Pular para o conteúdo principal

REVISTA DIGITAL ALDEIA MAGAZINE: REFLEXÃO E POEMA SOBRE O MEIO AMBIENTE

Saiu hoje a edição 30, mês de abril, da Revista Digital Aldeia Magazine, com minha coluna "Cantinho das Ideias", na página 98 (clique no nome da revista para ler a edição completa).
Nesta edição, falo sobre a natureza e sobre como tudo está interligado em nosso planeta e também sobre uma triste e grave questão ambiental: a destruição causada pela mineração no estado de Minas Gerais:

A triste sina das serras de Minas

Vivemos no Planeta Terra, cada qual em seu país, em seu estado e em sua cidade. Parece algo segmentado, regionalizado, mas, quando adquirimos uma consciência mais profunda de nossa vida e da vida de nosso planeta, passamos a entender que estamos todos interligados. Interligados por tendências, por hábitos, por ideias e por ações que se multiplicam e proliferam.
Em relação ao meio ambiente, podemos exemplificar isso de forma mais inteligível. A exploração da natureza feita sem critérios, em certo local, acabará interferindo, de alguma maneira, em outro local distante, pois os fenômenos naturais são consequências de ciclos da natureza. Tudo está interligado. E, se um dano constante à natureza não produz resultados em curto prazo e nem de forma aparente, é certo que, no futuro, será sentida a consequência de sua ação. A destruição de nascentes, em uma pequena localidade, poderá, no futuro, prejudicar famílias que moram quilômetros e quilômetros distantes, até em outro estado, pois rios poderão morrer.
Faço esse alerta aos leitores, principalmente àqueles que têm consciência de que aqui na Terra somos breves hospedeiros, e que cabe a nós cuidar de todo esse patrimônio natural que nos garante a vida. Precisamos abrir nossos horizontes e ter um olhar mais holístico sobre o ambiente natural, compreendendo que, metaforicamente, na natureza é como se uma árvore que tomba no norte gerasse um dano no sul, pois, de alguma maneira, a destruição efetuada em um ponto repercutirá no todo.
Sábado passado (30), na região metropolitana de Belo Horizonte (MG), o Conselho Estadual de Política Ambiental aprovou, na calada da madrugada, a mineração em uma parte de mata atlântica nativa da Serra do Curral. Uma triste decisão que, mais uma vez, nos revela o prejuízo de um poder público em conluio com interesses privados. Alguns membros do conselho, que votaram a favor dessa destruição ambiental, são membros do governo estadual.
A mineração é uma atividade altamente predatória e que já causou, no estado de Minas, catástrofes que fizeram chegar lama tóxica até o oceano, tamanha a potência dessa atividade. E, mesmo com todo o histórico de destruição, mesmo com a poluição que avança, prejudicando o sistema respiratório da população, a atividade ganhou vulto e avançou demais nos últimos três anos. A decisão ocorrida nesse sábado é mais um episódio do qual lembraremos lá na frente, quando o problema de abastecimento de água, que já começa a se manifestar, tornar-se rotina. A falta d'água será apenas uma das consequências. E, além disso, quando se fortalece, em certa localidade, a tendência de exploração a todo custo, de lucro à custa de exploração predatória, essa mentalidade, já predominante no país, acaba alimentando-se ainda mais e isso se espalha como uma nuvem nociva pelo país e pelo planeta. É como se rendesse frutos podres, aqui e ali, incentivando e atiçando uma maneira gananciosa de pensar a vida e a natureza.
Em agosto de 2020, fiz um poema intitulado "E a serra virou lama", que busca retratar o olhar ganancioso do homem sobre a serra e seus tristes efeitos. Compartilho com vocês:

E a serra virou lama

Antes era apenas uma serra...
Ao raiar do sol,
Montanhas brilhavam felizes.
Tranquilas, poderosas,
Acolhiam animais e plantas
Em doce e perene abraço.
Chegou o homem
E, aos pés da serra,
Construções,
Casas,
Cidades.
E assim corriam os anos...
Mas o homem pacato,
Que ao pé da serra vivia,
Viu chegar o homem dos cifrões,
Este,
Na cidadezinha hospedou-se com desdém
"Que vida é essa, que povo!"
Olhou pela janela,
E viu a serra.
Poderosa,
Protetora,
Sorrindo bela para a natureza que acolhia.
Brilharam os olhos cobiçosos,
Em pouco tempo, a serra chorava...
Não mais o brilho alegre,
Mas o choro sofrido,
De quem tem de si extraído seu eu mais profundo.
O homem dos cifrões
Com tanto lucro,
Extasiava,
Extraía,
Feria,
Até à exaustão.
Antes era apenas uma serra...
Hoje,
Deserto de lama.
A cidadezinha,
Os rios,
Morte.
Não mais montanhas felizes,
Protetoras,
Reluzindo ao sol.
Não mais animais e plantas
Em doce abraço acolhidos.
A antes poderosa serra,
Altiva,
Forte,
Abrigando montanhas felizes.
Hoje, apenas um nada
Um resto,
Conjunto inerte de lama.

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Espero que haja recurso, para afastar esta triste sina que afeta nosso planeta

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

DIVULGANDO: CANAL DE DANÇA POÉTICA DO ARTISTA EDUARDO MACEDO

#Divulgando canal de dança poética Canal Eduardorio23deabril no YouTube Eduardo Macedo é bailarino e poeta e ultimamente tem se dedicado a vídeo dança, categoria artística que mistura o áudio visual e a dança como linguagem final. Para mostrar seus trabalhos, o artista fez um canal no YouTube, onde, nessa primeira fase, é o principal intérprete. Eduardo tem como locação o apartamento onde mora ou algum lugar na cidade que ache interessante. A filmagem é feita sozinho e utiliza apenas o seu smartphone em um tripé. Depois ele mesmo faz a edição, o que torna o trabalho particularmente autoral. Os movimentos apresentados são improvisações feitas a partir do local em que está sendo feita a filmagem. Cada lugar tem seus particulares e é partir desta ideia simples que o bailarino dá asas as suas criações. A música é inserida depois na edição, ou não inserida. Alguns vídeos são sem música. O canal já tem dois importantes pianistas como parceiros: João Carlos Assis Brasil e Luiz Castelões. Em