Pular para o conteúdo principal

REVISTA DIGITAL ALDEIA MAGAZINE: A GUERRA

Saiu hoje a edição 28, mês de marco, da Revista Digital Aldeia Magazine, com minha coluna "Cantinho das Ideias", na página 124 (clique no nome da revista para ler a edição completa). 

Nesta edição, falo um pouco sobre guerra, mas não somente a guerra armada. Leiam:


A eclosão da guerra Rússia x Ucrânia me fez lembrar um poema que compus em 2019. Nele, reflito não somente sobre uma guerra factual, concreta, mas principalmente na raiz de todo e qualquer conflito: a energia de guerra, de intolerância e de desamor. A base de todas as guerras, sejam elas armadas ou por meio de palavras, gestos e atitudes. O constante espírito de disputa que reina em nossa sociedade, pleno de vaidades e egos aflorados. A ganância, o consumismo e a necessidade de ter mais e mais, como se a única maneira de se viver em paz fosse em meio a milhões de moedas, e, na busca constante de mais e mais dinheiro, também mais e mais poder, e um vale-tudo em prol disso. Passa-se por cima de relações, joga-se fora amizades que, por terem para ofertar apenas lealdade e sentimentos verdadeiros, são vistas como inúteis, já que não contribuem em nada para que se atinja esse ápice inatingível de mais e mais poder! As disputas por pontos de vista nas redes sociais, políticos vistos como infalíveis, quase deuses! A guerra movida pelo combustível do fanatismo de todas as espécies.
Enfim, guerras são abomináveis e revelam o quanto a sociedade humana pouco evoluiu em termos de sabedoria e consciência do que realmente deve ser valorizado nesse planeta. Sim, repugnamos a guerra armada que acontece lá na Ucrânia, mas reflitamos: estaremos, com nossas atitudes e palavras, e com os sentimentos que destinamos ao universo, contribuindo para essa energia de guerra? Vivemos o nosso dia a dia com diálogo, tolerância, aceitação das diferenças, ou recebemos cada dia como uma oportunidade para impormos nossas vontades e nossas ideias e para satisfazermos os desejos vaidosos de nossos egos inflados? Com certeza não devemos nos anular e nos calar. Muito pelo contrário. Precisamos estar atentos aos fatos que acontecem ao nosso redor, precisamos nos posicionar, opinar e agir, mas com uma boa pitada de equilíbrio, paciência, educação, respeito e, principalmente, amor pelo outro, seja esse outro uma pessoa ou um ser da natureza, farão toda a diferença. Imagina se cada um de nós emanasse uma energia mais plena de amor nos mais comezinhos atos de nosso cotidiano, como seria a egrégora mundial?
Um beijo, paz e luz pra vocês. Fiquem com meu poema:

A guerra

Povos em guerra,
Corações em guerra.
Cada semelhante,
Inimigo em potencial.
A guerra não está só lá fora,
A guerra não está só além.

O mundo bélico?
Coração bélico.
Amor?
Figura de retórica.
Sentimentos são ardis.
Relações?
Mapas estratégicos.

Todo o bem que se fez
Em um átimo se olvida.
E o ser,
Imerso em destruições,
Inimigo de si mesmo,
Afasta o bem,
Afasta o amor,
Afasta Deus.

E a cada queda,
Seu ego vibra.
Vinga,
Vitória!
Guerreia-se com mísseis,
Fuzis
Ou palavras.
Somam-se perdas.
Dores semeadas?
Vitórias alcançadas.

Seu ego o cega,
A cada dia torna-se nada,
A destruição que semeia
Esvazia sua essência.
Insatisfação,
Falsas alegrias,
Um certo cansaço de tudo.
Porém nada o faz despertar
E enxergar sua triste doença crônica
De não saber amar.

Luciana G. Rugani, 8/1/2019

Comentários

  1. Pura verdade. Pra acontecer essa guerra de extermínio de nosso próximo, antes já vem acontecendo guerras: no lar, no trânsito, no trabalho, mas torcidas organizadas, etc

    ResponderExcluir
  2. Pura verdade. Pra acontecer essa guerra de extermínio de nosso próximo, antes já vem acontecendo guerras: no lar, no trânsito, no trabalho, mas torcidas organizadas, etc

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

DIVULGANDO: CANAL DE DANÇA POÉTICA DO ARTISTA EDUARDO MACEDO

#Divulgando canal de dança poética Canal Eduardorio23deabril no YouTube Eduardo Macedo é bailarino e poeta e ultimamente tem se dedicado a vídeo dança, categoria artística que mistura o áudio visual e a dança como linguagem final. Para mostrar seus trabalhos, o artista fez um canal no YouTube, onde, nessa primeira fase, é o principal intérprete. Eduardo tem como locação o apartamento onde mora ou algum lugar na cidade que ache interessante. A filmagem é feita sozinho e utiliza apenas o seu smartphone em um tripé. Depois ele mesmo faz a edição, o que torna o trabalho particularmente autoral. Os movimentos apresentados são improvisações feitas a partir do local em que está sendo feita a filmagem. Cada lugar tem seus particulares e é partir desta ideia simples que o bailarino dá asas as suas criações. A música é inserida depois na edição, ou não inserida. Alguns vídeos são sem música. O canal já tem dois importantes pianistas como parceiros: João Carlos Assis Brasil e Luiz Castelões. Em