Pular para o conteúdo principal

ALIMENTAR AS GAIVOTAS: UM HÁBITO QUE PODE LEVAR À EXTINÇÃO DA ESPÉCIE

Um costume que tem crescido muito nas praias é o de alimentar gaivotas com petiscos, como batatas fritas e outros para consumo humano. Os biológos alertam sobre o perigo desse hábito e o quanto que ele coloca em risco a sobrevivência da espécie.
Segundo os biólogos, o ato de dar esses petiscos para as gaivotas pode comprometer futuros filhotes. Caso as gaivotas estejam na fase de reprodução, esses alimentos de baixo valor nutricional serão levados para os filhotes e eles provavelmente não chegarão à fase juvenil.
Além disso, as gaivotas comem de tudo e aprendem por observação. Isso pode causar acidentes, inclusive com pessoas que não estejam oferecendo o alimento. As gaivotas se sentirão confortáveis, seguras, pela possibilidade de alimento fácil e poderão, até mesmo, passar a atacar as pessoas, principalmente crianças. Já vimos várias vezes na praia, quando os ocupantes de algum guarda-sol saem para o mar, a mesa fica sozinha com os alimentos e a gaivota se aproveita para "roubar" o alimento. Mas, com o tempo, elas irão se acostumar tanto que poderão não mais esperar que as pessoas saiam, e passarão a atacá-las.
Vamos divulgar essas informações, pois a grande maioria das pessoas não sabe que, ao alimentá-las, poderá estar contribuindo para a extinção da espécie ou para uma mudança de hábito das aves que poderá afetar a convivência equilibrada dos seres humanos com esses animais.

Luciana G. Rugani
Foto: internet

Comentários

  1. Pessoal ,os animais não podem comer batata frita e outros petiscos . Podem me mandar que eu como tudo e a gente protege do risco de extinção.

    ResponderExcluir
  2. Este alerta é importantíssimo para ajudar a chegar em muitos leigos, que desconhecem os perigos para essa espécie

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

DIVULGANDO: CANAL DE DANÇA POÉTICA DO ARTISTA EDUARDO MACEDO

#Divulgando canal de dança poética Canal Eduardorio23deabril no YouTube Eduardo Macedo é bailarino e poeta e ultimamente tem se dedicado a vídeo dança, categoria artística que mistura o áudio visual e a dança como linguagem final. Para mostrar seus trabalhos, o artista fez um canal no YouTube, onde, nessa primeira fase, é o principal intérprete. Eduardo tem como locação o apartamento onde mora ou algum lugar na cidade que ache interessante. A filmagem é feita sozinho e utiliza apenas o seu smartphone em um tripé. Depois ele mesmo faz a edição, o que torna o trabalho particularmente autoral. Os movimentos apresentados são improvisações feitas a partir do local em que está sendo feita a filmagem. Cada lugar tem seus particulares e é partir desta ideia simples que o bailarino dá asas as suas criações. A música é inserida depois na edição, ou não inserida. Alguns vídeos são sem música. O canal já tem dois importantes pianistas como parceiros: João Carlos Assis Brasil e Luiz Castelões. Em