Pular para o conteúdo principal

CONSCIÊNCIA AMBIENTAL: MUITO MAIS SENTIR DO QUE RAZÃO


Observando as fotos de diversos lugares pós-réveillon, sejam praias, parques, lagoas ou ruas em que foram realizadas festas para a população, vemos o mesmo resultado no final: toneladas e toneladas de lixo.

Onde há ser humano há produção de lixo. Esse é um fato inconteste e conhecido por todos. Seja pobre ou seja rico, o resultado da aglomeração será este. E basta observarmos por este Brasil afora os espaços públicos e o trabalho enorme que têm no dia seguinte das festas os nossos garis, que desde bem cedo já estão nas ruas trabalhando em ritmo intensivo para reorganizar e limpar toda a sujeira resultante. Fato perfeitamente natural de se acontecer, considerando o nível de individualismo que predomina em nossa sociedade de hoje em dia.

Eu digo isso porque entendo que em nossa sociedade atual a empatia está em falta. Empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro e compreender as suas reações naquelas circunstâncias. Este outro pode ser uma pessoa ou até mesmo um ser mais primário da natureza. E os seres individualistas que se multiplicam em nossa sociedade, não importa de que classe social sejam, passam longe da empatia.

A capacidade de entendimento de que não se deve simplesmente largar o lixo onde se está, seja nas praias ou nas ruas, passa muito mais pela capacidade de sensibilizar-se à causa coletiva. O meio ambiente é um espaço compartilhado, um espaço onde há interação com o outro, e, quando não se é capaz de se abrir para enxergar que aquilo que se faz no ambiente em que se vive repercute de alguma forma no outro, seja este outro pessoas ou a própria natureza, então não se é capaz de entender a necessidade de cuidado e preservação. É algo que passa muito mais pelo sentir do que pela razão. 

Por isso há pessoas que nunca tiveram um curso sequer, são analfabetas, mas entendem a necessidade de cuidado com o ambiente em que se vive, enquanto que há também o contrário, ou seja, pessoas que estudaram "Ciências" nas escolas, muitas vezes até assimilaram, racionalmente, os porquês de se cuidar da natureza, mas na hora de fazerem sua parte simplesmente não se importam, pois não há aquele "feeling" em relação ao meio. São geralmente pessoas tão fechadas em si mesmas, em suas razões, em seu humor do momento, de forma que simplesmente não se importam com o que vai ao seu redor.

O senso de preservação e cuidado com o outro, seja ele uma pessoa ou um ser da natureza, é algo que se adquire com a evolução do sentir, muito mais do que do pensar. Talvez se buscássemos educar a nós mesmos para aceitar que não somos máquinas, que não adianta bloquear nosso sentir para nos mostrarmos falsamente pessoas racionais, onde tudo é calculado nos mínimos detalhes de perfeição (como se pudéssemos a tudo controlar), talvez se ao invés de abafarmos o nosso sentir, se cuidássemos mais de aprimorá-lo através da busca por conteúdos que nos proporcionassem reflexões sobre nosso proceder com o outro, que nos levassem a uma análise de nós mesmos enquanto seres humanos emocionais que também somos, talvez aí sim conseguiríamos com mais eficácia sensibilizar nosso colega à causa coletiva, fazer brotar nele a sua capacidade de amar, certamente também bloqueada por muito tempo assim como a nossa. 

"Ser "consciente é ser capaz de amar”. Partindo desse ponto de vista torna-se claro a incapacidade de algumas pessoas em se comover com o apelo ambiental. Ninguém pode possuir uma consciência ambiental se não tiver desenvolvido a capacidade de amar a natureza" - Elísio Gomes Filho

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si