Pular para o conteúdo principal

REVISTA DIGITAL ALDEIA MAGAZINE - ANIVERSÁRIO DE CABO FRIO

Saiu hoje a edição 23, mês de novembro, da Revista Digital Aldeia Magazine, com minha coluna "Cantinho das Ideias", na página 98 (clique no nome da revista para ler a edição completa).
Nesta edição, falo um pouco sobre Cabo Frio, por ocasião de seu aniversário de 406 no último dia 13, e compartilho um dos poemas que fiz para nossa cidade:


ANIVERSÁRIO DE CABO FRIO

No dia 13 passado, Cabo Frio completou 406 anos de fundação. Uma data festiva, que não podemos deixar passar em branco.
As datas comemorativas existem para chamar-nos à reflexão sobre seu objeto. O aniversário da cidade é uma época em que sua história fala mais alto e nos clama a conhecê-la mais profundamente. Assim, unimos o conhecimento de seu passado à nossa vivência do presente e entendemos melhor a razão de hábitos culturais e as "engrenagens" de movimentação da sociedade.
Cabo Frio é uma cidade riquíssima em potencial cultural. Aqui há muitos artistas de qualidade, nas mais diversas áreas artísticas. Em relação à natureza, praias lindíssimas que merecem ser tratadas com todo cuidado e atenção e trilhas ecológicas que levam a paisagens deslumbrantes. Rios, mares, laguna... a maior laguna hipersalina do mundo está aqui em nossa região! Em relação à história, temos pontos relevantes de registro da história da cidade e do país que são preciosidades a serem preservadas, como, por exemplo, o Charitas, a Igreja de São Benedito e a Fazenda Campos Novos.
Sabemos que Cabo Frio viveu, recentemente, um período difícil em função da desordem financeira. Sabemos que, nos últimos anos, os problemas se acumularam. Reconhecemos ser importante "arrumar a casa", no sentido financeiro, e sabemos que isso leva tempo. Nesse contexto, é preciso que não deixemos que os problemas destruam nossa vontade de fazer o nosso melhor por nossa terra, que não deixemos de perceber e de valorizar toda essa riqueza de natureza e de história. É essencial que a aridez dos tempos difíceis não seque nossos sentimentos e valores mais nobres, não derrube nossa vontade de conhecer, pesquisar e preservar nossas preciosidades. A arte, a poesia, muito nos ajuda nesse sentido, pois exercita nosso sentir de maneira mais profunda, possibilita nossa reconexão à essencialidade das coisas, ressignificando nosso proceder enquanto seres humanos e também enquanto cidadãos. Por isso, hoje compartilho com vocês o poema que fiz há algum tempo e que é um dos meus preferidos. Convido todos a voarem comigo pelos céus de Cabo Frio, contemplando, em profundidade, alguns de seus cantinhos preciosos, para que, assim, nosso sentir nos conecte cada vez mais à plena e real noção de cidadania que nos cabe desempenhar.
Parabéns, cidade linda! 

ENCANTOS DE CABO FRIO 

Não posso descrever todos teus encantos!
Como um pássaro, prefiro voar.
E, lá do alto,
admirar,
cantar tuas belezas.
Praia do Peró,
natureza em profusão.
Na extremidade,
a concha que se abre
revela preciosidade:
Praia das Conchas!
Sobre a harmonia celestial deste conjunto,
o pássaro segue voo!
Praia do Forte,
história e natureza
em perene união.
O mar azul e a areia branca a fazem dar as mãos
à linda Praia das Dunas,
obra do vento artesão.
O pássaro vai mais além,
sobrevoa o antigo convento
viaja no tempo,
revigora-se no Morro da Guia.
Em voo rasante,
passa no Canal do Itajuru.
Absorve história e cultura
ao sobrevoar o Charitas
e o Largo São Benedito.
Sobre a Laguna de Araruama,
o pássaro volta.
Descansa no galho de uma árvore
e deslumbra-se com o por do sol
na Praia do Siqueira.
Ele sabe que ainda há muito mais!
Até o Rio São João,
há matas, parques,
Fazenda Campos Novos!
Descansa nas asas do Anjo Caído
e ali ele canta!
Canta livre,
celebrando a liberdade,
celebrando a vida,
o seu canto de gratidão. 

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si