domingo, 29 de março de 2020

POEMA: AINDA QUE


AINDA QUE

Ainda que haja nuvem
O sol não deixa de brilhar
Ainda que haja choro
O sorriso teima em ficar
Ainda que haja dúvida
O passo não deixo de dar
Ainda que haja distância
O amor me faz amar
Ainda que haja dor
O remédio é contigo ficar

Luciana G. Rugani, 29/3/20

sábado, 28 de março de 2020

POEMA DO AMIGO BUTCH: O VENTO

Em setembro passado, postei aqui no blog um conto sobre uma linda história de amor, juntamente com dois poemas de autoria de meu amigo Butch. 
Hoje trago mais um belo poema de Butch que compartilho com vocês, meus leitores. Butch, mais uma vez, consegue traduzir, em palavras, com perfeição e intensidade, o seu sentimento.
Segue abaixo:


O Vento

Onde esta o vento
que nosso rosto tocou
enquanto a gente se beijava?
Me traga acalento!
Vento, que testemunhou
corações a pulsar,
palavras a sussurrar,
lágrima que rolou.
Onde está o vento
que compartilhava aquele beijo?
Volte agora mansamente 
trazendo aquele beijo novamente.
Esse é meu desejo:
aquele beijo. 

Butch Cassidy, 28/3/20

DIVULGAÇÃO: PROGRAMA SIDNEI MARINHO - REDE LITORAL NEWS

#DIVULGAÇÃO


Amigos, criamos condições especiais pra você que precisa divulgar seu delivery para a população. 
Em razão de nossa cobertura especial dos fatos, o Programa Sidnei Marinho e a TV Litoral News têm alcançado índices gigantescos de audiência. Conte com a gente! 
Faça contato pelos números (22) 99216.4951 e (22)99236.2212
É hora de unirmos forças!

DIVULGAÇÃO: RESTAURANTE DOS AMIGOS

#DIVULGAÇÃO

O "RESTAURANTE DOS AMIGOS", localizado no Jardim Caiçara, em Cabo Frio, oferece aos clientes o serviço de delivery. Entrega em casa de seus deliciosos pratos, SEM COBRANÇA DE TAXA. 
Basta ligar: (22)2620-1245 ou (22)99842-1023

Cardápio da semana

Terça feira : almôndegas com espaguete
Quarta feira: costelinha suína com aipim frito e couve 
Quinta feira: dobradinha com feijão branco
Sexta feira: feijoada 
Sábado: carne assada com maionese
Domingo: frango assado com salpicão 

Todos os pratos acompanhado arroz,feijão e farofa 
Preço R$11,90

sexta-feira, 27 de março de 2020

SEMANA TEIXEIRA E SOUSA: DECLAMAÇÃO DE POEMA EM HOMENAGEM AO ESCRITOR

Seguindo as comemorações da Academia de Letras e Artes de Cabo Frio - ALACAF referentes à Semana Teixeira e Sousa (maior evento literário de Cabo Frio comemorado anualmente por ocasião da celebração do nascimento do escritor), segue abaixo o poema que fiz, enquanto membro desta honrada academia, em homenagem ao escritor:



Teixeira e Sousa

Quando nasceu,
em seu primeiro suspiro,
decerto inspirou 
toda poesia e romance
que há nos ares de Cabo Frio.
Negro e jovem escritor,
a discriminação enfrentou
como se fora um barco
resistente em mar bravio.
Inácio Cardoso,
médico amigo,
o latim lhe ensinou.
Por sobrevivência,
para a capital partiu.
Lá encontrou Paula Brito
tornaram-se amigos,
caminhos se abriram.
Poemas,
romances,
tragédias,
seu nome
nas letras brilhou.
O Filho do Pescador
o imortalizou.
Teixeira e Sousa,
primeiro romancista brasileiro
Filho de Cabo Frio
que, 
da cultura,
é celeiro.

Luciana G. Rugani, 26/3/20

segunda-feira, 23 de março de 2020

MENSAGEM DE ALAIR CORRÊA SOBRE A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS


"ONTEM PRECISEI SAIR. TOMEI TODOS OS CUIDADOS NECESSÁRIOS E, AO CIRCULAR PELA CIDADE, VI SUAS RUAS VAZIAS E OS COMÉRCIOS FECHADOS. PARECIA UMA CIDADE FANTASMA! GOSTEI DE VER QUE NOSSA POPULAÇÃO SE CONSCIENTIZOU DA NECESSIDADE DE OBEDECER ÀS ORIENTAÇÕES DE ISOLAMENTO SOCIAL, MAS, CONFESSO QUE, AO VER A CIDADE TÃO DESERTA, ME ENTRISTECI.
NASCI EM CABO FRIO E, JAMAIS, EM TODA MINHA VIDA, VI A CIDADE TÃO TRISTE, COMO NOS ÚLTIMOS DIAS! UMA CABO FRIO DESERTA, QUE ME FEZ LEMBRAR DAS CENAS DAS ÚLTIMAS GUERRAS, COM MORADORES SE ESCONDENDO DOS SOLDADOS INIMIGOS, DOS TIROS, DO BARULHO DAS EXPLOSÕES! 
AGORA VIVEMOS ALGO SEMELHANTE, PORÉM NOSSO INIMIGO É DIFERENTE. ELE NÃO MATA PARA OCUPAR TERRITÓRIOS, POIS NÃO REPRESENTA NENHUMA PÁTRIA. DIFERENTE DO INIMIGO TRADICIONAL, ELE CHEGA EM SILÊNCIO, DE FORMA INVISÍVEL. MATA OS MAIS VELHOS OU OS MAIS DESCUIDADOS, GUERREIA CONTRA O MUNDO INTEIRO. SURGE ONDE NINGUÉM ESPERA, POR ISSO TODOS O TEMEM. TORNOU-SE FAMOSO POR TER SEU NOME CITADO NAS MÍDIAS DO MUNDO TODO. NOSSO INIMIGO É O CORONAVÍRUS, E, PARA QUE O VENÇAMOS, PRECISAMOS DE MUITA PACIÊNCIA E OBEDIÊNCIA. PRECISAMOS TAMBÉM TER A HUMILDADE DE RECONHECER NOSSA PEQUENEZ INDIVIDUAL, PERANTE MAIS ESSA PROVA QUE NOS CHEGA, E DE COMPREENDER QUE SOMOS TODOS VIAJANTES NO MESMO BARCO, QUE ESTAMOS TODOS SUJEITOS ÀS GARRAS DO INIMIGO E QUE SÓ CONSEGUIREMOS VENCÊ-LO COM A UNIÃO DE NOSSOS ESFORÇOS. NOSSA HUMILDADE NOS TORNARÁ GRANDIOSOS NO CONJUNTO, POIS SÓ ASSIM SEREMOS FORTES O SUFICIENTE PARA VENCÊ-LO!
CLARO QUE É TRISTE VER A CIDADE ASSIM, MAS É PRECISO QUE A ALEGRIA DA CERTEZA DE VÊ-LA EM BREVE BRILHANDO NOVAMENTE SEJA MAIS FORTE QUE NOSSA TRISTEZA! E ASSIM SERÁ!
QUE DEUS NOS ABENÇOE, PROTEJA NOSSA CIDADE!"

- ALAIR CORRÊA -

sábado, 21 de março de 2020

ALACAF CELEBRA VIRTUALMENTE A SEMANA TEIXEIRA E SOUSA - ABERTURA COM LANÇAMENTO DE ÁUDIO LIVRO

Hoje começaria a Semana Teixeira e Sousa em nossa cidade. Em função das medidas de contingência tomadas para contenção da pandemia do Coronavírus, a programação foi adiada.

A Semana Teixeira e Sousa é o principal evento literário de Cabo Frio e leva esse nome em homenagem ao escritor cabo-friense Teixeira e Sousa, primeiro romancista brasileiro que tornou-se um dos maiores escritores do século XIX.

Considerando a importância dessa semana para a cidade e sendo Teixeira e Sousa o patrono da Academia de Letras e Artes de Cabo Frio - ALACAF, honrosa academia da qual faço parte, a academia realizará virtualmente esse movimento literário com postagens de diversos vídeos e poemas dos acadêmicos.

Hoje a programação começa com a divulgação do áudio livro de nossa antologia "ALACAF celebra Cabo Frio", disponível, a partir desta data, em todas as plataformas digitais. Clique no link do youtube, que segue abaixo, para ouvir os mais belos poemas em homenagem à cidade de Cabo Frio, de autoria de nossos acadêmicos, declamados e musicalizados pelo músico e compositor Vinícius Santa Rosa, também acadêmico da ALACAF:


domingo, 15 de março de 2020

O QUE APRENDER COM PANDEMIAS E CATÁSTROFES


Vale lembrar que em 2009 já vivemos uma pandemia, mas naquela época foi do vírus da gripe H1N1. Esse vírus é muito mais letal que o Covid-19 (Coronavirus), porém o Coronavirus propaga com muito mais facilidade e por isso acaba fazendo mais vítimas.

Para evitar contaminação, é essencial tomar os cuidados necessários, principalmente a higienização constante das mãos e cuidados ao tossir e espirrar. Mas, "tomar os cuidados" não significa viver em pânico e se afastar da convivência com outros, não significa abandonar parentes e amigos. Há pessoas que se afastam até virtualmente de outros. Nesse caso, não por medo da doença em si, mas por um certo egoísmo que lhes é intrínseco e que é potencializado no contexto de uma problemática. 

As doenças, a natureza, enfim, há muitos fatos acontecendo ultimamente que vêm para despertar nos seres maior solidariedade, união, amor uns para com outros, atenção, carinho, respeito, mas ainda assim o homem não aprende!

Dizem que Deus não desiste de nós. E é verdade. São muitos os episódios que têm acontecido em nossa história por meio dos quais podemos refletir e tentar extrair algo positivo, algo que possa nos aprimorar enquanto seres humanos. Ele realmente não desiste de nos ensinar, ainda que estes ensinamentos sejam duras e sofridas provas a que somos submetidos. Pena que nossa espécie é tão resistente ao aprimoramento espiritual...

Luciana G. Rugani

quarta-feira, 11 de março de 2020

ENTREVISTA DE ALAIR CORRÊA NO PROGRAMA DO SIDNEI MARINHO

Ontem, 10/3, Alair Corrêa deu sua primeira entrevista como pré-candidato à prefeitura de Cabo Frio no programa do Sidnei Marinho, na Litoral News.
Foi uma entrevista bem objetiva, rica de esclarecimentos pontuais sobre o lançamento da pré-candidatura, ideias e projetos para a cidade. 
Alair mostrou estar ainda mais experiente, não somente em relação a questões da administração pública, mas também em relação a opções políticas. 
Muito boa a entrevista, não deixem de assistir! Cliquem no vídeo abaixo:


Luciana G. Rugani

domingo, 8 de março de 2020

HOMENAGEM PELO DIA INTERNACIONAL DA MULHER


NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER,
PARA AS MULHERES REAIS E QUE VERDADEIRAMENTE SABEM VIVER...

Ela,
que mesmo vivendo em sociedade que preza rostos perfeitos e corpos esculturais,
em sociedade de "quanto mais jovem melhor",
em um meio onde "vale o que se tem para oferecer",
Ela,
que muitas vezes tem desprezada sua presença,
e frequentemente é quase invisível,
Ela,
que busca as respostas para suas dúvidas no silêncio amargo de corações de pedra,
a ela parabenizo!
Pois ela é a prova viva de uma beleza que transcende qualquer padrão.
Sua beleza revela-se no brilho de seu olhar amoroso,
em seu jeito discreto de enxugar a lágrima derramada,
em seu sorriso límpido, que esparge leveza única,
e em sua elegância no trato sempre gentil, despido de todo e qualquer preconceito.
Dela, o tempo é aliado
aperfeiçoou-se nele, evoluiu.
Não tem mais aquela futilidade das novinhas, que, não neguemos, alegram o ambiente,
mas apenas como borboletas passageiras, que vêm e vão.
Os anos trouxeram-lhe a maturidade.
Em seu coração moram segredos, histórias vividas, experiências que a tornam cativante e plena, segura de si!
E por isso sua presença é marcante, e dela não se esquece.
Ela não tem mais a insegurança de garotas que buscam no companheiro uma escora, uma garantia que as faz olvidar que são capazes de caminhar com seus próprios pés,
Não. Ela sabe que a ela cabe dar-se conta. Não tem medo de buscar, de capacitar-se, de enfrentar o que preciso for.
E por isso o companheiro terá dela o melhor, suas relações serão ricas, engrandecedoras, seu amor será inteiro a todo tempo, sem exigências.
Ela é mulher ciente de seu valor, de sua força capacidade. Ela é livre para ser quem é, por isso encanta multidões. Seu charme e elegância são proporcionais ao tempo que vive.
A você mulher, que, antes de mais nada, é você mesma, seja quem for, viva onde viva, a você que não se mede por outras, que não aceita perder parte preciosa de sua vida com falsos amores, que não troca o brilho de sua liberdade e de ser dona de seus passos pelo cárcere de jóias e cifrões,
A você meus parabéns no dia de hoje e em todos os dias, pois, verdadeiramente e não somente um clichê, e por você saber realmente o que seja viver, todos os dias são seus! 

- Luciana G. Rugani, 8/3/20 -

sexta-feira, 6 de março de 2020

NESTE FIM DE SEMANA, FEIRA DO LIVRO EM SÃO PEDRO DA ALDEIA!

Começou a FEIRA DO LIVRO DOUBLE!! A cada livro comprado, o leitor recebe um segundo de presente! 
Até dia 8/3, na Casa de Cultura Gabriel Joaquim dos Santos, na Praça das Águas, em SÃO PEDRO DA ALDEIA, RJ.
Eu estarei participando com meu livro "Mar de Palavras", que poderá ser encontrado na feira, na tenda da ALACAF - Academia de Letras e Artes de Cabo Frio, onde poderão ser encontrados também livros de outros autores acadêmicos.
VALE A PENA PARTICIPAR! 

Luciana Gonçalves Rugani é poetisa, mineira, porém cabo-friense de coração e por reconhecimento oficial da Câmara Municipal da cidade através do título de cidadania cabo-friense que lhe foi concedido. É membro fundadora da ALACAF - Academia de Letras e Artes de Cabo Frio. Participou de diversas antologias, entre elas a antologia “Vida em Poesia IV”, lançada por ocasião do IV Festival de Poesia de Lisboa. Possui publicado um livro de poesias e crônicas intitulado “Mar de Palavras”. É autora do blog “Cantinho das Ideias”, onde constam textos sobre temas referentes a Cabo Frio e região, poesias suas e de amigos, entre outros assuntos.

