Pular para o conteúdo principal

LIBERDADE: O LEGADO DE NELSON MANDELA

Nelson Mandela deixou um legado não só na África, mas também mundial. Que com sua morte isto não se perca. 

Que sua morte não seja só lembrada com tristeza, lamentada e sua memória homenageada. 

Que seja mais que isso: que pessoas se aproveitem para conhecer ainda mais um pouco sobre a luta empreendida por Mandela em busca de um dos ideais que verdadeiramente devem reger a passagem do homem aqui pelo planeta Terra: a liberdade. 

E, a partir daí, que deem continuidade à luta de Nelson Mandela em prol da liberdade em seus diversos níveis e aspectos. E mais: que possam reavaliar a realidade da presença deste ideal em suas vidas e buscar seu exercício pleno. Como? Vejamos:

- Pessoas enquanto governantes: seriam realmente livres ao se ligarem somente aos seus próprios interesses eleitoreiros, apequenando, assim (ou até mesmo anulando) a grandiosidade de terem seus nomes referenciados a uma administração pública realmente eficaz e disposta a fazer a diferença, em termos de qualidade em seu âmbito de atuação? E, ainda, estariam de fato promovendo a liberdade em todos os seus aspectos, ao agirem de forma manipuladora com seus concidadãos, seja fazendo uso de informações distorcidas ou negando-se a fornecê-las, ou seja por implantar uma política caracterizada por promover uma eterna dependência do poder público por parte do eleitorado?

- Pessoas enquanto cidadãos: estariam realmente prezando sua liberdade ao venderem seu apoio ou voto, obtendo como pagamento favores, cargos, benefícios, esquemas diversos? Não estariam desse modo se prendendo aos grilhões de uma política de beira de esquina que amanhã lhes exigiriam o silêncio e submissão total às suas ações?

- Pessoas enquanto individualidades: aqui a liberdade seria analisada de uma forma mais profunda, compreendendo critérios internos e externos. Em relação aos internos, caberia refletir: nossa liberdade é inversamente proporcional aos nossos quesitos limitadores e a nossos bloqueios, ou seja, quanto mais nos deixamos prender pelo orgulho, pelo medo, pela insegurança, por nosso ego exacerbado que insiste em não dar o braço a torcer, por nossa vaidade que nos impede de enxergar nossa pequenez individual, menos seremos livres para fazer o que realmente deseja nosso ser, menos seremos livres para expressar nossa vontade real, chegando até ao ponto de sufocá-la por baixo de tanto lixo mental acumulado.

Em relação aos critérios externos, vale refletir: até que ponto seremos realmente livres se nos deixamos prender à onda de consumismo, de imposições sociais dos tantos "Tem que ser", "Tem que ter". Seremos realmente livres se nos prendermos aos preconceitos, às discriminações de todo tipo, ao que pensam ou à imagem que têm de nós? A partir do momento em que damos guarida a essas coisas em nosso ser não estaremos ao mesmo tempo anulando proporcionalmente parte de nós mesmos?

A nossa integridade individual pede liberdade. Liberdade de pensar, sentir, dizer. Liberdade de opinar, dialogar. Fomos criados por Deus para sermos seres iluminados, pensantes, únicos, respeitados em suas individualidades e assim perfeitos em sociedade. Só cabe a nós mesmos respeitar essa realidade.

Que não se perca o ideal de liberdade em nossas vidas,  pois a cada instante ele é agredido, é tocado e prejudicado por nossos comportamentos. Reflitamos de forma verdadeira conosco mesmo, e que possamos preservar esse ideal em nossas relações, em nosso contato com o mundo e conosco mesmos.  Busquemos ser essencialmente LIVRES!

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói