Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: CONTRADIÇÕES DO MUNDO ATUAL

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:


Caros leitores,

Vivemos na era globalizada, mundo conectado, onde a internet chegou firme quebrando barreiras e eliminando fronteiras, com tantas ferramentas aptas a nos trazerem mais conhecimento sobre terras distantes. Pelo menos é isso que, à primeira vista, nos aparenta ser o mundo atual.
Mas a realidade é que vivemos cada vez mais em um mundo de divisões. Um verdadeiro paradoxo: mais interação, globalização, mais convivência com diferentes, e mais separação, mais desunião, mais preconceitos. Talvez os preconceitos e conceitos separatistas tenham sempre existido, ainda que de forma velada, abafada pela avalanche da integração social, econômica, cultural e política entre os povos, e hoje esta mesma integração esteja possibilitando que sejam expressos das mais variadas formas.

Temos, por exemplo, o "dia do orgulho gay", e, em contraposição, projeto tramitando aqui no Brasil sobre criação do"dia do orgulho hetero". Vemos igreja adquirindo face militar, transformando-se em exército para lutar contra seus inimigos de ideais; a religião sendo usada como instrumento de força e poder político no tão famigerado "Estado Islâmico"; vemos doenças psicológicas graves, como a depressão, atingindo número cada vez maior de pessoas, principalmente nos grandes centros urbanos, onde o contingente populacional não consegue fazer vez à solidão que domina os corações, as pessoas estão carentes de relações verdadeiras, mesmo com tantos instrumentos de comunicação como telefone, celular, e-mails, redes sociais, etc.,etc.
Comemora-se o dia de um, dia de outro... será que algum dia veremos o "dia do ser humano", ou "dia da humanização das relações"? Quando veremos mais união ao invés de divisão e solidão?
Se há uma equipe, logo se formam divisões; se há um trabalho social sendo realizado, logo chegam aqueles para dividir forças, ao invés de somar; em uma mesma instituição vemos departamentos competindo entre si na busca de satisfação das vaidades. Até quando seremos vítimas de nossas próprias divisões, ao deixarmos o ego falar mais alto e comandar nossa essência naturalmente gregária? Sim, temos a divisão em nós mesmos, pois permitimos que a divisão nos comande, que nosso ego vaidoso domine nosso ser inteiro e nos torne cegos para a realidade de que o preconceito, o ciúme, a competição doentia, tudo isso é causa do que vemos hoje, desse mundo caótico em que vale quem tem mais, vale quem pode mais. E isso prejudica o todo, prejudica um bom trabalho que poderia ser realizado,prejudica a sociedade, e gera ainda mais divisão e revolta. Assume proporções gigantescas e produz efeitos que voltam e atingem os próprios semeadores da divisão, num círculo de ódio sem fim. Isso é saudável? É agradável? É uma forma inteligente de se viver em um mundo onde naturalmente é impossível sobreviver isoladamente?
Contraditório o ser humano!... Queixa-se do caos em que se transformou o mundo atual, mas é incapaz de enxergar que as raízes deste mesmo caos residem em seu próprio ser, no seu modo egoísta de pensar e agir e na sua ignorância ao fomentar brigas, guerras e competições visando fortalecer seu domínio. Antigamente podia até parecer ser este o caminho, mas hoje as coisas estão mais aceleradas, o resultado chega rápido e logo nos mostra o quanto essa forma de pensar é ilusória e prejudicial.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si