Pular para o conteúdo principal

OUTUBRO: MÊS DAS CRIANÇAS


Quando dizemos que outubro é o mês das crianças, lembramos logo de nossos pequenos, aqueles que ainda não são adultos nem adolescentes.

Mas eu gostaria de aproveitar este mês para reflexionar em torno de outra criança. Aquela criança que ficou perdida lá no passado e que se encontra em nosso interior abafada pelos bloqueios de adulto tirano. Aquela criança que expressava seus sentimentos; que, ainda que passando por dificuldades, mantinha sempre um brilho nos olhos e uma esperança constante; aquela que sonhava e acreditava em seus sonhos; que era livre para ser como era, não se incomodando com os olhares alheios; que vivia cada dia de uma vez, e em cada dia o encanto de toda uma vida; que era simples e sincera, mas com doçura; que tinha a coragem e a autoestima para ser quem era, naturalmente.

O adulto chegou com força total, cortando de vez a manifestação da criança. Hoje, muitos de nós somos represa de sentimentos guardados, amamos mas não conseguimos dizer “eu te amo”, sofremos mas não podemos dizer que sofremos, alegramos mas não podemos mostrar-nos alegres...O medo dominador do adulto nos aprisionou, aprisionou nossas expressões. E nossa esperança, nossa capacidade de acreditar no melhor, ainda que em volta tudo pareça o contrário? Nosso brilho nos olhos, nossa confiança no outro? Por que mal conhecemos uma pessoa e já a julgamos mal e indigna de crédito? É porque tornamo-nos escravos de nossos fatos mal sucedidos, nos deixamos ser dominados por eles quando, no máximo, deveríamos vivê-los e deixá-los passar. Mas, nosso ser adulto, acostumado a achar-se uma soma de experiências e não um ser em constante experiência, nos diz cheio de orgulho: não confie em mais ninguém, afinal de contas você já acumulou conhecimentos demais, tudo que vier agora não poderá ser diferente do que já viveu...e mais uma vez damos ouvidos ao medo e à prepotência do adulto.

E o que dizer dos nossos sonhos...perdemos a capacidade de sonhar. Quando nos vemos voltando ao caminho do sonho, logo o adulto desperta e nos diz: pare com isso, o que você está querendo? Isso não vale a pena, não compensa, você não merece, não consegue. E lá vamos nós de novo...cedendo à imposição do adulto.

Gostaria, então, que aproveitássemos para refletir em torno de nossa criança interior que foi abandonada, verificar que bloqueios nós colocamos para sufocar essa criança, e fazê-la ressurgir, tomá-la nos braços com carinho e deixá-la participar de nossas vidas.

Jesus nos disse: «Se não voltardes a ser como as criancinhas, não podereis entrar no Reino do Céu». O Reino do Céu é o reino de amor, paz, felicidade plena. É total estado de bem-aventurança. Então, resgatemos nossa simplicidade e humildade de sermos quem somos, nosso espírito aberto à Vida, sem temores, sem defesas prévias, com esperança, confiança sempre, ainda que venhamos a cair. Se cairmos, levantemos e sigamos em frente, como faz uma criança. Não precisamos de jogos de controle com os outros, pois somos corajosos o suficiente para sermos nós mesmos. Podemos confiar na vida, confiar no outro, pois cada pessoa é um ser distinto, cada um é um universo diferente. Não precisamos temer. Isso não significa fecharmos os olhos para os perigos do caminho. Não, pelo contrário. Seremos ainda mais capazes de enxergá-los quando eles realmente existirem, pois não seremos iludidos pelo medo.

Que sejamos como as criancinhas para que, então, possamos trazer o Reino do Céu para dentro de nossas vidas!

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si