Pular para o conteúdo principal

REFLEXÕES EM TEMPOS DE PANDEMIA


Creio que vivemos um tempo de revelações. Hoje em dia nada fica encoberto por muito tempo. A realidade de muitos tem sido escancarada. Vemos isso, por exemplo, nas disputas políticas, onde a essência de cada um brotou mais clara. Muitos que se passam por boa gente, mas, em defesa de seus candidatos, expressaram toda a realidade de seu íntimo de ódio, mentiras e egoísmo.
Em relação ao vírus, ele veio revelar o quanto vivemos em uma sociedade egoísta e individualista. Os pontos principais da prevenção do avanço da doença são o uso de máscara e álcool gel, além de manter o distanciamento mínimo necessário. Então, vemos que são ações que têm por base a solidariedade e respeito com o outro. Quando vemos os jovens na balada em aglomerações, pessoas sem máscara e sem os cuidados com álcool gel, e vemos o avanço da doença justamente pela falta desses cuidados básicos, percebemos o quanto cada um só pensa em si e não se importa com o outro, o quanto o individualismo predomina em nossa sociedade. E pior ainda é assistirmos a pessoas famosas promoverem eventos grandiosos, afrontando a sociedade ao escancarar a ilusão de que estão acima de tudo e de todos. É muita arrogância, egoísmo e desdém com a vida do outro.
Creio que esse está sendo apenas um primeiro teste. Para arrumar a casa, é necessário primeiramente bagunçá-la. O planeta, para se reformar e atingir um patamar um pouco mais evoluído, infelizmente ainda precisará de muitas provas, pois essa doença, pela forma como está avançando justamente pela falta de empatia de grande parte da sociedade, está servindo como diagnóstico de algumas de nossas mazelas. 
Mas nunca é experiência perdida. Uma boa parte da sociedade está se modificando e aprendendo a ter um olhar mais empático. Mas, essa ainda não é a regra, portanto sinto que, infelizmente, novas provas ainda serão necessárias. Que Deus nos dê forças e sabedoria!

Luciana Gonçalves Rugani

Comentários

  1. Verdade. Estamos mexendo nos móveis para varrer seus locais, precisamos continuar esforçando nesta limpeza, que não é fácil e exige: paciência e compreensão. Sem estes dois ingredientes não conseguiremos nada, e que, devem se tornar nossos novos hábitos.

    ResponderExcluir
  2. Verdade. Estamos mexendo nos móveis para varrer seus locais, precisamos continuar esforçando nesta limpeza, que não é fácil e exige: paciência e compreensão. Sem estes dois ingredientes não conseguiremos nada, e que, devem se tornar nossos novos hábitos.

    ResponderExcluir
  3. Deus além de nos dar força e sabedoria, tem que nos dar saúde para poder nos passar por essa pandemia!!

    ResponderExcluir
  4. Reflexão é essencial a qualquer mudança... Obrigada por proporcionar isso...

    ResponderExcluir
  5. Julio Cesar Medeiros28 de dezembro de 2020 15:36

    Realmente neste ano aconteceram fatos horríveis não só no Brasil como no mundo inteiro, e o que mais tenho ouvido e lido, é que, 2020 é um ano para ser esquecido, o que não concordo, este ano deverá ser sempre lembrado. Essa pandemia veio nos mostrar como somos fracos, mas ao mesmo tempo solidários e com muita esperança, apesar do genocida que está no poder querer nos jogar para baixo todos os dias.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si