Pular para o conteúdo principal

CAVERNA DOS ESCRAVOS - CABO FRIO - RJ

Foto: Acioli Júnior
Caverna dos Escravos, Cabo Frio RJ
Por Acioli Junior

No Parque Estadual da Costa do Sol, no município de Cabo Frio RJ, há um tesouro histórico e arqueológico em meio as praias selvagens e uma trilha selvagem, é a ancestral Caverna dos Escravos, local muitíssimo desconhecido por moradores e turistas e que não recebe o respeito devido e a proteção do poder público.
Essa caverna foi construída por índios tupinambás (Tamoios) no século XVI, arqueólogos datam a mesma por volta do ano 1600 da era cristã, cem anos após o descobrimento do Brasil e no período de grande exploração de pau-brasil na região do antigo Cabo Frio.
Período esse, que foi usado grandemente a exploração do trabalho compulsório dos ameríndios (indígenas), os nativos da terra por parte do colonizador, o português.
Essa caverna foi extremamente bem construída por mãos humanas, dá pra vê as marcas nas suas paredes do trabalho dos artífices, e percebe-se a perfeição da construção, ela não é um simples buraco na pedra. Entrando na mesma, chega-se facilmente até seu final, apesar do incômodo causado por seus moradores, muitos morcegos, que na verdade são dóceis e não fazem nenhum mal aos seres humanos. Apesar de assustarem os visitantes e turistas.
Existem algumas teorias sobre a construção da mesma. Na verdade, são hipóteses ainda não comprovadas por falta de documentação histórica do período. A maioria dos historiadores, no entanto, acreditam que o local foi construído por escravos nativos que se refugiavam no local. Sendo uma espécie de esconderijo de escravos fugitivos, ou daqueles que temiam serem feitos cativos. Outra hipótese é que se tratava de um templo indígena, que os nativos usavam para “meditação” ou ainda, um local para colocar mulheres menstruadas ou crianças doentes. A última teoria é a da exploração de pedras preciosas no local, sendo a caverna uma espécie de mina, muito parecida com a encontrada em Minas Gerais, na região de Ouro Preto e Mariana.
A única certeza que se tem da Cavernas dos Escravos é que a mesma foi construída com todo cuidado e expertise pelas mãos humanas, sendo um trabalho magnífico, num local de beleza exuberante.
O local fica na região das antigas salinas peroanas, onde hoje, infelizmente, criaram um estacionamento gigantesco com forte dano ambiental, perto da badalada Ilha do Japonês e da Praia Brava, praia está, que é o único local do balneário reservado para o naturalismo/nudismo. Local de extrema beleza e excelente para trilhas, filmagens e tirar muitas fotos para recordação.
Deixo aqui no fim do texto a minhas críticas ao poder público local e a muitos que visitam a Caverna.
A cada dia que passa as inúmeras trilhas, tanto da Ilha do Japonês, como da Praia Brava e da Caverna dos Escravos vão se fechando, algumas claramente já se fecharam e se tornaram impossíveis passar pelas mesmas.
Também não existem sinalizações nas trilhas feitas pelo poder público indicando como chegar, por onde ir, deixando o visitante extremamente perdido sem ter a mínima noção de onde fica tanto a praia de nudismo, a Brava, como a Caverna dos Escravos.
O poder púbico também não investe em propaganda e marketing de divulgação dessas belezas naturais e históricas, fazendo que milhões de turistas que nos visitam se quer saibam da existência tanto da Praia Brava como da Caverna, mesmo a maioria deles estando ao lado desses dois esplêndidos locais, quando visitam a Ilha do Japonês. E o pior, nem os cidadãos cabo-frienses conhecem o local e muito menos já os visitaram.
Deixando-se assim de ganhar muito dinheiro com o turismo naturalista, de trilha e histórico porque temos governantes irresponsáveis e sem visão empreendedora para um turismo de altíssima qualidade. Além é claro de gerarmos emprego e renda para guias turísticos e para trabalhadores autônomos nesses locais, que poderiam vender bebidas e comidas para os visitantes.
Pela falta de cuidado, apreço e respeito ao local por parte dos prefeitos e da Câmara Municipal que deveria fiscalizar o poder executivo e criar projetos de lei que poderiam revitalizar e melhorar o acesso a essas riquezas ambiental e histórica.
Soma-se a isso, a irresponsabilidade de alguns visitantes que fazem pichação ou escrevem seus nomes dentro da caverna. Ao invés de terem uma consciência preservacionistas e marcarem sua presença com fotos e vídeos, o que é louvável, o fazem da pior forma, que é deixando suas marcas depreciativas no local.
Temos muito a evoluir como povo e muito trabalho a fazer para conscientizar tanto o poder público quanto os visitantes da importância da preservação de locais históricos e fantásticos como esse.
Espero através desse excerto está fazendo a minha parte!
Obs.: Esse texto faz parte do meu segundo livro: Roteiro Ambiental da Cidade de Cabo RJ (indisponível no momento).
P.S.: fotos: Evangelos Pagalidis. Clique aqui para assistir a vídeo sobre o local. 

Comentários

  1. Muito bom. O melhor texto q já li até agora sobre esse nosso património. Parabéns. O John Knivet relata sobre essa busca dos portugueses por pedras preciosas sem sucesso no século XVI. Vale ressaltar q para a segurança da saúde dos visitantes deve-se entrar de mascara, pois as fezes dos morcegos possuem um fungo q pode ser perigoso para o pulmão e não deve-se encostar nas paredes devido a presença de muitas aranhas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si