Pular para o conteúdo principal

APRESENTAÇÃO DO ESCRITOR, JORNALISTA E CONTADOR DE HISTÓRIAS, RICARDO ALBINO

por Luciana G. Rugani - Caros leitores, hoje venho apresentar o Ricardo Albino, mais conhecido como Ric.
Ric é jornalista, escritor, cronista e contador de histórias. 
Conheci Ric no Facebook, quando ele entrevistou a apresentadora Cátia Cristina, da Web Rádio "Invista em Você", de Cabo Frio. Proprietário do canal do youtube "Ricontar Histórias", onde publica seus podcasts, Ric divulga entrevistas e histórias de vida, tendo sempre por base a promoção da diversidade e da inclusão social da pessoa com deficiência. 
Vale a pena conhecer sua história de vida e seus trabalhos nas redes sociais. Segue abaixo o texto autobiográfico do autor:

APRESENTAÇÃO

por Ric

Olá! Meu nome é Ricardo Flávio Mendlovitz Albino, mas, para facilitar a vida do pessoal, todos me conhecem como Ricardo Albino ou Simplesmente o Ric.
Nascido e criado em Belo Horizonte, cheguei ao mundo prematuro de 6 meses. Tive parada respiratória e falta de oxigenação no cérebro, o que a provocou paralisia cerebral que afetou minha parte motora e minha visão. Não enxergo do olho direito e tenho metade da visão esquerda, mas digo que enxergo melhor que muita gente quando tento enxergar o outro pelo sentimento e pelo coração. 
Desde criança, amo esportes, música, arte e cultura em geral. Já usei aparelho nas pernas, andador, bengala canadense e, desde 1997, devido ao pouco equilíbrio e aos espasmos (susto involuntário, sequela da paralisia) fui para a cadeira de rodas. As rodas da cadeira, muito além de funcionarem como minhas pernas, tornaram-se minhas asas para voar rumo aos sonhos e descobertas do mundo. 
Em 2006, formei-me em Jornalismo pelo Centro Universitário de Belo Horizonte - UniBH. Tive um blog de crônicas e, a partir dele, fui colaborador no blog "Tudo Bem Ser Diferente" , da jornalista e minha professora Sônia Pessoa, onde são relatados fatos do dia a dia relacionados à acessibilidade e inclusão social da pessoa com deficiência. Em 2015, me formei contador de histórias no curso do Instituto Cultural Aletria. Participei de alguns eventos e festivais e, em 2017, criei a página Ricontar Histórias, do Facebook. Em 2021, nasceu o canal Ricontar Histórias , do YouTube. Nesse canal, desde julho passado e sempre uma vez por semana, faço o podcast da Ricontar, onde, além de contar minhas histórias, também ouço e compartilho outras tantas.
Como cronista e contador de histórias, descobri também em mim o dom de criar histórias. Escrevi a minha história de vida, à qual dei o título de "O Rapidinho Teimoso". Com essa história costumo abrir as apresentações que faço, por meio das quais busco motivar famílias e pessoas com algum tipo de deficiência a buscarem seus objetivos e sorrisos na arte da vida, e também busco mostrar a todos a importância da acessibilidade, fundamento básico para uma inclusão social de todos nós. 
A história "O Rapidinho Teimoso" é uma história com final itinerante, ou seja, com o final que varia conforme o local onde a estou contando. Por isso, o final é sempre diferente. A versão literária ainda está em construção.
Durante a pandemia, em isolamento social na roça com meus pais e de pés no chão, nasceu o projeto do livro "Histórias de um Rapidinho em Quarentena" que será lançado em breve, se Deus quiser.

Seguem alguns dos meus trabalhos:

Ricardo Albino, formado em Comunicação Social - Jornalismo - pelo Centro universitário de Belo Horizonte Uni-BH, em 2006.
Formado como Contador de Histórias pelo Instituto Cultural Aletria, em 2015.
Participou da Bienal do Livro de Minas, em 2015.
Criou a página facebook.com/ricontar
Participou da Semana Nacional de Museus nos anos de 2015 a 2020.
Participou do quadro "Os Contadores de Histórias", no programa Revista da Tarde, da Rádio Inconfidência AM 880, nos anos de 2018 e 2019.
Participação no programa Estação 750 Especial de domingo, da Rádio América AM 750.
Participação no Festival Surpreenda-se, no ano de 2018.
Participação no Festival Livro da Rua, nos anos de 2018 e 2019.
Participação no Encontrão dos Contadores de Histórias, nos anos de 2018 a 2020.
Participação no Salão do Livro, no Vale do Aço, no ano de 2019.
Participação nos encontrões virtuais de contadores de histórias virtuais de BH e do ES e no Salão do Livro Virtual, do Vale do Aço, no ano de 2020.

Espero vocês no meu canal no YouTube e na página no face:

https://www.youtube.com/channel/UCub-bug87iLOghsj5qu1V8Q

Facebook.com/Ricontar

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PRÊMIO TEIXEIRA E SOUSA DE LITERATURA, EM CABO FRIO, DIVULGA INSCRIÇÕES HABILITADAS

Clique aqui para ver a publicação das inscrições habilitadas (págs. 18 a 21 do Diário Oficial Eletrônico) Concurso premiará autores de conto, poesia e crônica, além de redação para estudantes da rede pública de Cabo Frio A Prefeitura de Cabo Frio tornou pública a relação das inscrições habilitadas e inabilitadas para o Prêmio Teixeira e Sousa de Literatura. A próxima edição terá o tema: “De Teixeira e Sousa a Elza Soares - Crítica Social no Planeta Fome”. A listagem foi divulgada na edição número 469 do Diário Oficial do Município, disponível no Portal da Transparência, no site da Prefeitura. Organizado pela Secretaria Municipal de Cultura, com o intuito de valorizar as produções literárias de autores cabo-frienses, serão coroadas obras inéditas na língua portuguesa nos gêneros de conto, poesia, crônica e redação estudantil. Todas as categorias são divididas para residentes em Cabo Frio, separadas entre público geral e alunos da rede pública de ensino municipal, estadual e federal, par