Pular para o conteúdo principal

ENQUANTO ADMIRAVA AS ESTRELAS

por Luciana G. Rugani - semana passada, enquanto admirava as estrelas, eu pensei no quanto elas revelam o mistério da infinitude do Universo, posto que são infinitas moradas do Criador. Observando tudo de mais simples que há na natureza, é incrível como se abre nossa percepção e como que conseguimos enxergar as coisas de forma mais profunda e ampla. 
Hoje encontrei este texto de 2010, do autor Rafael de Paula, e ele veio totalmente ao encontro de minha reflexão. Parece até aqueles "acasos" que não são acasos...vale a pena ler, maravilhoso e sábio:


Hoje eu percebi que há muito tempo eu não olhava as estrelas no céu. Via algumas mais azuis, outras mais brancas, outras mais vermelhas, e me perguntei: Elas sempre foram assim, meio que, digamos, coloridas? Achei-as tão bonitas, tão serenas, que tranquilizaram meu espírito tão inquieto,ansioso e até impaciente. Mas me pergunto: se o céu está sempre ali, tão evidente, tão grandioso e tão disponível ao simples olhar, porque há tanto tempo eu não o observava? Porque o simples ato de parar e admirar aqueles pequenos pontos brilhantes do céu tem ficado, para mim, cada vez mais raro?

É o parar de perceber essas pequenas coisas do mundo, essas sutilezas da vida, essa tal de “essência” das coisas, que me dá mais medo. Quando essas coisas passam despercebidas é porque ou tudo tem passado rápido demais ou a gente perdeu a sensibilidade para algumas coisas não apenas importantes, mas fundamentais. Um sorriso, um abraço, um aperto de mão, uma conversa frívola, uma “prosa ruim”, escutar música por escutar. São todas estas coisas tão pequenas e tão magnânimas ao mesmo tempo! Como? É simples: são coisas que remetem àquilo que temos de mais puro, mais sincero e mais simples. Aí volto a usar a palavra essência: essas coisas nos fazem lembrar daquilo que é essencial, mas ainda assim insistimos em esquecer ou em ignorar.

Se não damos atenção às estrelas do céu, à paisagem da janela, à uma viola velha que chora sozinha na madrugada, ao som do mar, à fluidez de um rio, quem dirá das sutilezas do ser, daquilo que há de mais feliz ou mais triste no outro? Afinal, é nessas pequenas coisas que conhecemos e entendemos os outros e alcançamos, da forma mais sublime, os seus sentimentos mais sinceros e intensos.

E enquanto admirava as estrelas, refletia sobre coisas da minha vida, e nesse breve devaneio oscilei entre tristeza e alegria, serenidade e ansiedade, medo e coragem. Nesse átimo, percebi que o tempo é, definitivamente, relativo. Podemos fazer coisas importantíssimas em alguns poucos segundos ou passar uma vida inteira sem fazer absolutamente nada, com a doce ilusão de estar fazendo muito. Podemos entender o mundo em um instante de inspiração, enquanto podemos, por muito tempo, ignorar aquilo que é realmente importante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019