quinta-feira, 5 de março de 2020

ALAIR CORRÊA DEFINE SEU PARTIDO PARA CONCORRER À PREFEITURA DE CABO FRIO

por Luciana G. Rugani - o pré-candidato à prefeitura de Cabo Frio, Alair Corrêa, definiu o partido pelo qual disputará o pleito. O político, bastante conhecido por sua importância no desenvolvimento da cidade, razão pela qual é chamado de "o prefeito que transformou Cabo Frio" e realizou 80% de todas as obras da cidade, virá pelo Partido da Mulher Brasileira - PMB.
Deixo aqui meus parabéns a Alair por esta conquista que representa o primeiro passo da caminhada de um guerreiro, um lutador ativo como não há outro igual na cidade. Alair fez muito por Cabo Frio, a cidade tem registro de suas realizações em cada cantinho, cada local está ligado para sempre ao seu nome nessa história linda de desenvolvimento, quando ele a tornou encantadora, a mais limpa do Brasil na época, e por isso foi eleito um dos melhores prefeitos do país.
Leia abaixo o artigo de Alair:

por Alair Corrêa

"FINALMENTE DEFINIDO O PARTIDO POR ONDE DISPUTAREI A ELEIÇÃO! ONTEM ESTIVE COM MINHA FILHA CAROLINA NA SEDE NACIONAL DO PMB - PARTIDO DA MULHER BRASILEIRA - 35, ONDE FUI RECEBIDO PELOS PRESIDENTES REGIONAL E NACIONAL DO PARTIDO. APÓS DUAS PROVEITOSAS REUNIÕES, FUI COM HONRAS GUINDADO A PRÉ-CANDIDATO DO PARTIDO A PREFEITO DE CABO FRIO! Ontem também tive a oportunidade de conhecer a história do PMB e da sua criadora, a Presidente Nacional SUÊD HAIDAR! Encantei-me com sua história, após ouvi-la por mais de uma hora. Posso afirmar, meu novo partido é presidido por uma Super Mulher! Sua luta para fundar o PMB foi eletrizante, indo do céu ao "inferno" por diversas vezes, uma grande guerreira! Para fundar o partido que viria a representar todas as mulheres do nosso país, vejo-a como se fosse uma bandeirante desbravando o Brasil, pois essa mulher enfrentou as maiores raposas da politica e precisou também pisar nos muitos ratos infiltrados nos poderes. Não se curvou a parlamentares, promotores ou ministros, vencendo-os com sua causa. Derrotou a todos! E sua história me encantou ainda mais porque me vi dentro dela! Quando comecei na década de 70, também tive que enfrentar as famílias oligárquicas, os donos da cidade que nomeavam delegados, promotores e juízes, e, tendo depois conquistado meus 8 mandatos, assim também os derrotei! Com o partido agora definido, começarei a partir de hoje as conversas com aqueles que convidei para disputar uma vaga na Câmara no meu partido. Também conversarei com os cabos eleitorais e com os que participarão da organização da campanha! Dia 13 haverá uma reunião com os pré-candidatos à Câmara às 11 horas da manhã. DIA 20, UMA FESTA PELOS MEUS 50 ANOS DE VIDA PÚBLICA E LANÇAMENTO DE MINHA PRÉ-CANDIDATURA A PREFEITO COM A PRESENÇA DA PRESIDENTE NACIONAL DO PMB, SRA. SUÊD HAIDAR! Vamos fazer uma grande reunião (o local do grande encontro ainda está sendo definido)." - Alair Corrêa

quarta-feira, 4 de março de 2020

ALAIR CORRÊA EXPÕE RAZÕES DE SUA PRÉ-CANDIDATURA E IDEIAS PARA A CIDADE

Por Luciana G. Rugani - o pré-candidato Alair Corrêa fez uma postagem em seu facebook onde cita razões de sua pré-candidatura e expõe alguns de seus projetos e ideias para resolver problemas da cidade. 
Penso que sua experiência, aliada à sua ótima percepção e visão de futuro que sempre teve, fazem de Alair Corrêa o melhor nome para governar a cidade. Não vejo outro nome com esse diferencial. Como eu já disse certa vez, Alair tem um estilo político diferenciado. Na época, cheguei a chamá-lo de "o JK de nossos dias" em relação a essa coragem de fazer e visão de futuro. Cabo Frio precisa de um governante assim, uma cidade turística que infelizmente parou no tempo. Se continuar como está, acaba sendo uma cidade comum, sem diferencial no turismo. É preciso avançar, e ele é o único com capacidade comprovada para trazer este avanço. Sua história e seu perfil ousado comprovam isso. Leiam abaixo o artigo do pré-candidato:

por Alair Corrêa

"Sou pré-candidato a prefeito porque essa é a hora de enfrentar os grandes desafios que a cidade tem pela frente. Ela agoniza, pede pressa!
No ano que terminou, não tivemos um bom verão. Tudo foi muito precário na questão do turismo, e alguns de nossos maiores problemas foram o trânsito do centro para o outro lado da lagoa e a perda das areias da Praia do Forte. Isso sem falar nos problemas que já se tornaram cotidianos, como vemos na saúde, educação, pagamento de servidores e limpeza da cidade. Jamais se viu tanta tristeza nos cabo-frienses ao verem desaparecer a Praia do Forte, seu maior patrimônio. Pela primeira vez, após uma ressaca, vimos o mar acalmar, mas as areias não voltaram. Para isso, precisaremos engordar a Praia do Forte em 200 metros de areia.
Em relação ao trânsito caótico do centro para o outro lado da lagoa, esse problema poderá ser resolvido com a construção de um túnel, sob a lagoa, com 300 metros de extensão e quatro faixas. A cidade cresceu, o número de carros que cruzam a ponte aumenta a cada dia e por isso esta é outra obra que também pede pressa. O túnel acabará com esse problema.
Essa agonia e tanta precariedade em nossa cidade poderiam ter sido diminuídas com a recuperação de parte dos royalties que foram perdidos em 2015/16. De lá pra cá, houve uma melhoria de arrecadação em torno de R$100 milhões de reais a cada ano, no entanto, infelizmente esse dinheiro não se refletiu em benefícios para a população. Assim como as areias da praia que a ressaca levou, esse dinheiro foi levado por outras ondas, entre elas a inexperiência do governo. A cidade precisa de um governante disposto, corajoso e, acima de tudo, experiente! Não pode ser administrada por um amador!
Percebi que não foi por acaso que fui o prefeito que enfrentou a crise de 2015/16. Hoje sinto que foi uma missão, daquelas que, para gerenciá-las, são escolhidos os mais fortes. Foi uma missão com a qual aprendi muito, não somente como administrar em tempos de crise, mas também aprendi a suportar a dor das injúrias. Agora, muito me alegra ser capaz de assumir esta segunda missão de reorganizar a cidade. Sei que preciso promover estas mudanças rapidamente. O tempo urge e esta é minha responsabilidade! Com a arrecadação já em melhor patamar, reconstruiremos Cabo Frio. A cidade carece de uma segunda transformação, e, assim como a promovi no passado, sou capaz de fazê-la novamente. Estou pronto para mais esta missão!
Sabemos que o discurso dos adversários nessa eleição será focado na crise recente e que tentarão jogar sobre mim as dificuldades que tivemos no último governo. Mas, ocorre que, com tao grande perda de recursos, qualquer outro prefeito sofreria o que eu sofri! E a prova está aí: Marquinho e Adriano, mesmo com R$ 250 milhões a mais do que tive, não resolveram nossos problemas.
Todos conhecem e ninguém irá esquecer o que fiz nessa cidade. Rompi grandes desafios e os venci! Fazer galerias em canais, comprar 130 casas, demoli-las e construir uma nova entrada, construir uma nova ponte, sanear e pavimentar bairros inteiros, urbanizar todas as orlas e mais outras 1.000 obras, é preciso muita coragem e visão para executar tudo isso e vencer velhos desafios, e eu consegui! Este artigo é também um alerta a todos os cabo-frienses sobre os grandes desafios que temos atualmente. Jamais tivemos tantos desafios desse porte! Recuperaremos a saúde, educação, limpeza, o turismo e a situação dos servidores. Quanto ao engordamento da Praia do Forte e ao túnel de 300 metros sob a lagoa, entre o Portinho e a Avenida Wilson Mendes, que acabará com o engarrafamento do centro, não se assustem: todos os recursos virão de PPP's (Parcerias Público Privadas) ou serão financiados pelo BNDES. Toda a arrecadação da cidade (100%) será integralmente aplicada na solução de nossos já conhecidos e cotidianos problemas que não são poucos! Com essa melhora na arrecadação, reconstruiremos a cidade, retomaremos seu desenvolvimento e ela voltará a ter paz e alegria! Respeito os adversários que disputarão comigo, mas não vejo neles experiência, coragem e vocação para tão ambiciosos projetos! Se anos atrás consegui transformar a cidade, repito, agora a transformarei novamente!". - Alair Corrêa

