Pular para o conteúdo principal

A ÁGUA DO MAR E SEU PODER DE AFETAR POSITIVAMENTE NOSSA MENTE

Depois dos médicos franceses receitarem o surf como tratamento , o biólogo Wallace J. Nichols trouxe para a discussão os benefícios neurológicos provenientes do contato com o mar. Benefícios esses tão almejados em consultórios psiquiátricos: elevação do humor, redução do estresse e até melhoria da memória.

Para muitas pessoas – surfistas e não surfistas – a experiência de estar na praia e apenas ficar olhando para o oceano é profundamente gratificante. Há quem diga que a atitude gera um estado contemplativo, há outros que afirmam que é extremamente calmante e inúmeras pessoas afirmam que não conseguem colocar em palavras sua sensação, pois acreditam que o mar as toca em um nível emocional.
O biólogo Wallace, em entrevista para a revista Outside apresentou uma novidade sobre nós mesmos: temos uma necessidade latente, psicológica E biológica de frequentar ambientes aquáticos – como oceanos. São informações pouco conhecidas e pouco estudadas e talvez por isso tão surpreendentes, mas que de uma certa forma sempre existiram dentro de nós em formato de impossibilidade ou desconforto de passar muito tempo longe da praia.

Claro que não estamos assinando um fato incontestável e como toda boa teoria, há controvérsias – mas para os surfistas isso pode começar a ajudar a entender muita coisa.

Normalmente passamos horas e horas dentro da água e mesmo sem todas as ondas clássicas e perfeitas vivenciamos uma satisfação verídica quando saímos – satisfação essa que nos leva de volta para água em pouco tempo.
Todo bom surfista sabe que uma boa sessão de surf é capaz de transformar qualquer humor e descongelar qualquer coração amargurado da semana. É difícil descrever, mas dá pra tentar chamar sim de alegria…

O sentimento já mencionado aqui outras vezes vem tentando ser descrito ao longo dos anos e já chegamos muito perto de chamar o surf de religião pelo temor, devoção e incompreensão envolvidos com a relação intensa com a natureza.

Não podemos afirmar e nem comprovar nada, mas podemos flertar com essa teoria neurológica e usa-la como mais um motivo para deixar a preguiça de lado, treinar com afinco e cair no mar sempre que possível, que seja pra remar, treinar o drop ou ganhar confiança naquela manobra mais desafiadora.

Que o mar tem um poder e deve ser respeitado: é algo absolutamente óbvio. Agora se ele é capaz de transcender, modificar ou contribuir de alguma forma deixamos para vocês a resposta. O surf é um esporte individual e sua beleza também está na relação peculiar de cada um com a natureza – seja se sentindo parte, se enxergando como uma extensão, ou como um possível responsável por ela – que seja acima de tudo: individual e seu – mesmo que não caiba em palavras para explicar o que isso significa.
Nós gostamos de acreditar que a natureza nos presenteia sempre com mares clássicos e visuais que não poderiam ser descritos em palavras e por isso a atitude de gratidão e respeito se faz necessária. Leve com você sua religião, sua crença e apenas compartilhe as teorias que valorizam cada vez mais a sua paixão, o intuito não é convencer ninguém de que existe uma conexão real entre a natureza e nossa mente – deixaremos isso para o biólogo que mencionamos lá em cima desvendar

Se tiver teorias sobre sua experiência no surf para compartilhar – manda pra gente contato@equipedosurf.com

FONTE:
The Inertia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si