Pular para o conteúdo principal

PERDÃO


O perdão é uma das grandes virtudes que precisamos buscar na vida. Partindo do princípio de que ainda somos pessoas magoáveis, o perdão é algo a ser buscado e vivido agora, para nosso melhor progresso moral. Digo que ainda somos magoáveis porque grandes mestres nem precisam perdoar, pois já nem mesmo se sentem ofendidos.

Mahatma Gandhi,uma das maiores personalidades que a história já conheceu, foi perguntado se perdoava todos os que o injuriaram e maltrataram. E Gandhi respondeu:- "Nada tenho que perdoar, porque nunca ninguém me ofendeu".


Precisamos perdoar aos outros e a nós mesmos, e precisamos saber pedir perdão.

No cerne de toda a questão sobre o perdão está a culpa. A culpa é como um bloqueio sem sentido no meio de nosso caminho. Em nada ajuda, apenas dificulta a caminhada. 

Ficamos presos no mesmo ponto, cheio de amarguras e dores, e não continuamos a caminhar.

Quanto ao esquecimento, sabemos que é impossível que esqueçamos o que nos acontece. No meu entendimento, perdoar não implica em limpeza da memória, esquecimento do fato. Não. E é até melhor que assim seja, pois só assim podemos aprender com o que nos sucede. O fato aconteceu no tempo. O perdão pressupõe transmutação da energia que dedicamos à lembrança de tal fato, ou seja, que passemos a enxergar o acontecido como aprendizado, que saibamos retirar da lição tudo aquilo que precisamos aprender para sermos seres humanos melhores. E, em relação às pessoas envolvidas, que possamos mudar nosso sentimento em relação a elas. Se antes era de raiva, antipatia, ou algo do gênero, que ao perdoar possa ser de compreensão por saber que essas pessoas também são caminhantes como nós, sujeitos aos mesmos tropeços e quedas. E que não podem ser culpadas por não agirem e não serem como queremos que ajam e que sejam. Por isso são, assim como nós, merecedores de segunda chance. Perdoar é permitir novas oportunidades, estando ciente de que seres humanos são falíveis, podem errar e errar várias vezes, mas quem somos nós para impedir que assim seja. Lembremos que o perdão é ato de doação, libertação, e não deve ser usado para acorrentar uma alma às nossas expectativas pessoais. Penso que não estamos neste mundo para julgar-nos uns aos outros, mas sim para fazer nossa parte no sentido de não sermos nós os bloqueios nos caminhos de alguém.

O perdão: como qualquer virtude, é preciso saber reconhecê-lo. Explico-me: como todos somos seres humanos falíveis, como já disse, podemos cometer enganos. Ao pedir perdão, precisamos saber que devemos estar dispostos a recomeçar com novas atitudes, como um "homem novo", não repetir os mesmos erros. Se não estivermos dispostos a novas posturas, a novos hábitos, não é perdão o que estamos pedindo. Estamos apenas pedindo desculpas pelo tropeço e continuamos o mesmo caminho. Pedir perdão é assumir a responsabilidade que nos cabe no processo de mudança de atitudes.

E, para perdoar verdadeiramente, que seja de coração, com a alma leve, libertando, sem cobranças. De forma contrária, também não é perdão. E ainda, o ato de perdoar não obriga que os envolvidos sigam o mesmo caminho, claro que não. Podem muito bem se perdoarem e seguirem caminhos diferentes, se assim for o melhor para todos.

Para concluir, que possamos todos saber pedir perdão e perdoar, aos outros e a nós mesmos, pois o perdão é um exercício de amor ao próximo e a nós mesmos.


Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto.
A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos problemas …

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice, não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste, lame…

POESIA "COM LU", DE HAIRON HERBERT DE FREITAS

Linda, maravilhosa poesia!!

Com Lú
O amor não acaba, o amor só aumenta. Experimente uma frase, Espere mais e comente.
Seja velho, seja jovem, Esqueça o tempo que passou. O momento é agora, Aproveite tudo com amor.
Não chore, não clame, Seja firme, seja honesto. Não viva mau seus sentimentos, Aos restos estranhos, acalento.
Contudo o amor revigora, Mesmo no atrapalho da hora, Volta sempre sem demora.
O amor é sem fim, É eterno em mim, Consciente estou, Quando estou com amor.
Hairon H. de Freitas 15/7/2019