terça-feira, 3 de março de 2020

CONTINUANDO A SÉRIE DE POSTAGENS SOBRE "PSICOPATAS" - PSICOPATAS DE COLARINHO BRANCO

por Luciana G. Rugani - Continuando a série de postagens sobre "Psicopatas" que tenho aqui no blog, hoje trago mais um texto excelente e explicativo sobre este transtorno de personalidade tão comum em nossa sociedade e ainda tão desconhecido por muitas pessoas. Os psicopatas nem sempre se revelam por meio de comportamentos violentos. Aliás, em sua grande maioria, não possuem atitudes violentas, razão pela qual podemos conviver diariamente com um psicopata e não reconhecê-lo. Daí a importância de lermos sobre o assunto
Há textos muito esclarecedores na internet. O texto abaixo é um deles e detalha características de um psicopata e suas similaridades com o perfil de políticos corruptos. Dezenas de vezes que buscarmos este assunto e lermos estes textos ainda serão poucas para nos protegermos de suas armadilhas mentais. Segue abaixo:


POLÍTICO CORRUPTO PODE SER UM PSICOPATA. SERÁ QUE VOCÊ IDENTIFICA ALGUM?
por Bia Souza

Psicopatas ou sociopatas têm como característica a falta de empatia com as vítimas, insensibilidade, a falta de remorso e a frieza para agir. Mas nem sempre eles se personificam como um assassino cruel, como se fossem um Coringa ou Hannibal. Ao contrário, eles podem ser "gente como a gente" e estar no seu trabalho, na sua vizinhança, no seu círculo social e até ter conseguido o seu voto nas eleições.

Os estudiosos chamam de "psicopatas de colarinho branco", os psicopatas que têm atitudes destrutivas, mas não letais. "Há um mito nessa associação ao serial killer. Os seriados e os filmes criaram a caricatura do psicopata violento. Existem psicopatas que são pessoas destrutivas de forma indireta, desorganizam os ambientes, constroem prédios com material de baixa qualidade e até fazem investimentos de alto risco, por exemplo. Podem ser empresários, políticos corruptos ou indivíduos comuns", diz o médico Antonio de Pádua Serafim, coordenador do núcleo forense do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

No mundo corporativo também pode haver psicopatas. Ele pode ser um chefe cruel e insensível, disposto a caluniar e fazer intrigas para tirar qualquer um do seu caminho, segundo o psiquiatra Sergio Hototian, do Hospital Sírio-Libanês. "Esses indivíduos percebem como as pessoas a sua volta funcionam. Aprendem as características pessoais e as utilizam para destruir o que estiver atrapalhando seus objetivos. Ele percebe as tristezas e fragilidades, diz o que o outro quer ouvir, presenteia e manipula para conseguir o que quer."

Estima-se que de 1% a 3% da população mundial seja psicopata.

Os psicopatas sofrem do que alguns médicos chamam de "sensibilidade ao tédio", precisam de estímulos constantes e da sensação de experimentar coisas novas. Essa necessidade unida a falta de empatia faz o comportamento parecer "normal" à primeira vista. "Às vezes parece que o psicopata está ligado a outra pessoa, mas ele tem um egocentrismo patológico, todas as ligações pessoais e as familiares são para benefício próprio. Essas pessoas não sentem remorso e culpam os outros pela sua atitude. É comum ouvir justificativas como: 'eu o agredi porque ele me provocou'", diz Serafim.

A psicopatia e a sociopatia são vistas pelos especialistas como sinônimos que representam a mesma condição mental chamada transtorno de personalidade antissocial ou dissocial. Mas para Hototian psicopatia não é doença. "É algo intratável. É um traço de personalidade que faz o indivíduo tentar destruir o outro social ou profissionalmente por prazer. Já o antissocial (sociopata) sofre de uma doença tratável. O que ele tem são limitações de comportamento que embora o levem a prejudicar os outros também o prejudicam e podem causar depressão, angustia e dependência química."

O diagnóstico destas condições é bastante complexo e é feito a partir da história do indivíduo, incluindo comportamentos da infância, da observação de como se apresenta, pensa, interpreta e se relaciona atualmente com os outros. Assim características como irritabilidade, impulsividade, falta de remorso e irresponsabilidade podem ser separadas de mudanças de humor corriqueiras. Os médicos também utilizam questionários padronizados que visam traçar as características de personalidade mais marcantes de cada um.

Entenda a psicopatia

1)Psicopatas não têm emoções?

Os psicopatas têm emoções. A diferença é que não há empatia. O interesse que eles têm nos sentimentos alheios é apenas para ter proveito próprio. Também não existe resposta fisiológica aos sentimentos. As emoções provocam reações como vermelhidão no rosto, palidez e tremores. Os psicopatas não têm esse tipo de reação, embora o cérebro ative as emoções que o corpo não demonstra. Isso é o que conhecemos como frieza emocional.
compartilhar

2) O psicopata tem sempre o mesmo comportamento?

Não exatamente. Existe uma variedade na forma de demonstrar a psicopatia. Alguns são mais violentos, outros mais silenciosos e metódicos.
compartilhar

3) Nasce psicopata ou torna-se psicopata?

Essa é uma pergunta que ainda está em estudo na ciência. Os especialistas encontraram indivíduos que demonstram características de psicopatia ainda crianças e outros onde o diagnóstico só foi perceptível na vida adulta.
compartilhar

4) Psicopatia não tem cura?

O psicopata não possui empatia, que é uma condição adquirida ao logo da vida. Não existe um remédio que possa evitar ou interromper isso.
compartilhar

5) Por que vilões do cinema ganham a simpatia do público?

Segundo os especialistas, a capacidade que essas personagens têm de agir com cautela e frieza para conquistarem seus objetivos é admirada pelo público. "Esses personagens possuem algo em comum: uma justificativa para cometerem seus atos condenáveis. Isso contribui em certo grau para que o espectador tenha menor desejo de punição e maior vontade de justiça com eles", afirma Ricardo Jonathan Feldman, psiquiatra do Hospital Israelita Albert Einstein. Para Serafim os vilões também despertam curiosidades internas nos fãs. "Aquela conduta leva as pessoas a se questionarem. Será que eu sou capaz disso? Será que todo mundo é capaz disso? Será que eu tenho esse potencial destrutivo também? Ele faz o espectador pensar até onde o comportamento humano pode chegar."

Político corrupto pode ser um psicopata. Será que você identifica algum? iStock Imagem: iStock Bia Souza Do UOL, em São Paulo 21/12/2015 06h00 Psicopatas ou sociopatas têm como característica a falta de empatia com as vítimas, insensibilidade, a falta de remorso e a frieza para agir. Mas nem sempre eles se personificam como um assassino cruel, como se fossem um Coringa ou Hannibal. Ao contrário, eles podem ser "gente como a gente" e estar no seu trabalho, na sua vizinhança, no seu círculo social e até ter conseguido o seu voto nas eleições. Os estudiosos chamam de "psicopatas de colarinho branco", os psicopatas que têm atitudes destrutivas, mas não letais. "Há um m... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/listas/politico-corrupto-pode-ser-um-psicopata-sera-que-voce-conhece-algum.htm?cmpid=copiaecola
Político corrupto pode ser um psicopata. Será que você identifica algum? iStock Imagem: iStock Bia Souza Do UOL, em São Paulo 21/12/2015 06h00 Psicopatas ou sociopatas têm como característica a falta de empatia com as vítimas, insensibilidade, a falta de remorso e a frieza para agir. Mas nem sempre eles se personificam como um assassino cruel, como se fossem um Coringa ou Hannibal. Ao contrário, eles podem ser "gente como a gente" e estar no seu trabalho, na sua vizinhança, no seu círculo social e até ter conseguido o seu voto nas eleições. Os estudiosos chamam de "psicopatas de colarinho branco", os psicopatas que têm atitudes destrutivas, mas não letais. "Há um m... - Veja mais em https://noticias.uol.com.br/saude/listas/politico-corrupto-pode-ser-um-psicopata-sera-que-voce-conhece-algum.htm?cmpid=copiaecola

domingo, 1 de março de 2020

ÁUDIO LIVRO "MAR DE PALAVRAS" - MEUS MELHORES POEMAS NA VOZ DE VINÍCIUS SANTA ROSA

Conforme anunciei aqui nos últimos dias, já está disponível meu áudio livro "Mar de Palavras" nas mais variadas plataformas digitais. 
O áudio livro contém 30 trilhas selecionadas entre os melhores poemas do livro e uma trilha de abertura, todas na voz do editor, o músico Vinicius Santa Rosa. Pode ser buscado e ouvido nas mais variadas plataformas digitais. Para ouvir, escolha uma das elencadas abaixo e clique para ouvir:






Luciana G. Rugani

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020

PALAVRAS DE VINÍCIUS SANTA ROSA - EDITOR DO ÁUDIO LIVRO "MAR DE PALAVRAS"

Conforme anunciei, no próximo dia 1° de março estará disponível, em todas as plataformas digitais, meu áudio livro "Mar de Palavras". 
Segue o vídeo com as palavras do editor, o grande músico e compositor Vinícius Santa Rosa
Assistam para conhecer um pouco mais sobre este trabalho:

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

CONTOS MENTIROSOS Nº 08 - POR ROSANA ANDRÉIA



A escritora cabo-friense Rosana Andréia é autora dos "Contos Mentirosos", uma série de contos que já está na sua 9ª edição. São minicontos que aguçam nossa imaginação, como pinceladas que estimulam nosso pensar.

Viajando nas poucas palavras que contêm, vamos imaginando o cenário em todos seus detalhes e o conto vai sendo retratado em nossa mente como uma pequena cena de novela. Há ainda aqueles contos que deixam algo no ar e nós ficamos a criar possíveis finais para suas histórias. Posso dizer que são contos instigantes!

A apresentação em si, com fundo claro de cores diversas, mas sempre com uma bela rosa vermelha ao lado, já desperta em nós aquela vontade de saber do que se trata: "o que tem a  nos dizer esta bela rosa vermelha?" Talvez por simbolizar o amor apaixonado, a rosa vermelha nos convida a desvendar seus mistérios e segredos através das palavras do conto. As cores claras e sempre variadas de fundo aguçam nossa curiosidade, como se fosse a chamada para uma nova notícia.

Este conto nº 8, em especial, muito me encantou pois a inspiração veio de uma foto minha, um doce presente de Rosana que guardarei com muito carinho aqui em meu blog. Muito obrigada, amiga escritora! Parabéns por sua rica criatividade e capacidade de, com poucas palavras, conseguir despertar a curiosidade e gosto pela leitura, e por fazer brotar, em cada um de nós, seus leitores, aquela semente de fantasia e imaginação que são o ingrediente básico para a criatividade dos escritores e poetas.

Conheçam os "Contos Mentirosos" de Rosana Andréia em suas redes sociais:

Instagram: https://instagram.com/contosmentirosos1967?igshid=g68s1t2fjfp1
Facebook: https://www.facebook.com/rosana.soares.18847
 

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020

ESCRITORA FERNANDA MELLO FALA SOBRE "SER QUEM SOMOS"

Esta sou eu, e este texto de Fernanda Mello falou tudo sobre meu ser!

"Não peça desculpas por ser inteligente. Divertida. Atrevida. Por pensar lá na frente. Por ser quem você é. Por suas tatuagens. Maquiagens. E cortes de cabelo… Não se culpe (nunca!) por seus acertos. Tentativas. Sua força. Sua autenticidade. Suas amenidades e batons vermelhos…
Não peça desculpas por lutar pelos seus sonhos. Por honrar suas palavras. Suas vontades. E seus desejos. Por ser DEMAIS em um mundo que espera MENOS - muito menos! - de uma mulher. E, sobretudo, não peça desculpas (nem sinta medo!) por dizer o que sente. Em tempos camufladamente modernos, SER QUEM SOMOS é o maior ato de coragem (e de amor próprio) que podemos fazer por nós mesmas.
Seja! Inspire-se.
Encoraje outra mulher a encontrar sua força. Juntas podemos fazer - quem sabe? - alguma diferença nessa coisa louca que chamam de vida". (Autora: Fernanda Mello)

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

AUDIOLIVRO "MAR DE PALAVRAS" - BREVE LANÇAMENTO

O audiolivro "Mar de Palavras" vem aí! 
A partir do dia 1º de março, estará disponível em todas as plataformas digitais.
São minhas mais lindas poesias na voz e trilha sonora de Vinicius Santa Rosa
Não percam!

Cliquem no vídeo para conhecer:


POR ALAIR CORRÊA: SAIBAM POR QUE SOU PRÉ-CANDIDATO A PREFEITO DE CABO FRIO


por Alair Corrêa

SAIBAM POR QUE SOU PRÉ-CANDIDATO A PREFEITO DE CABO FRIO!

Já se passaram quatro anos da pior crise financeira do país, aquela que fez nosso povo sofrer tanto! Em 2015/2016, devido à crise nacional, tivemos a queda do petróleo. Caímos de R$30 milhões-mês para apenas R$5/6 milhões-mês. Vimos então o céu desabar sobre nosso povo e cidade. Foram os nossos piores dias! Mas, observando os anos seguintes dos governos MM e ADRIANO, premiados com a volta de parte do petróleo tirado da gente e, apesar disso, sem terem conseguido equilibrar as finanças das cidade, RESOLVI LANÇAR MEU NOME! Do meu governo para cá, os royalties que recebíamos no valor de R$5/6 milhões-mês, já estão hoje, ano de 2020, em quase R$20 milhões-mês! Analisando os nomes surgidos como pré-candidatos a prefeito para 2020, concluí serem bons, mas também inexperientes. É verdade que entre eles há o Bonifácio e Dirlei, com anos de politica, mas, assim como os demais, jamais administraram uma empresa em crise, quiçá uma cidade! Por isso concluí: PRECISO VOLTAR! A cidade está sem vida, sem alegria. Comércio vazio, ambulantes sem turistas para atender. O jovem, antes sonhador, agora vive na desesperança. A cidade progressista agoniza! Em 2016, arrecadamos menos R$250 milhões, não tive como administrar! Os críticos, ao invés de focarem naqueles que assaltaram a Petrobrás, preferiram me fazer culpado! Agora, muito mais experiente pela crise que enfrentei e com a arrecadação mais estabilizada, preciso voltar para administrar a cidade! SOU PRÉ-CANDIDATO A PREFEITO, A CIDADE PRECISA DE MINHA EXPERIÊNCIA!

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

ANTIGO "PROGRAMA PANORAMA" - O SAL E SUA IMPORTÂNCIA NA HISTÓRIA DE CABO FRIO

Prosseguindo na postagem dos episódios do antigo Programa Panorama, da Lagos TV, hoje vamos conhecer um pouco mais a história do sal em nossa cidade.

A indústria salineira é parte relevante no desenvolvimento de Cabo Frio e já foi a principal atividade econômica da cidade. Os moinhos de vento, utilizados na atividade, são hoje como símbolos da região.

Estes episódios do antigo Programa Panorama nos trazem excelentes entrevistas, sempre muito ricas em informações. É difícil dizer qual deles é o melhor, aliás, não há melhor entre eles, pois todos são muito instrutivos, cada um dentro de seu próprio tema.

Aproveitando o tema do sal, gostaria de aproveitar para dizer, mais uma vez, que seria uma grande conquista para nossa cidade a organização de um "Museu do Sal". Um ambiente decorado com objetos da época, como os moinhos, por exemplo, retratando todas as etapas da atividade salineira, desde a sua extração até a saída para exportação, inclusive as atividades periféricas que eram empreendidas ao redor das etapas principais da atividade, como o trabalho dos garotos que participavam da contagem do sal, por exemplo. Seria muito interessante para a cidade e toda a Região dos Lagos esta conquista. Um museu vivo, com espaço para palestras, apresentações culturais, saraus de poesia, tendo como foco manter viva essa parte tão importante de nossa história.

Já registrei essa sugestão há um tempo aqui no blog, quando escrevi sobre a importância de preservarmos os galpões de sal da cidade, discussão que volta à tona atualmente.

Cliquem no vídeo abaixo para assistir. Vale a pena!!

sábado, 8 de fevereiro de 2020

EX-PREFEITO ALAIR CORRÊA DESMENTE AFIRMAÇÃO DO VICE-PREFEITO SOBRE ROYALTIES

O ex-prefeito Alair Corrêa comentou hoje em postagem minha confirmando que todos os prefeitos, depois de 1987, governaram com royalties, desmentindo o que vem dizendo em entrevistas o vice-prefeito:

terça-feira, 4 de fevereiro de 2020

ENTREVISTA DE ALAIR CORREA NO JORNAL ATITUDE NEWS

O entrevistado de hoje no programa de Helder Almeida, no Jornal Atitude News, foi o ex-prefeito e pré-candidato à prefeitura de Cabo Frio, Alair Corrêa.

Helder Almeida conduziu muito bem a entrevista! Considerando o cabedal de experiências do entrevistado, fez perguntas inteligentes analisando os fatos de forma a compreendê-los em toda sua extensão no tempo, ou seja, trazendo para os ouvintes os contextos passados que tanto nos auxiliam a enxergar melhor o presente.

Alair Corrêa falou sobre o porquê de sua pré-candidatura, sobre as razões e soluções para os mais variados problemas vivenciados hoje, não só por Cabo Frio, mas por toda a região. 

Falou sobre sua história política e sua vida de mandatos, iniciada há 50 anos como vereador, e sobre o trabalho que realizou enquanto prefeito em seus quatro mandatos, como também como deputado estadual por dois mandatos, período em que foi responsável pela conquista de muitos benefícios para toda a Região dos Lagos, como, por exemplo, água, luz e vias de acesso à região.

Como sempre costumam ser as entrevistas de Alair, devido à sua experiência como administrador e a seu alto grau de conhecimento da região, foi mais uma entrevista rica de informações, história e conhecimento.

Cliquem no vídeo abaixo para assistir:

CORONELISMO: PRÁTICAS SOCIAIS AINDA VIGENTES NA REPÚBLICA BRASILEIRA

Alguns trechos do estudo sobre "Coronelismo: práticas sociais ainda vigentes na república brasileira"


Por: Sheila de Sousa Teodosio¹, Andressa Gregorio de Oliveira², Raissa Araujo de Sousa Rodrigues

Resumo: O artigo consiste em uma breve análise sobre o surgimento do coronelismo e sua perpetuação nos dias de hoje, tem o intuito também de analisar a atual sociedade e mostrar que as práticas governistas se perpetuam durante séculos. E isso só foi possível perceber depois de uma longa pesquisa bibliográfica e ocular da atual realidade, analisando quantas críticas são feitas aos antigos sistemas, sendo que esses sistemas permanecem, porém com nomenclaturas diferentes. Hoje se vivencia uma forma de coronelismo mascarada, onde o povo não tem direito a opinar sobre nada. Os homens são os responsáveis pelas transformações de cada contexto histórico, porém não se verifica mudanças nas questões políticas, elas são enviesadas e direcionadas de outra maneira para que a ideologia dominante se perpetue e a subordinação do homem prevaleça. Essa ideologia não permite que o povo tenha uma visão de totalidade da realidade, e sim uma visão unilateral, de conformidade, na qual os direitos do povo não são de fato garantidos e sim “prestados” a eles como simples favores.


CORONELISMO: PRÁTICAS SOCIAIS AINDA VIGENTES NA REPÚBLICA BRASILEIRA

O coronelismo foi uma forma de poder que ficou conhecido pelo seu autoritarismo e sua opressão exercidos por chefes políticos diretamente ligados ao meio rural, modelo que se verificou em todo o país, mas em especial no Nordeste. No campo político brasileiro, notadamente durante a República Velha, compunham um modelo oligárquico de manutenção de poder onde nos Estados os coronéis garantiam a perpetuação do mesmo grupo político no controle do governo estadual e estes mantinham nos municípios sempre alguém ligado ao “coronel” mais poderoso.

Durante a República Velha a prática de fraudes eleitorais não se constituía uma exceção à regra, era a própria regra. Como na época não existia uma Justiça Eleitoral, o poder Decisório sobre os resultados oficiais das eleições concentrava-se na Comissão de Verificação de Poderes. Toda a estrutura eleitoral foi planejada no sentido de que os candidatos oficiais vencessem as eleições, e para que isso acontecesse eles tinham o apoio dos coronéis.

Como o passar das décadas mudavam-se os nomes dos sistemas políticos, mas mantem os mesmos interesses: a estrutura continua. Na atualidade a forma de coronelismo está aí, escondida nas sombras da palavra democracia. Sistema democrático que de fato não existe.

O SURGIMENTO DO CORONELISMO NO BRASIL

O coronelismo está presente na história do Brasil desde os primórdios de sua colonização, porém de forma inconsciente, um exemplo disso foram às capitanias hereditárias, onde a Coroa Portuguesa dividiu o país em grandes lotes de terras e as entregou as pessoas de melhores condições econômicas: os donatários. A eles eram dado total poder dentro da capitania. “Com a morte do donatário, a administração da capitania passava para seus descendentes” (COTRIM, 1999, p.60).
Só no Império é que o coronelismo veio tornar-se realidade, porém foi na República Velha  (1889 – 1930) que o coronelismo se consolidou, tornando-se um sistema político caracterizado pelo enorme poder concentrado nas mãos de um poderoso local (latifundiário, fazendeiro, senhor de engenho), pessoas com grande poder aquisitivo. É bom ressaltar que esse sistema tinha como figura central o coronel, é importante também explicar como surgiu essa figura.

Surgiu com a formação da Guarda Nacional, criada em 1831 (...). A “guarda burguesa” era uma milícia civil que representava o poder armado dos proprietários que passaram a patrulhar as ruas e estradas em substituição às forças tradicionais, derrubadas pelos revolucionários. Para ser integrante dela era preciso pois ser alguém de posses, que tivesse recursos para assumir os custos com o uniforme e as armas necessárias (200 mil réis de renda anual nas cidades e 100 mil réis no campo) (SHILLING, 2012, s/p).

Os postos militares foram colocados à venda, e só quem tinha poder aquisitivo para comprar os títulos militares eram os grandes proprietários de terras, por dispor de favoráveis condições econômicas, então com todo esse aparato de título, poder, dinheiro e influência era mais fácil tornar os trabalhadores seus dependentes.

O coronelismo era um sistema politico marcado pelo autoritarismo por parte dos coronéis, e pela subordinação dos trabalhadores e de todo povo que ali vivia, recebiam salários ínfimos e eram submetidos a péssimas condições de trabalhos. Vale ressaltar que os trabalhadores viviam dentro das propriedades dos coronéis, e “dependiam de ‘favores’ como: algum dinheiro extra, auxílio para educação dos filhos, socorro na hora da doença, etc.” (COTRIM,  1999, p.268).

Além dessa função política, o coronel apresentava uma paternalista e clientelista atuação social: ele era o padrinho, o compadre, a pessoa que mandava soltar e prender, arrumava casamentos, promovia festas, acomodando criminosos, dando terras aos agregados que viviam em suas fazendas, protegendo-os da polícia e auxiliando – os em qualquer necessidades, da cura de doenças à redação de uma simples carta. Arrogante, exigia dos submissos obediência absoluta, prestação de serviços, participação nos grupos de jagunços para disputar a liderança de uma localidade com outros coronéis (FARIAS, 1997, p.123).

Os coronéis concediam esses “favores”, mas queriam em troca que todos que estavam sob seu domínio votassem nos políticos que eles apoiavam. Quem negasse essa troca, era sujeito à violência, repreendido e perdiam os benefícios dos favores. O voto dado sobre pressão ficou conhecido como voto de cabresto, e nesse período o voto era aberto, por isso os coronéis tinham como saber quem tinha obedecido a suas ordens, e quem fazia essa fiscalização eram seus jagunços.

Na realidade, à época, “as eleições eram feitas a bico de pena, o que quer dizer, com votos a descobertos, sem cabine indevassável, de forma que o sistema de coação era absolutamente legal, afirmando-se com beleza excepcional a jurisprudência pacífica, a certeza de que o governo não perde eleição” (PONTES apud MACEDO, 1998, p.39).

Esse sistema de votação facilitou a perpetuação de uma só família no poder, dando origem à política das oligarquias, que segundo o dicionário eletrônico mini Aurélio é uma forma de governo na qual um pequeno grupo de pessoas detém o poder.

Um dos elementos essenciais para o funcionamento do sistema oligárquico da Primeira República foi à relação entre o poder local e o poder regional, isto é, entre os coronéis e as oligarquias. A fonte de poder dos coronéis se originava no latifúndio e na liderança de uma vasta clientela e parentes diretos ou indiretos, enlaçados por empregos e favores. Assim, os coronéis garantiam a chefia politica local e/ou regional e a capacidade de mobilização de correligionários, sobretudo para definir os resultados das eleições (MORAES, 2005, p.293).

Além da grande influência política/econômica os coronéis eram os patrões, os padrinhos, e chefes da segurança, e até na religião tinha suas influências e vice-versa, no Ceará até padre era coronel. Como nessa época o catolicismo era a religião predominante às pessoas davam muita credibilidade aos representantes do clero, para esse caso específico onde o padre era coronel, era mais fácil conseguir adeptos, como também era mais forte sua influência sobre as pessoas daquela região, pois para eles não era um coronel que ditava, mas sim um enviado de Deus que lhes guiavam.

O poder desses coronéis na sua região era tão forte que, eram eles próprios que faziam a segurança de sua região, por isso nessa época era muito alta a criminalidade, pois eram eles que organizavam a defesa e o ataque, como também defendiam com “unha e dentes” seus espaços.No Cariri, a autocracia, base da autoridade sócio-política dos coronéis, atingiu “todas as esferas do poder”. Agiam eles quais árbitros supremos sobre tudo e sobre todos. Indicavam nomes ao governo para o preenchimento dos cargos e exigiam demissão de juiz, promotor e delegado, sendo prontamente atendidos (MACEDO, 1998, p.38).

Foi uma época de muita manipulação, medo e exploração, esses homens que além de alto poder aquisitivo, também tinham liberdade de estabelecer qualquer regra, eram o padre, o patrão e o juiz, exploravam o quanto podia do povo e ainda lhes impunham medo. As oligarquias que eles ajudaram a forma era outra forma de ter o controle daquele povo, e uma forma das famílias que já detinha poder aquisitivo acumular mais e mais.

Esse foi mais um sistema que explorava, oprimia e controlava a vida daquela população, se aproveitando das condições concretas de existência daquele povo, que na maioria das vezes já era tão sofridos por causa das condições climáticas e pela falta de assistência, pois eram os coronéis quem faziam o papel do estado, porém de forma muito precária e ameaçadora, e em troca queria a fidelidade daqueles trabalhadores, de seus parentes e de todos os habitantes do município e região que ele controlava.

A FORÇA DO CORONELISMO NA ATUALIDADE

Imagina-se que o coronelismo é coisa do passado, porque hoje se vive em um sistema político com um novo nome, mas esse novo sistema é uma forma mascarada de coronelismo. Esse sistema é a democracia, que segundo o dicionário eletrônico mini Aurélio é uma doutrina ou regime político baseado nos princípios da soberania popular e da distribuição equitativa do poder. Mas até que ponto hoje essa democracia existe?

A democracia, ela está aí, como se fosse uma espécie de santa no altar, de quem já não se espera milagres, mas que está aí como referência. E não se repara que a democracia em que vivemos é uma democracia sequestrada, condicionada, amputada. O poder do cidadão, o poder de cada um de nós, limita-se, na esfera política, a tirar um governo de que não se gosta e a pôr outro de que talvez venha a se gostar. Nada mais. Mas as grandes decisões são tomadas em uma outra grande esfera e todos sabemos qual é. As grandes organizações financeiras internacionais, os FMIs, a Organização Mundial do Comércio, os bancos mundiais. Nenhum desses organismos é democrático. E, portanto, como falar em democracia se aqueles que efetivamente governam o mundo não são eleitos democraticamente pelo povo? Quem é que escolhe os representantes dos países nessas organizações? Onde está então a democracia? (SARAMAGO, 2007, s/p).

Diante disso pode-se perceber que o atual regime político é imposto de cima para baixo, onde o povo não tem autonomia sobre as decisões que regem a República brasileira. Dessa forma, percebe-se que esse sistema dito democrático não passa de antigas regras impostas pelo sistema coronelista, de forma mascarada.

O que é colocado hoje nesse novo sistema não diverge do que era imposto na República Velha, continuam as formas de autoritarismo, a repressão aos adversários políticos, o abuso do poder. A diferença que se encontra entre os dois sistemas é na forma de escolher seus representantes, no primeiro sistema o voto é aberto e restrito (só quem podia votar eram homens maiores de 21 anos, alfabetizados e de boas condições econômicas), no segundo sistema a forma do voto é secreto, livre e democrático. Essa forma restrita do voto acaba por privilegiar os representantes escolhidos pela classe dominante. “Como já diria Campos (2008, p.82): os governos ditatoriais são sempre centralizadores, formando um Estado unitário, no qual os governantes das províncias ou estado são nomeados, não tendo, portanto, de passar pelo crivo da vontade popular expressa através do voto livre”. 

Muda-se o sistema de votação, porém, as práticas continuam as mesmas. A prestação dos “favores” permanece principalmente nas cidades interioranas, onde essa forma de coronelismo é mais acentuada, pois os indivíduos não veem as políticas públicas como direito e sim como favores oferecidos pelos representantes aos quais elegeram.

Essas práticas de “favores” se dão pelas péssimas condições concretas da classe menos favorecida, onde não se encontram assistidos por políticas públicas que lhes deem o mínimo de condições para sobrevivência. Muitas vezes se submetem a vender seu voto em troca de consultas médicas, medicação, ajudas na burocratização de documentos, cestas básicas, facilitação no andamento de alguns projetos e a viabilização de carros pipas, entre muitas outras coisas. A questão é que todos esses direitos já deviam ser garantidos pelo Estado, mas como não são oferecidos e quando são é de péssima qualidade, os governantes se aproveitam das necessidades do povo e proporcionam esses direitos, porém como se fossem favores.

Os indivíduos que constituem a classe dominante possuem, entre outras coisas, uma consciência, e é em consequência disso que pensam; na medida em que dominam enquanto classe e determinam uma época histórica em toda sua extensão, é lógico que esses indivíduos dominem em todos os sentidos, que tenham, entre outras, uma posição dominante como seres pensantes, como produtores de ideias, que regulamentem a produção e a distribuição dos pensamentos de sua época: as ideias são, portanto, as ideias dominantes de sua época (OLIVEIRA; QUINTANEIRO apud MARX, 2009, p.41).

A consciência da classe dominante rege as regras da sociedade, que impedem a formação da consciência política das classes menos favorecidas, isso permite a perpetuação das ideologias dominantes e das desigualdades sociais de classe. Com o passar do tempo ás praticas da politica do coronelismo são reformuladas e surgem com uma nova forma, aparentando sempre um novo modelo político. Essa nova forma chama-se democracia moderna, porém na prática ela não existe, pois o povo não tem direito a essa soberania pregada pela democracia moderna, porque os detentores do poder da atualidade só mudaram de títulos de coronéis para empresários, mas as práticas políticas não se divergem, só são impostas de forma mais velada.

Uma das práticas políticas do coronelismo era a sucessão do poder de forma hereditária, na qual uma família se perpetuava durante décadas na política, hoje se observa que essa pratica é extremamente atuante. Políticos encontram formas para permanecerem no poder lançando seus filhos, parentes próximos, ou fazem acordos políticos com outro candidato para terem uma rotatividade no poder. Ora candidato A, ora candidato B e vice versa. Um apoiando o outro, de forma que continua as oligarquias do sistema coronelista.

À parte dos males da época atual, temos que suportar uma larga série de males hereditários provenientes da sobrevivência de modos de produção superados, com as consequências das relações politicas e sociais anacrônicas que engendra. Não só temos que sofrer com os vivos mas, além disso, com os mortos (Idem, p.40).

Com a implantação desse monopólio politico, os governantes se veem no direito de subordinar os funcionários públicos, principalmente os temporários ditando suas regras e implantando sua maneira de governar a região. Sem estarem preocupados como o bem estar do povo. Isso se dar pela falta de legitimidade do sistema de votação, e pela forma alienada que a maior parte da população vive, forma essa que vem sendo imposta desde os primórdios, e que em momento algum nem um sistema político quis mudar, porque é mais cômodo para a classe dominante que os dominados aceite o que é imposto sem interrogar e criticar.

Na administração política das cidades interioranas, verifica-se a opressão que os trabalhadores e o povo sofrem em ter que obedecer e fazer serviços a mandado dos governantes da gestão. Os funcionários públicos submetem-se a comprar votos, assistir palestras (para dar impressão de que existe muita gente no tal evento), fazer horas extras de trabalho sem remuneração e ainda há precariedade muitas vezes nos ambientes de trabalho.

As condições da classe trabalhadora ainda continuam precárias. Não existe interesse em melhorar saúde, educação e saneamento básico. O importante é o paisagismo onde a cidade muda de cor e forma, perdendo todas as suas bases históricas para dar lugar ao moderno e ao bonito. Os governantes se apropriam dessa lógica para dar a impressão (porém falsa) de que a cidade se encontra em melhores condições e a população tem mais lugares para o lazer, diversão, um exemplo claro de tudo isso é a política do pão e circo, onde os políticos promovem eventos para a população trazendo bandas renomadas, para passar a impressão de que está dando o melhor de si na sua gestão.

Essa ideologia dos governadores estar arraigada na classe trabalhadora onde se tem a leve impressão de que os eleitos estão fazendo algo para a melhoria da população. O mais importante é fazer belas construções, e enquanto isso a saúde está as margens do pauperismo, não tendo muitas vezes, médicos plantonistas, remédios e capacidade para atender toda a população. A classe dominante tem uma ideologia de manipulação do povo, na qual não querem que essas práticas mudem, mas sim que se perpetuem, para atender as suas necessidades politicas, econômicas e sociais.

As oligarquias na atualidade, trás tanto prejuízo para a classe trabalhadora como na República Velha, pois os detentores do poder além de serem os governantes, são também os donos das empresas, com isso quem se coloca contra um político vai ter dificuldade de conseguir emprego até na indústria, pois ainda hoje há repressão contra o trabalhador, ele tem que aceitar o que lhe é imposto sem hesitar, por que do contrário serão excluídos do mercado de trabalho naquela região e localidades vizinhas. Aí fica a pergunta “é admissível, hoje, de qualquer ponto de vista, que alguém viva do trabalho alheio? É justificável, hoje, a exploração do homem pelo homem?” (LESSA; TONET, 2008, p.11).

Na sociedade atual, quem busca seus direitos e se coloca contra as regras do poder vigente, são chamados de baderneiros, revolucionários, alcunha pejorativas na sociedade contemporânea, tudo isso porque essa sociedade é moldada para que todos obedeçam às regras, e quando alguém se diferencia indo contra o que é imposto pelo sistema atual é reprimido e excluído.

MUDARAM OS SISTEMAS POLÍTICOS, MAS NÃO AS PRÁTICAS

Desde a colonização até os tempos modernos a República do Brasil teve vários sistemas políticos com diversas nomenclaturas, porém as práticas de exploração e alienação ao trabalhador permaneceram nesses diversos sistemas, e a prática política que mais se perpetuou foi o coronelismo, onde é feito uso do poder para explorar cada vez mais.

Atualmente o sistema político vigente no Brasil é a democracia, que se diz ser a forma de política mais justa e igualitária, porém é só uma nova nomenclatura que encontraram para iludir a população e continuarem praticando o coronelismo, sem que o povo perceba.

Pois que democracia é essa que a população não é consultada para saber o que está lhe desagradando e onde deve haver mudança? Que democracia é essa que o trabalhador que se colocar contra o poder vigente perde o emprego? Que democracia é essa que os governantes ditam suas regras e não aceitam a opinião do trabalhador? Que democracia é essa que quando os trabalhadores se reúnem em um ato de protesto são duramente reprimidos?

Essa soberania popular não existe, o que se tem é a imposição dos atuais governantes, na qual eles não estão nem um pouco preocupados com o que pensam e necessitam a grande maioria, mas sim o que pensam e necessitam a classe burguesa, pois eles são membros dessa classe, então favorecendo ela estão se favorecendo. Essa é a falsa democracia, onde os trabalhadores são explorados, reprimidos, e tem seus direitos negados, onde a classe dominante se aproveita do poder para ditar suas ordens.

Então o que se tem hoje são as práticas coronelistas de forma moderna, onde as classes menos favorecidas são privadas do conhecimento de forma proposital, pois sem conhecimento não se pode lutar pelo que é seu de direito, e os poucos que tem conhecimento desses direitos e lutam por eles são altamente reprimidos, como antes era feito com o povo que não cumpriam as ordens dos coronéis.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

CAMPOS, Nélson. História do Ceará. Fortaleza: Smile Editorial, 2008;
COTRIM, Gilberto. História do Brasil: um olhar crítico. São Paulo: Editora Saraiva, 1999;
FARIAS, Aírton. História do Ceará: dos índios a geração cambeba. Fortaleza: Tropical Editora,1997;
LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução à Filosofia de Marx. São Paulo: Editora Expressão
Popular, 2008;
MACEDO, Joaryvar. Império do Bacamarte. Fortaleza: UFC – Casa de José de Alencar Programa
Editorial, 1998;
MORAES, José G. V. de. História Geral e Brasil. São Paulo: Atual Editora, 2005;
OLIVEIRA, Márcia G. M. de; QUINTANEIRO, Tânia. Karl Marx. In: QUINTANEIRO, Tânia;
BARBOSA, Maria L. de O.; OLIVEIRA, Márcia G. M. de. In Um Toque de Clássicos. Belo
Horizonte: Editora UFMG, 2009;
SARAMAGO, José. Por utopias mais próximas. Revista Espaço Acadêmico. Nº 69. Ano VI.
Fevereiro. Disponível em < www.espacoacademico.com.br>;
SCHILLING, Voltaire. Ascensão e Queda do Coronelismo. Disponível em <www.educaterra.terra.com.br>.
Software de computador Minidicionário eletrônico Aurélio. Disponível em <http://74.86.137.64-static.reverse.softlayer.com/>.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...