Pular para o conteúdo principal

ENQUANTO ADMIRAVA AS ESTRELAS

por Luciana G. Rugani - semana passada, enquanto admirava as estrelas, eu pensei no quanto elas revelam o mistério da infinitude do Universo, posto que são infinitas moradas do Criador. Observando tudo de mais simples que há na natureza, é incrível como se abre nossa percepção e como que conseguimos enxergar as coisas de forma mais profunda e ampla. 
Hoje encontrei este texto de 2010, do autor Rafael de Paula, e ele veio totalmente ao encontro de minha reflexão. Parece até aqueles "acasos" que não são acasos...vale a pena ler, maravilhoso e sábio:


Hoje eu percebi que há muito tempo eu não olhava as estrelas no céu. Via algumas mais azuis, outras mais brancas, outras mais vermelhas, e me perguntei: Elas sempre foram assim, meio que, digamos, coloridas? Achei-as tão bonitas, tão serenas, que tranquilizaram meu espírito tão inquieto,ansioso e até impaciente. Mas me pergunto: se o céu está sempre ali, tão evidente, tão grandioso e tão disponível ao simples olhar, porque há tanto tempo eu não o observava? Porque o simples ato de parar e admirar aqueles pequenos pontos brilhantes do céu tem ficado, para mim, cada vez mais raro?

É o parar de perceber essas pequenas coisas do mundo, essas sutilezas da vida, essa tal de “essência” das coisas, que me dá mais medo. Quando essas coisas passam despercebidas é porque ou tudo tem passado rápido demais ou a gente perdeu a sensibilidade para algumas coisas não apenas importantes, mas fundamentais. Um sorriso, um abraço, um aperto de mão, uma conversa frívola, uma “prosa ruim”, escutar música por escutar. São todas estas coisas tão pequenas e tão magnânimas ao mesmo tempo! Como? É simples: são coisas que remetem àquilo que temos de mais puro, mais sincero e mais simples. Aí volto a usar a palavra essência: essas coisas nos fazem lembrar daquilo que é essencial, mas ainda assim insistimos em esquecer ou em ignorar.

Se não damos atenção às estrelas do céu, à paisagem da janela, à uma viola velha que chora sozinha na madrugada, ao som do mar, à fluidez de um rio, quem dirá das sutilezas do ser, daquilo que há de mais feliz ou mais triste no outro? Afinal, é nessas pequenas coisas que conhecemos e entendemos os outros e alcançamos, da forma mais sublime, os seus sentimentos mais sinceros e intensos.

E enquanto admirava as estrelas, refletia sobre coisas da minha vida, e nesse breve devaneio oscilei entre tristeza e alegria, serenidade e ansiedade, medo e coragem. Nesse átimo, percebi que o tempo é, definitivamente, relativo. Podemos fazer coisas importantíssimas em alguns poucos segundos ou passar uma vida inteira sem fazer absolutamente nada, com a doce ilusão de estar fazendo muito. Podemos entender o mundo em um instante de inspiração, enquanto podemos, por muito tempo, ignorar aquilo que é realmente importante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói