Pular para o conteúdo principal

DIA MUNDIAL DO CONSUMIDOR: REFLEXÕES EM PROL DO CONSUMO CONSCIENTE

O mês de março parece ser o mês mais cheio de datas comemorativas, pelo menos que eu me lembre. Até ontem foram duas: dia internacional da mulher, oito de março, e dia nacional da poesia, ontem, dia 14.

Hoje, 15 de março, mais uma comemoração: dia mundial do consumidor.

A lembrança desta data me fez pensar nas seguintes questões: como estamos nos comportando enquanto consumidores? Somos consumistas desenfreados ou somos comedidos? A quantas anda a conscientização geral de nossa sociedade em relação à necessidade urgente de haver um consumo mais sustentável em prol da continuidade da vida em nosso planeta?

Hoje percebemos uma maior conscientização em relação à necessidade de desenvolvimento econômico conciliada com preservação dos recursos essenciais à vida em nosso planeta. Ideias como reciclagem, alternativas de energia, reaproveitamento de recursos, etc. são discutidas nas organizações empresarias, em escolas e junto à comunidade. Mas, ao mesmo tempo, vemos uma poderosa onda que impulsiona um consumo cada vez mais frequente e exagerado. Bens, outrora tidos como duráveis, hoje são quase que descartáveis. No ramo da informática, por exemplo, uma máquina de alta performance em pouco tempo torna-se obsoleta devido à atualização quase que diária dos diversos programas existentes, que passam a exigir recursos cada vez mais atualizados de hardware. Algo parecido percebemos no ramo de celulares, e até a televisão, que mais tempo resistiu à onda de modernidade, também entrou no ritmo com modelos diversos e cada vez mais recursos interativos.

As formas de diversões atuais, tanto para jovens quanto para adultos, passam quase que totalmente pelos recursos da televisão ou dos computadores. É grande a fatia do público fiel a estes recursos, e isso já foi percebido pelas grandes indústrias, que não se cansam de investir cada vez mais na propaganda massiva. Hoje acessamos um site e precisamos sair fechando guias de anúncios e propagandas. Aqueles mais desestruturados na emoção ou no caráter sentem-se tomados por uma necessidade gritante de possuir, e partem para roubos e furtos, colaborando com o aumento da violência.

Em suma, o mundo moderno tem espaço para todas as vertentes, há espaço para informações educativas mas também para as deseducativas. O problema é que as deseducativas costumam ser mais poderosas e influentes. A imposição do consumismo desenfreado é mais forte, e nossos jovens (e também nós, adultos) somos reféns desse sistema bem planejado envolvendo durabilidade, modernização e propaganda. Dentro desse panorama, devemos analisar: que podemos fazer para minimizar a imposição do consumismo desenfreado? Ao comprar um produto, refletimos antes se dele temos necessidade real? Até que ponto somos suscetíveis às imposições da mídia, entre elas a imposição de um padrão específico de beleza? Paramos para questionar e analisar o porquê de eu ter que possuir ou usar determinado produto? A imposição de padrões está intimamente ligada ao preconceito. Estamos conscientes disso?

Sempre é tempo de fazermos a nós mesmos estas indagações, para avaliar nosso comportamento dentro desse império de consumo a que estamos submetidos, mas hoje, por ser o dia mundial do consumidor, vamos utilizar a lembrança desta data para reavaliar nossa postura, abandonando velhos hábitos e crenças, e renovando atitudes à luz do bom senso.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019