Pular para o conteúdo principal

DIÁRIO CABOFRIENSE: VIVEMOS TEMPOS LÍQUIDOS

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:

Em seu livro "Amor líquido", o sociólogo polonês Zygmunt Bauman fala sobre o quanto que hoje em dia as relações se tornaram líquidas, próprias de um tempo também "líquido". Zygmunt é um dos maiores intelectuais da atualidade. Aos 87 anos, seus livros já venderam mais de 200 mil exemplares.
Eu não conheço os livros de Zygmunt, mas assisti à sua entrevista em um vídeo do youtube onde fala do assunto.
Ele chama de "tempos líquidos" o tempo atual, onde nada é feito para durar. A ideia de "descartável" tomou conta também das relações humanas, sejam elas presenciais ou virtuais, e assim afinidades são coisas raras. As pessoas estão tomadas pelo medo e pela insegurança. Querem relacionar-se, mas temem se machucar. Não se doam nas relações e chegam até mesmo a cortar os vínculos ante o menor sinal de divergência. Segundo o autor, as pessoas pensam que exterminam um problema ao simplesmente cortarem os vínculos, mas na verdade apenas criam um problema em cima de outro.
Concordo com o pensamento dele. Parece que as pessoas buscam, logo de cara, uma relação pronta e perfeita. E isso não existe. Uma relação, qualquer que seja, deve ser construída com tolerância, compreensão, respeito, diálogo, e principalmente disposição para doar-se e coragem para revelar-se. Não se constrói uma relação duradoura sendo quem não se é e sem disposição para doar um pouco de si e de seu tempo para o outro. E hoje muitos preferem seguir vazios nas relações, ou simplesmente deletar vínculos, do que ter o trabalho de construir relações mais sólidas. O "excluir" e o "delete" são muito bons enquanto mecanismos de computador, ou do smartphone, mas são apenas parte de um instrumento que nos possibilita relacionar com o mundo, mas que não se confunde com a relação em si. A relação é algo vivo, que envolve o emocional de outras pessoas que também querem ser ouvidas e amadas.
Para o autor, as pessoas vêm sendo tratadas como bens de consumo: em caso de defeito, descarta-se, ou troca-se por “versões mais atualizadas”. E assim o amor verdadeiro foi banalizado, a palavra "amor" perdeu seu conteúdo e é utilizada de forma vazia, sem o conhecimento real de seu significado.
O ser humano tenta viver bem dentro do paradoxo: quer relacionar-se, quer ser aceito e amado, mas não se dispõe a doar-se em um relacionamento, não se dispõe a viver plenamente uma relação e, principalmente, não se dispõe a amar o outro de forma sólida, com comprometimento e sem medo. Não há disposição em construir, não há tempo para consolidar relações. Os dias têm as mesmas 24 horas dos dias de antigamente, o conforto da tecnologia de hoje nos permite gastar menos tempo nos afazeres diários, mas o imediatismo de querer relações prontas e perfeitas fez com que esse tempo se tornasse "líquido", e assim as relações simplesmente escorrem das mãos como se fossem água.
Talvez essa seja a razão de hoje em dia haver tantas pessoas solitárias e deprimidas, apesar de existirem tantas formas de comunicação.
É como também já disse Jelson Oliveira, coordenador do Curso de Filosofia da PUC-PR, sobre a superficialidade dos laços de amizade: “Ao contrário da civilização grega, que valorizava a amizade, o mundo contemporâneo sofre com vínculos rasos". 

Luciana G. Rugani

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si