Pular para o conteúdo principal

POEMA "ATÉ QUANDO?" - POR MARCINHA RIBEIRO

Este poema lindo de Marcinha Ribeiro sintetiza todos nossos questionamentos. Como ser poeta em tempos tão difíceis? Alguns dizem: "impossível, com tantos problemas não tenho cabeça para poesia". Mas engana-se completamente! O que seria de nós se não fosse a arte da poesia, a arte de expressar em palavras aquela dor que nos invade no mais profundo do ser e nossos questionamentos íntimos? A poesia já salvou muitos da depressão, e ela nos salva a cada dia da possibilidade de chegarmos no limite desse abismo. 
Segue o poema que tanto nos faz bem e que tenho a alegria de compartilhar com vocês:


ATÉ QUANDO?

Meu Deus,
Até quando?
Até quando acontecerá ,
Essa total falta de amor, 
De atitudes no bem ?
A vida é um todo, 
É tão difícil compreender?
Somos meninos, 
Somos velhos, 
Todos em união. 
Meu Deus!
Até quando a floresta queimará, 
Apagando de vez,
Os vestígios de vida ?
Bichos correm, 
Desesperos pueris, 
E nem sabem porque, 
Morrem assim.
Queimadas mortais, 
Genocídio total, 
Da flora, da fauna, das vidas. 
Meu Deus!
Até quando escolas cairão, 
Sob o julgo da ganância ?
Até quando crianças correrão, 
Agarradas aos seus cadernos, 
Guardando letras mal escritas, 
Em folhas amassadas ,
Mas qual tesouro desejado ,
Na incompetência de governos, 
Que se acham imperador, 
Absolutos , 
Imutáveis ?
Meu Deus, 
Até quando crianças terão crianças, 
Pelo estupro de seus corpos, 
No desejo lascivo, 
Incompreensível, 
Inenarrável ?
Meu Deus!
Dai-me forças !
Dai-me forças ,
Quero entender, 
Compreender, 
Respeitar certas pessoas, 
Que se acham ser humano, 
Cidadãos,
Pais, enfim.
Até quando, 
O abraço matará, 
A ternura mostrará, 
Quão vulnerável nós somos ?
Respirar já não compete, 
Ao nosso corpo escolher, 
Sendo que um tubo promete, 
A vida revolver. 
"O que me move, 
É a esperança" , 
Ouvi alguém falar. 
Peço a Deus ,
Oxalá ,
Que eu sinta motivação ,
Para grande celebração ,
Da vida que nos resta ,
Com muita emoção .
O que fazer de fato ,
E mudar a vida ,
Que já acontece?
A vida é vibração ,
É mudança de atitude ,
É desafio constante ,
Pra toda e qualquer nação .
Sejamos fortes ,
Sejamos paz ,
Sejamos gratos ,
A Deus, 
Aos santos, 
Aos budas, 
Aos orixás. 
A Jeová, 
Ao sol, 
A lua. 
Não importa qual nome darão, 
A fé que vem, 
De todo coração. 
Meu Deus!
Abençoa nossa Nação!

Marcinha Ribeiro - poeta - 15 e 16 de agosto de 2020

Comentários

  1. Gratidão, Luciana Ruganni, pelo carinho de expor meu poema, mas acima de tudo, meus sentimentos!

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema e um grande alerta de que a vida não é um mar de sonhos . Que os seres humanos tem que lidar com algo chamado ignorância e imperfeição. Parabéns Marcinha .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão, Rosana. Realmente não é fácil, mas quando há amor envolvido ( no caso aqui de Deus para nós) ,precisamos confiar que seremos amparados. Temos em nós a facilidade (dom? ) de escrever, precisamos inspirar outras pessoas a sorrirem apesar de tantas situações , pois somos todos jóias raras.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si