Pular para o conteúdo principal

DIA DAS MÃES....NA REAL

Não quero aqui repetir os dizeres tão propagados pela mídia nos últimos dias, nem quero me dirigir àquelas mães perfeitas formadas no imaginário popular, idealizadas pela propaganda. Posso até contrariar algumas opiniões, mas devo expressar o que penso e fazer minha homenagem àquelas que realmente são merecedoras 
Ser mãe não é simplesmente gerar. Isso é apenas uma condição biológica. Por isso não digo que amor de mãe é maior que qualquer amor. Antes de tudo, é preciso compreender o sentido real da palavra "mãe" e da palavra "amor".
Sabemos que há muitas mulheres que vêm em um filho a oportunidade de se garantirem na vida, até mesmo financeiramente. Sabemos também que há muitas mulheres que fazem do filho um canal para suprir suas frustrações Sabemos, ainda, que há mulheres que espancam e cometem atrocidades, aberrações, com seus filhos. Há ainda aquelas que "vendem" suas filhas ainda adolescentes ou as entregam para "poderosos"em troca de dinheiro ou benesses, desvirtuando-as moralmente. Sabemos que isso tudo até hoje acontece, ainda que com a utilização de métodos mais sofisticados.
Eu não me dirijo a estas mulheres. Desculpem, mas não as considero mães, apenas fêmeas que pariram. Qualquer mulher que veja no filho uma oportunidade de se garantir, está desrespeitando-o enquanto ser humano, tratando-o como objeto de sua posse, como um brinquedo para satisfação de suas vaidades.
Quero me dirigir àquelas que, antes de tudo, sabem que o filho é um ser vivo que merece respeito e que está na Terra para evoluir enquanto ser espiritual que é, e não para ser instrumento de satisfação de ninguém. 
Quero me dirigir àquelas que são seres humanos naturalmente imperfeitos, mas que, conscientes disso, buscam dar o melhor de si, dentro de suas possibilidades, e cumprir sua missão com amor e dedicação. 
Quero me dirigir às que não possuem a pretensão de serem “supermães”, mas possuem a sabedoria de discernir entre o que está ou não dentro de suas possibilidades, aceitando, com humildade, que muitas vezes não podem mudar o curso do rio que corre, que isso não é motivo para se entregarem à dor e sofrimento, e sim razão para o exercício da compreensão.
Quero me dirigir àquelas que lutam consigo mesmas para entender que amor é diferente de apego, que filho não é posse, que é preciso respeitar sua individualidade, ideias e caminhos escolhidos, e que a base do amor é a amizade sem cobrança.
Quero me dirigir à mãe que vive, que batalha, que já sofreu muito, mas que segue em frente sem "entregar os pontos".
A esta mãe que me dirijo hoje para desejar que as bênçãos, por ela a nós ofertadas, a ela retornem multiplicadas mil vezes. Que o aconchego que sentimos em sua presença continue confortando nossos corações e faça morada eterna em nosso ser, amenizando nossas lutas diárias. Que Deus lhe devolva todo o bem que nos ofertou. Meus parabéns e agradecimentos neste dia especial, que é todo seu! 

Comentários

  1. Lindo! Ser mãe é padecer no paraíso dando glória á Deus, ser mãe é o dom mais sublime da terra. Ser mãe é dar o melhor de si. Eu amo ser mãe do ser mais lindo que Deus criou. Parabéns á todas as mães.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si