Pular para o conteúdo principal

DIVULGANDO: CANAL DE DANÇA POÉTICA DO ARTISTA EDUARDO MACEDO

#Divulgando canal de dança poética

Canal Eduardorio23deabril no YouTube

Eduardo Macedo é bailarino e poeta e ultimamente tem se dedicado a vídeo dança, categoria artística que mistura o áudio visual e a dança como linguagem final.
Para mostrar seus trabalhos, o artista fez um canal no YouTube, onde, nessa primeira fase, é o principal intérprete.
Eduardo tem como locação o apartamento onde mora ou algum lugar na cidade que ache interessante.
A filmagem é feita sozinho e utiliza apenas o seu smartphone em um tripé. Depois ele mesmo faz a edição, o que torna o trabalho particularmente autoral.
Os movimentos apresentados são improvisações feitas a partir do local em que está sendo feita a filmagem. Cada lugar tem seus particulares e é partir desta ideia simples que o bailarino dá asas as suas criações.
A música é inserida depois na edição, ou não inserida. Alguns vídeos são sem música.
O canal já tem dois importantes pianistas como parceiros: João Carlos Assis Brasil e Luiz Castelões. Em breve mais dois músicos farão parte do canal, Helô Tenório e Carlos Rafael Clima. Alguns vídeos terão a trila feita exclusivamente por esses músicos.
Em breve serão postados vídeos com outros bailarinos. Para isso foram convidados Daysi Ana, Jorge Assunção e Bárbara Várady.
O primeiro vídeo do canal é de 2003, e é uma interpretação literal imaginativa em cima da música Sugar cane Fields Forever, de Caetano Veloso.
O canal mostra que Eduardo já produz vídeo dança há dezoito anos. Ficou sem fazer por uns tempos e voltou a produzir em 2019.
Por causa do isolamento social, essa forma de arte tomou fôlego e está sendo a principal aliada dos artistas da dança.
No vídeo Suave na nave, parece que previu esse isolamento. O vídeo foi filmado uma pouco antes de começar a pandemia e apresenta o bailarino dançando sozinho na área do MAM. Termina com ele ficando de cabeça pra baixo, que é como ficou a sociedade com o advento da covid-19. No mesmo vídeo, isolamento e dúvidas que viriam, se apresentaram.
Dia 28 de junho fará dois anos que a exposição Palavra Movimento foi encerrada, e é com esse gancho que o canal será divulgado.
Esta exposição aconteceu no Centro cultural Oi Futuro em 2019, dentro do projeto Poesia Visual, daquela instituição. Eduardo apresentou um trabalho de corpo e poesia, onde os poemas eram ouvidos e o movimentos assistidos, através de dez telões espalhados pela galeria.
Palavra Movimento teve grande sucesso de público. Crianças, jovens, adultos e idosos se movimentavam assim que entravam no espaço, reproduzindo os passos vistos nas telas. A exposição também recebeu pessoas com necessidades especiais, que ao seu modo, puderam perceber o que estava acontecendo.
Para comemorar esses dois anos de exposição, será lançado um vídeo deste evento com o depoimento da museóloga Renata Fontes Freire, que na época trabalhava no centro cultural Oi Futuro com arte e educação. Renata fala como Palavra Movimento impactou o público visitante.
O canal Eduardorio23deabril será um espeço inicialmente de dança e poesia. Com o tempo Eduardo mostrará outras incursões no áudio visual.




Eduardo Macedo é bailarino e poeta.

Graduado em Dança na Faculdade de Artes do Paraná (2000) e pós graduado em Preparação Corporal nas Artes Cênicas na Faculdade Angel Vianna (2015)Iniciou sua carreira em 1994 em Manaus, onde trabalhou como ator na Cia Metamorfose de teatro e como bailarino no Grupo Espaço de Dança do Amazonas – GEDAM.

Em 1997 mudou-se para Curitiba. Nesta cidade, além da graduação, fez trabalhos paralelos. Foi diretor e coreógrafo do espetáculo Bastidores de uma casa, no Teatro da Reitoria da Universidade Federal do Paraná. E no grupo de dança desta universidade, foi reconhecido oficialmente como coreógrafo, tendo dois trabalhos no repertório do grupo: Pronomes pessoais do caso reto e A rosa sem dono.

No Rio desde 2002, dirigiu e coreografou O baile do rei Sol, no teatro Cacilda Becker em 2007.

Em 2015 lança-se como poeta com o livro Poemas Quentes, da Personal editora, onde também participa de duas antologias.

Poeta convidado no projeto Poesia Visual do centro cultural Oi Futuro. Neste projeto esteve em três ocasiões: No livro Poesia Visual 4 em 2016, na exposição Cartas para Mabel em 2018 e em 2019 teve sua exposição individual, Palavra Movimento, que foi indicada ao prêmio Cesgranrio de Dança, na categoria especial.

Atualmente faz trabalhos autorais de vídeo dança, em parceria com músicos e bailarinos, além de estar escrevendo seu segundo livro.

Texto e fotos: Eduardo Macedo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói