Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto 16, 2020

CAVERNA DOS ESCRAVOS - CABO FRIO - RJ

Foto: Acioli Júnior Caverna dos Escravos, Cabo Frio RJ Por Acioli Junior No Parque Estadual da Costa do Sol, no município de Cabo Frio RJ, há um tesouro histórico e arqueológico em meio as praias selvagens e uma trilha selvagem, é a ancestral Caverna dos Escravos, local muitíssimo desconhecido por moradores e turistas e que não recebe o respeito devido e a proteção do poder público. Essa caverna foi construída por índios tupinambás (Tamoios) no século XVI, arqueólogos datam a mesma por volta do ano 1600 da era cristã, cem anos após o descobrimento do Brasil e no período de grande exploração de pau-brasil na região do antigo Cabo Frio. Período esse, que foi usado grandemente a exploração do trabalho compulsório dos ameríndios (indígenas), os nativos da terra por parte do colonizador, o português. Essa caverna foi extremamente bem construída por mãos humanas, dá pra vê as marcas nas suas paredes do trabalho dos artífices, e percebe-se a perfeição da construção, ela não é um simples burac

POEMA "ATÉ QUANDO?" - POR MARCINHA RIBEIRO

Este poema lindo de Marcinha Ribeiro sintetiza todos nossos questionamentos. Como ser poeta em tempos tão difíceis? Alguns dizem: "impossível, com tantos problemas não tenho cabeça para poesia". Mas engana-se completamente! O que seria de nós se não fosse a arte da poesia, a arte de expressar em palavras aquela dor que nos invade no mais profundo do ser e nossos questionamentos íntimos? A poesia já salvou muitos da depressão, e ela nos salva a cada dia da possibilidade de chegarmos no limite desse abismo.  Segue o poema que tanto nos faz bem e que tenho a alegria de compartilhar com vocês: ATÉ QUANDO? Meu Deus, Até quando? Até quando acontecerá , Essa total falta de amor,  De atitudes no bem ? A vida é um todo,  É tão difícil compreender? Somos meninos,  Somos velhos,  Todos em união.  Meu Deus! Até quando a floresta queimará,  Apagando de vez, Os vestígios de vida ? Bichos correm,  Desesperos pueris,  E nem sabem porque,  Morrem assim. Queimadas mortais,  Genocídio total,