Pular para o conteúdo principal

POCKET SHOW COM LUCIANO BRUNO

Hoje assistimos a um pocket show do cantor napolitano Luciano Bruno, na FNAC, em Belo Horizonte.

Dono de voz inigualável, Luciano mais uma vez, como era de se esperar, não deixou nada a desejar para que o show fosse esplêndido. Cantou os sucessos de seu último CD, alguns inéditos, e alguns já conhecidos. Em seus shows, como ele mesmo diz, não podem nunca faltar os boleros. É um show bastante diversificado, com todos os ritmos, desde romântico e bolero até "anos 60". Uma coisa interessante que eu não sabia: a música "Bem que se quis", sucesso de Marisa Monte, é uma versão brasileira de uma música napolitana chamada "E po' che f'à".

O cantor entusiasmou o público, convidando a todos para cantarem juntos, e até eu arrisquei um pedacinho de "Nel blu di pinto di blu" no microfone ofertado por ele.

Luciano mostrou ser muito educado, uma pessoa agradabilíssima. Dá total atenção ao seu público, coloca-se disponível para fotos e autógrafos após o show.

Abaixo vídeo e algumas fotos desta noite inesquecível!

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Valeu.
    Ele realmente é um cantor internacional.

    ResponderExcluir
  2. Fui e gostei.
    Quando ele voltar a BH quero novamente assistir seu show.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si