Pular para o conteúdo principal

SINAIS DA NATUREZA EM TEMPOS DE QUARENTENA

É sempre conveniente que tenhamos uma visão mais ampla e reflexiva sobre tudo que nos acontece. Em um fato preocupante e, aparentemente, só negativo, há pontos positivos que funcionam como um alerta do que precisa ser mudado.

Neste tempo de quarentena, vale a pena observarmos mais a natureza. Nas grandes cidades, basta olharmos pela janela de algum grande edifício para percebermos que aquela névoa de poluição que víamos diariamente no horizonte desapareceu. Até mesmo à noite, ao olharmos para o céu, percebemos uma nitidez a mais na visão. Isso também em relação aos sons da natureza. O silêncio de uma cidade em quarentena nos faz ouvir outros sons que jamais ouviríamos se assim não fosse, pois o som se propaga ainda melhor em atmosfera menos densa.

Em relação às praias, não podemos frequentá-las, mas isso não impede que as observemos através dos drones, tecnologia que tem muito a contribuir positivamente. E que maravilha percebermos que a natureza está "respirando", se recuperando aos poucos neste tempo de "descanso" da presença humana massiva! E, sejamos verdadeiros, considerando o modo como o ser humano vinha lidando com a natureza, lançando sem dó bitucas de cigarro na areia e dentro do mar, deixando seu lixo nas praias, contribuindo para a formação do "oceano de plástico" que tanto tem matado animais marinhos, podemos dizer que esta pausa, em sentido ambiental, é um ponto positivo a ser analisado. 

Que possamos ter a  percepção mais apurada e a sensibilidade de perceber os sinais da natureza nos mostrando que precisamos repensar nossas atitudes enquanto membros deste conjunto maior que é o planeta. Não somos ilhas. Nossas ações refletem no coletivo, no ambiente que nos envolve, e voltarão para nós como efeitos do que produzimos. Isso é fato, é lei da natureza. Então, espero que a grande maioria das pessoas e também líderes de coletividades possam despertar para essa questão, possam observar mais o ambiente que os envolve e analisar o que devemos mudar em nosso proceder daqui pra frente, quando a vida voltar ao "normal". Que hábitos nossos, em nosso dia a dia, precisam ser mudados, que diretrizes precisamos adotar em nossas ações coletivas, qual o foco devemos priorizar para que a vida na Terra não chegue novamente em seu limite crítico.

Abaixo seguem vídeos e fotos de três das belíssimas praias de Cabo Frio, nesta quarentena. Praia das Conchas, Praia do Peró e a Praia do Forte. Cliquem para ver e percebam, em toda plenitude, a beleza e vida que há em nossa natureza apelando para que nos conscientizemos e deixemos de seguir tão limitados aos nossos interesses do cotidiano. Que possamos mudar nossos hábitos em relação à natureza, ela é essencial para a manutenção de nossas vidas.

Fotos e vídeos: Jhony Bianch.
Texto: Luciana G. Rugani













Comentários

  1. Ambiente lindo,e por falar em ambiente lindo,cadê aquela florestinha linda da ilha do japonês que sumiu no do nada,cortaram todas as árvores pra qual finalidade?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói