Pular para o conteúdo principal

O QUE É UM SOCIOPATA: CARACTERÍSTICAS E PERSONALIDADE

Matéria do site Psicologia-Online sobre sociopatas, atualizado em 3/12/19. Importante ler e conhecer, pois atualmente é grande o número de sociopatas entre nós:
O que é um sociopata: características e personalidade
Por Marissa Glover, Psicóloga.

Quando falamos em sociopatia nos referimos a um transtorno de personalidade atualmente conhecido como transtorno de personalidade antissocial. Ao contrário do que muitos podem pensar em relação ao termo antissocial - pessoas pacíficas que apenas não gostam de conviver com os demais, se isolando e não tendo uma vida social muito ativa -, os indivíduos com esse tipo de transtorno apresentam características que podem se relacionar com psicopatia.
Nesse artigo de Psicologia-Online, iremos descrever de maneira detalhada o que é um sociopata, quais são as características dessa personalidade, como identificar um sociopata, além de qual a diferença entre sociopata e psicopata. Também iremos mostrar quais são os tratamentos para para esse transtorno e te dar alguns conselhos de como lidar com uma pessoa sociopata.

Como identificar um sociopata

Mas o que é um sociopata? Sociopatia, um transtorno de personalidade antissocial, é uma psicopatologia detectada e diagnosticada geralmente a partir dos 18 anos, mas cujos sintomas começam a se desenvolver desde a adolescência ou, em alguns casos, desde a infância.
Mesmo que pareça que a sociopatia é um transtorno incomum, há mais pessoas sociopatas do que imaginamos. O que acontece é que em muitos casos sociopatas tendem a mascarar sua verdadeira personalidade, já que são pessoas que sabem muito bem como fingir ou atuar.

Características de um sociopata

Agora que você já entendeu o que é um sociopata, saiba quais são os principais sintomas e características de um sociopata e como identificar um psicopata? Então confira a lista a seguir.
Age de forma cruel: um sociopata pode se comportar de maneira muito dura e/ou sem piedade em relação a outros e depois fingir que nada aconteceu.
Não tem remorso: apesar de realizar certas ações que afetam direta ou indiretamente uma ou mais pessoas negativamente, um sociopata geralmente não sente culpa ou remorso pelo que fez.
Tem falta de empatia: um sociopata não costuma a ter empatia já que não consegue se colocar no lugar de outra pessoa, sentir sua dor ou compartilhar sua alegria.
É egocêntrico: um sociopata centra-se unica e exclusivamente em si mesma e o único que a interessa dos demais é o que ela pode obter deles para seu próprio benefício.
É manipulador: mesmo que não possa realmente compreender ou sentir na pele os pontos fracos das pessoas, o sociopata conhece perfeitamente quais são eles. Com isso, ele aproveita para manipular e explorar quem consegue sem se importar com o dano físico ou psicológico que possa estar causando.
É encantador: ao contrário do que se espera de um sociopata, eles podem ser extremamente encantadores com os demais para conseguir manipulá-los e obter o que querem. Sociopatas podem aparentar, de maneira superficial, ser bastante confiáveis e divertidos quando querem.
Não sente medo ou ansiedade: esse tipo de pessoa não chega a experimentar sentimentos como medo e ansiedade mesmo em situações de perigo onde sua vida está em risco. Em situações como essa, pessoas que não sofrem de transtorno de personalidade antissocial não reagiriam impulsivamente.
É inteligente: sociopatas são pessoas que possuem um nível alto de inteligência e de agilidade mental. É por isso que regularmente têm êxito no âmbito de trabalho, conseguindo cargos importantes. O lado negativo da sua inteligência é que sempre a usam para seu benefício próprio e para machucar os demais.
Não tem relações interpessoais estáveis: devido às características desse transtorno, os sociopatas não conseguem se conectar com tantas pessoas e, por isso, a relação que têm com os demais costuma a ser superficial e baseada apenas no seu próprio interesse. No entanto, diferentemente de um psicopata, um sociopata pode sim chegar a desenvolver uma relação verdadeira com alguém, só é mais difícil que para alguém sem o transtorno.
Repete os mesmos erros: apesar de que em ocasiões seja punido pelos erros que cometeu, um sociopata nunca vai aprender a lição. É muito comum que siga repetindo os mesmos erros sem se importar com as consequências já que é muito impulsivo e menos racional do que um psicopata.
É pouco confiável: sociopatas são pessoas que têm uma alta capacidade de mentir.
Tem boa retórica: sociopatas contam com uma grande habilidade verbal e de retórica e têm um alto nível de persuasão em relação aos demais, sabendo como, quando e para quem dizer as coisas. Por isso, eles costumam a obter muito êxito, especialmente econômico, já que com o tempo chegam a estabelecer uma boa rede de contatos e conseguem convencer seus clientes com facilidade do que querem.

Sociopata: como tratar um

Agora que você já conhece o perfil de um sociopata, é a hora de saber como tratar o transtorno. A parte mais difícil não é o tratamento em si, mas sim fazer com que o sociopata reconheça que tem um problema e queira realmente superá-lo.
Geralmente, quando um sociopata chega a pedir ajuda é por estar se sentindo mal em áreas da sua vida, o que o dificulta a alcançar seus objetivos ou a não conseguir aumentar seu bem-estar emocional.
No princípio, é muito difícil que um sociopata aceite e reconheça seu problema, no entanto, um profissional qualificado pode adotar estratégias que façam com que isso aconteça.
Terapia psicológica para sociopatia
Em relação à terapia cognitiva-comportamental é importante mencionar que, primeiro, é realizada uma análise funcional e uma avaliação completa do perfil de personalidade do indivíduo, da sua história clínica e do seu contexto.
Depois que se tem um diagnóstico exato, se intervém através uma psicoeducação, na qual se explica detalhadamente ao paciente no que consiste seu transtorno, quais são os sintomas, causas, consequências e como o tratamento vai ser realizado.
Dessa maneira, também se consegue trabalhar com a aceitação e o reconhecimento de quem padece desse transtorno.
Uma vez que o sociopata começa a aceitar a sua psicopatologia, trabalha-se na eliminação dos principais sintomas que geram o mal-estar.
Através de uma reestruturação cognitiva, também é possível refletir sobre os pensamentos, sentimentos e emoções que o paciente está experienciando, tentando modificá-los por outros mais racionais.
Os valores pessoais dos indivíduos com sociopatia são reestabelecidos e modificados por outros mais positivos e favoráveis a eles, e lhes são ensinadas habilidades para saber mudar e melhorar suas ações.
Também é necessário mencionar que cada caso é completamente diferente, mesmo que o transtorno seja o mesmo, e que, por isso, o tratamento tem efeitos distintos em cada um deles.

Sociopata: como lidar com um

E como lidar com um sociopata? Antes de mais nada é necessário reconhecer quais são os sinais mais evidentes que nos indicam que efetivamente encontramos uma pessoa com o transtorno antissocial sociopata. Você pode refletir sobre a sua maneira de atuar, principalmente se for mais próxima a ela, o que faz o reconhecimento ser mais fácil.
Se você tiver certeza que conhece um sociopata, é recomendado ficar mais distante a ele, já que o mesmo pode te causar problemas a níveis psicológico e físico.
Se estivermos falando de algum familiar próximo, o mais recomendado é que você procure um grupo de apoio ou um profissional da área para que eles te possam oferecer técnicas e ferramentas para conviver com o seu parente sociopata da melhor maneira possível e também para tentar convencê-lo a receber ajuda.
Não se esqueça que a qualquer sinal que a pessoa com esse transtorno possa representar um perigo, tome cuidado com a sua segurança. Em casos que receba ameaças de maneira direta é indispensável que avise a polícia disso.

Diferença entre psicopata e sociopata

Muitas vezes é possível confundir as expressões sociopata e psicopata. Mas afinal, qual a diferença entre psicopata e sociopata? Ambas psicopatia e sociopatia são definidas pela psicologia clínica como transtornos de personalidade antissocial.
No entanto, os sociopatas costumam a assumir condutas mais erráticas e impulsivas que os psicopatas, que são mais controlados e racionais.
Como a sociopatia é um transtorno adquirido ao longo da vida, ao contrário da psicopatia, que é inata, pessoas com essa doença podem formar laços verdadeiros com pessoas ao seu redor e, em alguns casos, até sentir remorso e culpa quando cometem um erro. Já psicopatas não têm empatia alguma e, assim, não formam relações com ninguém.
Mesmo assim é de extrema importância fazer um diagnóstico completo por um profissional caso haja suspeitas de que uma pessoa possa ser sociopata ou psicopata.

Os sociopatas amam?

Não é de estranhar que nos sintomas atraídos e até mesmo que nos apaixonemos de um sociopata. Como mencionado antes, eles são muito abertos e carismáticos e, se querem algo nosso, usam essas armas até conseguirem o que querem. Costumam se aproveitar de quem lhes dá atenção e parecem ser pessoas altamente sensíveis.
Para saber se os sociopatas amam, é primordial entender que as características da sua personalidade implicam um transtorno psicológico e, como tal, isso pode ser entendido a muitos níveis. Para entendermos melhor: existem algumas pessoas com poucas características sociopatas e outros indivíduos com sintomas muito mais marcados e limitantes. Por isso, entendemos que a dificuldade em amar reside no nível de sociopatia que a pessoa tem. Este transtorno psicológico é chamado de transtorno de personalidade antissocial, como mencionado antes, e a doença mental engloba outros comportamentos que não foram indicados e que podem aparecem em sociopatas ou psicopatas.

Sociopatas podem se apaixonar?

Embora seja verdade que ser parceiro ou parceira de um psicopata dê origem a várias dificuldades, não é uma tarefa impossível. Um sociopata pode se apaixonar, de um jeito diferente do nosso, mas podem desenvolver sentimentos fortes em relação a outra pessoa, sim. Sim, sociopatas podem amar, mas o primeiro passo para estabelecer um vínculo sentimental será aprender a distinguir se o que o sociopata sente é real ou se está tentando manipular a outra pessoa.

Ser parceiro(a) de um(a) sociopata

Uma vez decidido estabelecer uma relação com um ou uma sociopata, é necessário seguir alguns passos para evitar que ele te machuque a longo prazo:
Em primeiro lugar, devemos confirmar se essa pessoa realmente é sociopata, pode simplesmente ter algumas características mas não cumprir com os critérios de diagnóstico.
Uma vez confirmada a sua personalidade, devemos ir com cuidado para não cair nas suas pequenas manipulações. Apesar de poderem sentir amor, isso não impede que tenham tendência para mentir e manipular a pessoa que amam. No entanto, se estabelecemos os limites inicialmente, podemos conseguir manter uma relação relativamente saudável.
Saber como tratar um sociopata é essencial se decidimos avançar no relacionamento. Manter as suas características longe e proporcionar um ambiente onde ele ou ela possa se expressar e comunicar sinceramente são boas estratégias para facilitar o vínculo com essa pessoa.
Se a relação funciona bem e decidimos viver com um sociopata, não devemos baixar a guarda caso surjam épocas onde as suas características se acentuam. Em momentos de crise, recomendamos que consulte um psicólogo para poder gestionar os comportamentos do sociopata da melhor forma possível.
É aconselhável que a própria estabilidade mental seja colocada como uma prioridade na frente da relação. Ser o parceiro de um sociopata pode implicar um desgaste psicólogo muito importante e é essencial ter uma boa saúde mental para evitar desenvolver uma depressão ou outra doença.

Quando um sociopata termina a relação

É verdade que um sociopata pode se apaixonar, mas o que acontece quando ele termina a relação?
Pode acontecer que o sociopata deixe a parceira ou parceiro quando se cansa dela ou dele. Isso costuma acontecer quando os sentimentos base não eram totalmente reais e deixa de existir algo do qual o sociopata possa se aproveitar. Também é possível que a relação termine por dificuldades dentro das dinâmicas do casal. Uma personalidade sociopata desgasta e complica muito a convivência se não for tratada corretamente. Por isso, não é de estranhar que o companheiro ou companheira deseje se afastar da toxicidade para preservar a sua integridade psicológica.
Em ambos os casos, o término não costuma ser fácil. O indivíduo sociopata tem tendencia à manipulação emocional e, se não quer deixar a pessoa ir, fará de tudo o que esteja ao seu alcance para que a pessoa não termine com ele ou ela. Se foi o sociopata quem decidiu terminar, é possível que continue tentando machucar a pessoa por pura diversão ou entretenimento.
Quando a relação com um sociopata termina, é importante que nos afastemos dessa pessoa e mantenhamos uma distância de prudência para evitar que nos provoque dano emocional.

Este artigo é meramente informativo, em Psicologia-Online não temos a capacidade de fazer um diagnóstico ou indicar um tratamento. Recomendamos que você consulte um psicólogo para que ele te aconselhe sobre o seu caso em particular.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si