Pular para o conteúdo principal

O LADO OCULTO DA PANDEMIA

Muito se fala sobre aspectos físicos e sociais da pandemia. Sintomas da doença, isolamento social, efeitos na economia, etc. Tudo isso nós vemos, ou percebemos, de forma bem clara. Mas há alguns aspectos que só percebemos com uma observação mais profunda.

Dizem que este vírus veio trazer à tona algumas verdades. E, realmente, algumas são notórias, como a verdade da triste situação do sistema público de saúde, a verdade do acúmulo de poluição nos ares, mares e rios e a verdade de que somos todos humanos, ricos e pobres, sujeitos às mesmas doenças e morte. Mas há uma outra questão, que vale a pena destacar: essa pandemia veio revelar também a verdade de cada um, o interior de cada um. Explico.

Quando começou a pandemia, nunca imaginei que veria um governo agir com tamanha displicência, como agiu o governo federal, e nunca imaginei também ver pessoas brigando entre si, algumas até negando a pandemia e negando-se a tomar medidas protetivas, como uso de máscaras e isolamento social. Parece que o interior de cada um foi desvendado, fazendo vir à tona o seu ser verdadeiro, muitos egoístas, maldosos, cheios de ódio. E ainda, quando deveria haver mais união entre as pessoas, quando, apesar de distantes, os laços de convivência e de amizade deveriam se fortalecer, reforçados pela solidariedade, percebemos o contrário em muitas relações. Mais uma vez o interior de cada um era revelado, e o egoísmo veio à tona massacrando relações que antes pareciam sólidas, reais, mas que se mostraram frágeis e incapazes de resistirem a momentos graves. Vimos pessoas fechando-se em suas revoltas pessoais, com dificuldade de aceitação da nova realidade. Enquanto a chamada da Vida era para que nos readaptássemos (e para isso o mundo virtual foi uma das ferramentas que tornaram possível essa readaptação) muitos preferiram se fechar, mesmo tendo todas as condições para uma reinvenção de si mesmos. Nenhum apoio, nenhuma palavra amiga, nenhuma preocupação com o outro. Algo típico do "cada um por si". Então vimos o fim de amizades que pareciam sólidas. Ficou apenas a verdade do vazio, comprovação de que as relações eram frágeis e, de fato, não passavam de mera ilusão. No momento em que as pessoas mais deveriam dar as mãos, quando a vida pede união, amor, solidariedade, quando tudo no planeta nos grita para termos mais pensamento coletivo, mais EMPATIA, o ser humano se mostra ainda mais egoísta! Incrível esse paradoxo da sociedade humana! Quando, para resolver de forma mais leve e menos traumática uma grave questão basta termos mais empatia uns com os outros, aí é que vamos no caminho contrário, no caminho do egoísmo. Resultado: agravamento de circunstâncias e relações, que poderiam ser fortalecidas com o apoio uns aos outros, findando-se  no egoísmo silencioso.

Basta ser um observador atento e analisar com mais profundidade para perceber esse lado oculto da pandemia, porém revelador da falência da empatia e do amor e da predominância do egoísmo em nossa sociedade. Muito triste essa realidade, afinal não é fácil lidar com verdades reveladas praticamente da noite para o dia. De repente é como se desabasse o chão, a base, muito do que acreditávamos ser real. Dói, deprime, nos transtorna profundamente. O confronto com a verdade dessa forma é, com certeza, uma das mais dolorosas provas a que somos submetidos.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019