Pular para o conteúdo principal

ACESSIBILIDADE EM DEBATE


por Elizabeth Marge


Há muito tempo que os elevadores para cadeirantes em ônibus são obsoletos e perigosos. Já está mais que provado. Motoristas e cobradores, por mais boa vontade que tenham, não conseguem nunca fazê-los funcionar.  Quando nós precisamos usar o transporte coletivo, passamos por constrangimentos para usar o elevador, então isso não é acessibilidade, cujo conceito envolve segurança e autonomia. 

Quando entenderão que não podemos ser tratados como NADA?! Somos cidadãos, pagamos impostos, votamos, trabalhamos, temos hora como qualquer outro semelhante. Não temos nossos direitos garantidos, não podemos ir e vir com segurança. Onde estão nossos direitos constitucionais? 

A carta de New York (Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência) determinou que até 2014 todos os transportes deveriam estar acessibilizados. E existem modelos novos de ônibus que têm piso rebaixado e que, ao chegarem nos pontos, automaticamente baixam a rampa de acesso, podendo assim qualquer pessoa com ou sem deficiência entrar e sair deles com segurança e autonomia. 

Sinto-me envergonhada de ainda ler planos de governos que escrevam laudas e mais laudas sobre o que farão, como se fôssemos nada e já não tivéssemos nossos direitos garantidos pela Convenção Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pelo Congresso Nacional através do Decreto Legislativo 186 de 09/07/2008. Bastava que deixassem de serem prolixos e escrevessem em seus planos: "CUMPRIR À RISCA A CONVENÇÃO INTERNACIONAL DOS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA". SOMOS TODOS DEFICIENTES, INCLUSIVE DE CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA QUE ESTEJAM À ALTURA DE NOSSOS VOTOS. PÉSSIMOS E SEMPRE COM PROPOSTAS ANTIGAS E DIFAMAÇÕES AOS SEUS RIVAIS. VÃO TODOS SE CATAR.. INCOMPETENTES!!!!!!!! ACORDA, BRASIL!

As pessoas nos tratam mal, brigam porque demoramos a subir nos ônibus... Não é um absurdo? Até quando vamos ter que passar por constrangimentos assim? Duvido que isso aconteceria nos EUA... Acham que devemos ficar em casa, NÃO SOMOS NÓS QUE SOMOS DEFICIENTES.. !!!!!! Eles, TODOS SÃO DEFICIENTES E AS CIDADES ESTÃO NO CTI!

Acho que falta educação e respeito ao próximo. Não há respeito nem aos pais, respeitarão as pessoas nas ruas? 

Quando viajo faço questão de me locomover de ônibus ou metro. Não alugo carro, gosto de estar no meio do povo e vivenciar o cotidiano local. Eu viajei, e vi lá no exterior como as leis são cumpridas e como as pessoas se respeitam, e pude presenciar a EDUCAÇÃO. Lá, quando um idoso ou cadeirante entra na condução, se há uma pessoa sentada no banco reservado e não tem direito àquele lugar, ela se levanta e cede o lugar a quem de direito. O condutor do ônibus tem total domínio do seu veículo e é respeitado. Comigo foi assim,o ônibus encostou (são rebaixados na maioria), todos que estavam na fila recuaram até que eu entrasse. O motorista me recebeu, perguntou pra onde eu ia e me amarrou com calma e só saiu dali quando eu estava em segurança. Voltou ao seu lugar, recuou a rampa e deu sinal para que as outras pessoas entrassem e se acomodassem. Ninguém reclamou ou me olhou com cara feia, ao contrário, recebi de todos um "good morning", "hello"... eu não sou uma pessoa de aparência diferente dos americanos. De boca fechada, sou igual. Eles não me respeitavam por eu ser estrangeira, e sim por sermos semelhantes. O mesmo respeito tenho por eles.  

Infelizmente aqui é diferente. Recebemos xingamentos, humilhações e passamos por constrangimentos. Por que algumas pessoas se acham melhores ou com mais direitos que as outras? Triste realidade a nossa... Até quando teremos que aturar todas as diferenças, preconceitos e exclusões? 

Comentários

  1. Parabéns aos site Cantinho das Ideias por ter postado esse REAL e MARAVILHOSO artigo da militante Elizabeth Marge. Incluir é processo de construção de sociedade igual para todos. Carinhosamente Deborah Prates.

    ResponderExcluir
  2. Como seria bom, se todos nós, brasileiros tivéssemos a clareza de pensamento e e esse espirito de luta que Elizabeth Marge tem para com ela e com o próximo, independente de deficiente ou não, ela apenas deseja que se cumpra as leis e tratados e seja respeitada como pessoa e cidadã!
    Uma mulher de palavras forte e de senso crítico que sabe no país que nasceu, pouco se respeitam as pessoas normais, imagine as que precisam de transporte especial e respeito de todos?
    Admiro e apoio a militância dela por todos esses anos, e que faço de suas palavras e luta, uma motivação mais para se exigir de um governo omisso e sem atitude uma mudança radical para o bem de quem precisa.
    Quanto a nós cidadães comuns, que se valorize a educação, e respeito ao próximo, nesse caso especifico, não depende de governo e sim cada um de nós.
    Parabéns Elizabeth e nunca desista dessa luta!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si