Pular para o conteúdo principal

ESCRAVOS DO AUTOMATISMO

Homem morto trabalha por uma semana. (Notícia do New York Times)
Os Gerentes de uma Editora estão tentando descobrir, porque ninguém notou que um dos seus empregados estava morto, sentado à sua mesa há 5 dias. George Turklebaum, 51 anos, que trabalhava como Verificador de Texto numa firma de Nova Iorque há 30 anos, sofreu um ataque cardíaco no andar onde trabalhava (open space, sem divisórias) com outros 23 funcionários. Ele morreu tranquilamente na segunda-feira, mas ninguém notou até ao sábado seguinte pela manhã, quando um funcionário da limpeza o questionou, porque ainda estava a trabalhar no fim de semana. O seu chefe, Elliot Wachiaski, disse: "O George era sempre o primeiro a chegar todos os dias e o último a sair no final do expediente, ninguém achou estranho que ele estivesse na mesma posição o tempo todo e não dissesse nada. Ele estava sempre envolvido no seu trabalho e fazia-o muito sozinho." A autópsia revelou que ele estava morto há cinco dias, depois de um ataque cardíaco.
SUGESTÃO: De vez em quando acene para os seus colegas de trabalho. Certifique-se de que eles estão vivos e mostre que você também está! MORAL DA HISTÓRIA: "Não trabalhe demais. Ninguém nota mesmo..." 

 
A notícia acima recebi por e-mail. Não sei se é fato verídico ou não, mas seja como for, dele podemos extrair diversas reflexões.
Algo até muito comum de acontecer nos escritórios e setores de trabalho onde predomine uma rotina fixa e constante, é quando nós nos escravizamos tanto à rotina em si, ao automatismo das ações, que passamos a nem perceber o colega ao lado. Ele torna-se como que parte do mobiliário do setor. Esquecemo-nos de que ali ao nosso lado estão seres humanos, vidas, cada qual com seus problemas, sua personalidade, suas alegrias... e assim passamos as 6 ou 8 horas necessárias para finalizar a jornada, saímos, voltamos no outro dia da mesma forma, e quando vemos passaram-se os anos. Chega o momento de aposentarmo-nos e vemos que não conseguimos interagir de forma mais ativa e construtiva com nossos parceiros de trabalho. Passamos dias como se fôssemos meras peças de uma máquina: de manhã liga-se a máquina, de noite desliga, e assim vai dia pós dia.
Convivências vazias de conteúdo, talvez por medo, talvez por total inconsciência mesmo. Medo. Medo de misturar o profissional com o pessoal, pois muitos não sabem separar. Ou inconsciência mesmo.
Acho que na maior parte das vezes seja por inconsciência. A rotina rígida e constante nos retira de nós mesmos, escraviza-nos. Ela se apodera de nós passando a reger nossos atos e até pensamentos. Daí nos perdemos de quem somos, e sentimos aquele vazio dentro de nós, como se fosse um buraco negro sugador de nossa criatividade, nossa capacidade e nossa energia. Tornamo-nos quais autômatos.
Precisamos ligar o sinal de alerta. Estar atentos às manobras da rotina, mas pensar diferente, buscar algo novo. Não precisa ser nada grandioso, pode ser um simples olhar diferente para a paisagem. O importante é treinar, habituar, começando com as pequenas coisas, por exemplo: observar o ambiente ao redor. Olhar as paredes do escritório, e olhar a janela. Ver o céu, as plantas, a rua além da janela. Reparar nos detalhes. Observar a posição das mesas e cadeiras, nas expressões das pessoas. Ir pouco a pouco aumentando o grau de observação, e percebendo os olhares, os gestos, os sorrisos. Nós, seres humanos, somos dominados por nossos hábitos. Assim, ao invés de nos deixarmos escravizar pela rotina paralisante, devemos nos deixar controlar pelo hábito de mudar sempre, pelo hábito de inovar. Inovar em nosso olhar, em nosso sentir, nosso pensar. Claro, muitas vezes não podemos mudar as tarefas que iremos executar. Poderão ser as mesmas todos os dias. O importante é executá-las cada dia com um novo olhar, uma nova postura. Tenho certeza de que, se assim fizermos, teremos dias mais agradáveis, estaremos mais conscientes de nós mesmos como partícipes ativos do conjunto e assim também será nossa visão do colega ao lado.
Acordemos. Se precisamos de uma rotina a seguir, que seja a rotina da mudança de olhar, da atualização, da criação, da percepção. Percebermos a nós mesmos, através da respiração profunda e tranqüila, e percebermos o outro, tão humano quanto nós, ao nosso lado.
Consciência alerta, atenta e serena. É o primeiro passo para nos tornarmos livres. 

Luciana G. Rugani

Comentários

  1. Eu acho que os últimos parágrafos dizem tudo:

    "Acordemos. Se precisamos de uma rotina a seguir, que seja a rotina da mudança de olhar, da atualização, da criação, da percepção. Percebermos a nós mesmos, através da respiração profunda e tranqüila, e percebermos o outro, tão humano quanto nós, ao nosso lado.
    Consciência alerta, atenta e serena. É o primeiro passo para nos tornarmos livres".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói