Pular para o conteúdo principal

DIA MUNDIAL DO CONSUMIDOR: REFLEXÕES EM PROL DO CONSUMO CONSCIENTE

O mês de março parece ser o mês mais cheio de datas comemorativas, pelo menos que eu me lembre. Até ontem foram duas: dia internacional da mulher, oito de março, e dia nacional da poesia, ontem, dia 14.

Hoje, 15 de março, mais uma comemoração: dia mundial do consumidor.

A lembrança desta data me fez pensar nas seguintes questões: como estamos nos comportando enquanto consumidores? Somos consumistas desenfreados ou somos comedidos? A quantas anda a conscientização geral de nossa sociedade em relação à necessidade urgente de haver um consumo mais sustentável em prol da continuidade da vida em nosso planeta?

Hoje percebemos uma maior conscientização em relação à necessidade de desenvolvimento econômico conciliada com preservação dos recursos essenciais à vida em nosso planeta. Ideias como reciclagem, alternativas de energia, reaproveitamento de recursos, etc. são discutidas nas organizações empresarias, em escolas e junto à comunidade. Mas, ao mesmo tempo, vemos uma poderosa onda que impulsiona um consumo cada vez mais frequente e exagerado. Bens, outrora tidos como duráveis, hoje são quase que descartáveis. No ramo da informática, por exemplo, uma máquina de alta performance em pouco tempo torna-se obsoleta devido à atualização quase que diária dos diversos programas existentes, que passam a exigir recursos cada vez mais atualizados de hardware. Algo parecido percebemos no ramo de celulares, e até a televisão, que mais tempo resistiu à onda de modernidade, também entrou no ritmo com modelos diversos e cada vez mais recursos interativos.

As formas de diversões atuais, tanto para jovens quanto para adultos, passam quase que totalmente pelos recursos da televisão ou dos computadores. É grande a fatia do público fiel a estes recursos, e isso já foi percebido pelas grandes indústrias, que não se cansam de investir cada vez mais na propaganda massiva. Hoje acessamos um site e precisamos sair fechando guias de anúncios e propagandas. Aqueles mais desestruturados na emoção ou no caráter sentem-se tomados por uma necessidade gritante de possuir, e partem para roubos e furtos, colaborando com o aumento da violência.

Em suma, o mundo moderno tem espaço para todas as vertentes, há espaço para informações educativas mas também para as deseducativas. O problema é que as deseducativas costumam ser mais poderosas e influentes. A imposição do consumismo desenfreado é mais forte, e nossos jovens (e também nós, adultos) somos reféns desse sistema bem planejado envolvendo durabilidade, modernização e propaganda. Dentro desse panorama, devemos analisar: que podemos fazer para minimizar a imposição do consumismo desenfreado? Ao comprar um produto, refletimos antes se dele temos necessidade real? Até que ponto somos suscetíveis às imposições da mídia, entre elas a imposição de um padrão específico de beleza? Paramos para questionar e analisar o porquê de eu ter que possuir ou usar determinado produto? A imposição de padrões está intimamente ligada ao preconceito. Estamos conscientes disso?

Sempre é tempo de fazermos a nós mesmos estas indagações, para avaliar nosso comportamento dentro desse império de consumo a que estamos submetidos, mas hoje, por ser o dia mundial do consumidor, vamos utilizar a lembrança desta data para reavaliar nossa postura, abandonando velhos hábitos e crenças, e renovando atitudes à luz do bom senso.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si