Pular para o conteúdo principal

INVEJA


ARTIGO – Sentimento negativo

Publicado Coluna Bem Viver do Jornal Estado de Minas

Antônio Roberto, sou executivo principal de uma grande empresa e me deparo, com freqüência, com muita intriga e hostilidade entre os gerentes. Será inveja? Como lidar com isto. Tomas Viotti – Belo Horizonte.
Antônio Roberto, como lidar com uma irmã que me ataca e me critica constantemente? Ela sempre me puxa para baixo. Marina – Sabará
Antônio Roberto, trabalho com dedicação, nas atividades sociais e religiosas de minha Paróquia. Sofro muito com algumas pessoas que querem sempre aparecer, brilhar e passar na frente das outras. Será inveja? Luíza – Belo Horizonte.

Todo sentimento negativo nos faz sofrer. Daí a importância do entendimento e elaboração do sentimento de INVEJA. Compreender este sentimento pode ser a chave para a resolução de diversos conflitos no trabalho, em casa, na sociedade. Não há sentimento mais destrutivo para o clima organizacional ou familiar que a inveja.

Mas o que é a inveja?

Para entendermos a inveja temos de descobrir a estrutura básica que antecede. O mecanismo que cria a inveja é a COMPARAÇÃO.

A inveja é a vivência de um sentimento interior sob a forma de frustração, de tristeza, de mal-estar, de acanhamento, por nos sentirmos menos do que o outro, por não possuirmos o que o outro possui, por não sermos o que o outro é. É um desequilíbrio íntimo, oriundo de um sentimento de inferioridade, fruto da COMPARAÇÃO que fizemos entre nós e o outro, seja nas posses materiais, na casa, no carro, na roupa, no dinheiro ou nas suas qualidades psicológicas, morais, físicas, sociais ou espirituais. E como a inveja é um desequilíbrio entre nós e os outros em um processo comparativo, desde cedo nos foram ensinados alguns mecanismos de defesa para este desequilíbrio.

Um dos mecanismos é nos aumentarmos, nos vangloriarmos, nos enaltecermos para evitarmos o mal-estar da inveja. Falamos excessivamente bem das nossas próprias coisas e, ao mesmo tempo, procuramos diminuir a outra pessoa através da crítica. Quando criticamos alguém, quando temos necessidade de diminuir alguém, quando ofendemos alguém, quando temos necessidade de falar mal de alguém, provavelmente estamos nos sentindo inferiores a esta pessoa. A inveja é a incapacidade de ver a luz das outras pessoas, a alegria, o brilho, a luminosidade de alguém, seja em que aspecto for. A inveja é o sentimento daqueles que não aceitam a diversidade do mundo e das pessoas. E esta incapacidade de aceitar que as coisas e as pessoas sejam diferentes é uma rejeição de sua própria pessoa como sendo diferente das demais. A inveja é a auto-aversão por não sermos como os outros são. O que há de negativo e pior é esta auto-rejeição em algum aspecto. Daí a relação direta entre inveja e auto-estima baixa.

Quem não se ama é invejoso.

Muitas pessoas pensam que inveja é quando vemos algo em alguém e queremos ter ou ser iguais ao outro. Isto é apenas um desejo de aprendizado, de crescimento. O que caracteriza a inveja é a frustração conosco mesmos, é a tristeza conosco mesmos, é a intolerância com nós próprios por nos sentirmos menores do que os outros. Por outro lado, toda a nossa sociedade é baseada na comparação.

Nossa cultura é uma cultura da comparação. Como tudo é relativo como tudo está em relação, nós perdemos a capacidade de ver as coisas em si mesmas e só conseguimos entender as pessoas e coisas na comparação umas com as outras.

Toda propaganda é baseada no processo comparativo, entre nós e os modelos que nos são apresentados. A trama-base de qualquer propaganda consiste em que olhemos alguém no vídeo, por exemplo, nas suas qualidades de riqueza, poder, prestígio, inteligência, dinamismo, beleza, força e magnetismo pessoal; que nos comparemos com os ambientes e pessoas apresentadas, que nos sintamos inferiores, magoados e diminuídos subliminarmente.Em seguida, é-nos apresentada a solução para resolver aquele mal-estar: a compra de alguns produtos que nos farão iguais aos padrões apresentados!

A sociedade em que vivemos é baseada na comparação na competição e, portanto, na INVEJA.

E as organizações empresariais com seus instrumentos comparativos, alimentam e disseminam a inveja entre os seus empregados, sem se aperceberem disto.
As organizações familiares, de igual forma, comparam seus membros, gerando um clima de disputa e hostilidade entre eles.
Uma pergunta muito comum dos pais é:
_Porque os irmãos brigam tanto?
_Porque sempre foram comparados entre si. Porque eles se invejam.
Outra pergunta que muitos fazem é por que tanta maledicência, fofoca nas relações de grupo, até em ambientes religiosos ou educacionais? Por causa da competição, gerada pela inveja, alimentada pelas comparações. E como trabalhar este sentimento tão devastador? Como lidar com a inveja seja a nossa ou a dos outros?
Esse será o assunto do nosso próximo artigo, no domingo que vem.
Antônio Roberto

Comentários

  1. é isso mesmo a inveja e um assunto muito complexo e algumas vezes destrutiva.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói