade mais marcantes de cada um.

Entenda a psicopatia

1)Psicopatas não têm emoções?

Os psicopatas têm emoções. A diferença é que não há empatia. O interesse que eles têm nos sentimentos alheios é apenas para ter proveito próprio. Também não existe resposta fisiológica aos sentimentos. As emoções provocam reações como vermelhidão no rosto, palidez e tremores. Os psicopatas não têm esse tipo de reação, embora o cérebro ative as emoções que o corpo não demonstra. Isso é o que conhecemos como frieza emocional.
compartilhar

2) O psicopata tem sempre o mesmo comportamento?

Não exatamente. Existe uma variedade na forma de demonstrar a psicopatia. Alguns são mais violentos, outros mais silenciosos e metódicos.
compartilhar

3) Nasce psicopata ou torna-se psicopata?

Essa é uma pergunta que ainda está em estudo na ciência. Os especialistas encontraram indivíduos que demonstram características de psicopatia ainda crianças e outros onde o diagnóstico só foi perceptível na vida adulta.
compartilhar

4) Psicopatia não tem cura?

O psicopata não possui empatia, que é uma condição adquirida ao logo da vida. Não existe um remédio que possa evitar ou interromper isso.
compartilhar

5) Por que vilões do cinema ganham a simpatia do público?

Segundo os especialistas, a capacidade que essas personagens têm de agir com cautela e frieza para conquistarem seus objetivos é admirada pelo público. "Esses personagens possuem algo em comum: uma justificativa para cometerem seus atos condenáveis. Isso contribui em certo grau para que o espectador tenha menor desejo de punição e maior vontade de justiça com eles", afirma Ricardo Jonathan Feldman, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein. Para Serafim os vilões também despertam curiosidades internas nos fãs. "Aquela conduta leva as pessoas a se questionarem. Será que eu sou capaz disso? Será que todo mundo é capaz disso? Será que eu tenho esse potencial destrutivo também? Ele faz o espectador pensar até onde o comportamento humano pode chegar."

Político corrupto pode ser um psicopata. Será que você identifica algum? iStock Imagem: iStock Bia Souza Do UOL, em São Paulo 21/12/2015 06h00 Psicopatas ou sociopatas têm como característica a falta de empatia com as vítimas, insensibilidade, a falta de remorso e a frieza para agir. Mas nem sempre eles se personificam como um assassino cruel, como se fossem um Coringa ou Hannibal. Ao contrário, eles podem ser "gente como a gente" e estar no seu trabalho, na sua vizinhança, no seu círculo social e até ter conseguido o seu voto nas eleições. Os estudiosos chamam de "psicopatas de colarinho branco", os psicopatas que têm atitudes destrutivas, mas não letais. "Há um m... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/listas/politico-corrupto-pode-ser-um-psicopata-sera-que-voce-conhece-algum.htm?cmpid=copiaecola
Político corrupto pode ser um psicopata. Será que você identifica algum? iStock Imagem: iStock Bia Souza Do UOL, em São Paulo 21/12/2015 06h00 Psicopatas ou sociopatas têm como característica a falta de empatia com as vítimas, insensibilidade, a falta de remorso e a frieza para agir. Mas nem sempre eles se personificam como um assassino cruel, como se fossem um Coringa ou Hannibal. Ao contrário, eles podem ser "gente como a gente" e estar no seu trabalho, na sua vizinhança, no seu círculo social e até ter conseguido o seu voto nas eleições. Os estudiosos chamam de "psicopatas de colarinho branco", os psicopatas que têm atitudes destrutivas, mas não letais. "Há um m... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/listas/politico-corrupto-pode-ser-um-psicopata-sera-que-voce-conhece-algum.htm?cmpid=copiaecola

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si