Pular para o conteúdo principal

TEXTO DO PROFESSOR ACIOLI JÚNIOR - "O ANJO CAÍDO"

O Anjo Caído 
por Acioli Junior

O Anjo Caído é um dos monumentos mais conhecidos da cidade de Cabo Frio. Mas na verdade está grande estátua colocada no meio do Canal Palmer nunca foi um ser angelical. Ela é uma réplica de uma estátua grega chamada Vitória da Samotrácia.
A escultura original foi feita em mármore branco na ilha de Paros (Grécia) de cerca de 250 a.C. a 185 a.C. Na Grécia antiga, “Niké” (em latim) ou “Vitória” (em romano) ou “Nice”, (em português) era a deusa mensageira enviada por Zeus para anunciar o triunfo e a glória, aos vencedores dos campos de batalhas, seja ela terrestre ou naval.
Dificilmente um monumento histórico se torna famoso e recebe o tombamento do poder público sendo ele uma réplica. Mas contrariando a lógica patrimonial, o “Anjo Caído” segue imponente.
Situado nas águas do Canal Palmer, a estátua foi erguida em 1907 para assinalar a abertura do canal artificial de Leger Palmer . Esse canal facilitou o escoamento da produção de sal pela Laguna de Araruama, realizada nesse período, através de barcaças a vela.
Cabo Frio nesse período vivia o auge da produção salineira, em suas industrias no entorno da Laguna de Araruama, sendo um dos principais produtores de sal do país. Foi por conta desse crescimento vertiginoso que foram abertos canais artificiais para a navegação e escoamento da produção. É criada, então, uma empresa de navegação a vapor, para transporte entre as salinas e o porto do município.
O Anjo Caído possui inspiração clássica, com capitel em estilo coríntio, uma deusa grega com asas abertas sobre uma coluna de nove metros de altura. Com o passar do tempo, a força das marés vazante e enchente, das correntezas e os fortes ventos inclinaram a coluna de modo acentuado, motivando o nome popular de “Anjo Caído”. Até que o mesmo foi completamente submerso, no ano de 1979, as vésperas do aniversário de 364 anos da cidade. Diante desse fato o governo municipal resgata o monumento e o restaura, pelo então Conselheiro Municipal de Cultura de Cabo Frio, Professor Edilson Moreira Lopes Duarte. A segunda restauração foi feita em 2002 pelo artista cabo-friense Zé de Cano.
Próximo ao “Anjo Caído” de um lado se encontra a Ilha do Anjo, que virou um condomínio de luxo, com diversas mansões de alto padrão e do outro lado, está o Parque Municipal Dormitório das Garças, que foi a primeira unidade de conservação de Cabo Frio, criada através da Lei Municipal nº 228, de 20 de março de 1984. Esse parque é revestido de importância especial, por ser o manguezal mais expressivo ainda existente na Laguna de Araruama, compreendendo aproximadamente 2 Km de extensão.
O Anjo Caído é um monumento tombado pelo governo municipal, através do Decreto nº 011, de 28 de novembro de 1989.
Curiosidade: O monumento serviu como um farol. Em suas mãos era colocado um lampião para orientar as balsas de sal, onde ficava a entrada dos canais recém-abertos.
O Anjo caído é do período anterior a construção da ponte Feliciano Sodré, que começou a ser construída em 1925, sendo inaugurada em 1926, recebendo duplicação em 1981. O que havia antes do Anjo Caído era a precária ponte de ferro de mão única, Miguel de Carvalho, que foi construída em 1898, desabando nas águas do Canal Itajuru em 1920.
A iluminação do canal Palmer para a passagem de balsas de sal e a marcação do Canal para os capitães das embarcações foram os objetivos principais da construção da estátua grega que recebeu a alcunha de “Anjo Caído”.
Obs. 1: Este texto faz parte do livro Roteiro Ambiental e Patrimonial da Cidade de Cabo Frio, com lançamento previsto para fim de maio.
Obs. 2: O engenheiro Leger Palmer, que dá nome ao Canal, que na época tinha concessão para transportar o sal através da Laguna de Araruama, fez a abertura dos canais I e II, canalizando a água da Laguna e propiciando a prática da navegação, dando ensejo à organização de uma companhia de navegação a vapor na região. Ele foi homenageado por seu empreendedorismo batizando o canal com o seu nome (Canal Palmer).

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si