quinta-feira, 31 de outubro de 2013

DESABAFO II

Eu acho estranho quando vejo pessoas falsas, traiçoeiras e invejosas falarem em Deus e agradecerem por conquistas, sendo que acabaram de praticar ações maldosas com seu semelhante. É estranho, pois certamente agradecem o prazer que a vingança mesquinha e sem sentido lhes proporciona.. Esquecem-se de que Deus não aprova essa atitude, então que ponham a mão na consciência antes de agradecer a Deus. E que não julguem o outro culpado por suas derrotas, pois é muita pretensão achar que o outro tem tempo e disposição para viver o tempo todo armando para cima deles. É querer demais ser o centro das atenções. 
E estas pessoas aproveitam o fato de existirem também aqueles outros que no fundo sempre desejaram a queda do outro. Aproximam-se justamente destes para espalhar seu veneno. Então ambos caem no mesmo erro, na mesma infração. E não adianta depois sair fazendo propaganda de sua religião, pois Deus não é cego. Ele vê que existe o fofoqueiro mentiroso, o espalhador da fofoca e aqueles que, por conveniência, apressam-se em julgar o outro e acolher a fofoca. Sim, por conveniência, pois ali já reinava latente o desejo de afastar o outro. Todos se deliciando no prazer de achar que derrubam um terceiro. Pois eu digo que se enganam. Aquele que parece cair, na verdade se ergue ainda mais forte e ciente de quem é quem. Não se enganem, pois toda semente tem colheita. Amanhã perderão aquilo que mais ansiavam e aí vão chorar sem entender o porquê. Não se alegrem com a calmaria, pois estão simplesmente sendo instrumentos do destino para que aquele que parece cair seja afastado destas línguas venenosas que promovem a morte de si mesmos. 
Não brinquem com o que não conhecem, ou com quem não conhecem. Amanhã colherão os frutos, é só questão de tempo...

ANTIGAMENTE

por Hugo Lapa

Antigamente, eu ficava bem preocupado com o que os outros pensavam de mim. Hoje tenho consciência que sou uma pessoa digna e honesta, e sei que as pessoas vão pensar o que quiserem, e isso em nada afeta meu modo de ser e quem eu sou em essência.

Antigamente, eu queria provar algo aos outros. Hoje descobri que, na verdade, sentia uma grande insegurança, e por isso tentava demonstrar algo, não às pessoas, mas a mim mesmo. Hoje vejo claramente que, quando se tem confiança naquilo que somos, não precisamos provar coisa alguma.

Antigamente, eu fazia de tudo para os outros gostarem de mim. Hoje sei que as pessoas precisam sentir afeição por quem eu sou, e não por quem eu pareço ser. Sei também que pessoas que mendigam o afeto das outras quase nunca conseguem o que desejam. Por ansiarem tão vorazmente o amor e a admiração dos outros, elas passam a ser aquilo que os outros esperam que elas sejam, e assim, caem num abismo profundo de um eu fantasioso e irreal.

Antigamente, eu acreditava que poderia esconder meus problemas não pensando neles e me concentrando nas questões objetivas do mundo. Hoje sei que por mais que se tente, não se pode fugir das emoções profundas que estão armazenadas dentro de nós. Podemos tentar burlar, dissimular, distorcer, etc, mas a verdade é a verdade. Ela não se modifica por nossa vontade. Hoje sei que, somente encarando de frente aquilo que nos assola é que se pode dissolver os nós profundos das feridas interiores e seguir em frente.

Antigamente, eu achava que o mundo deveria corresponder aos meus anseios e necessidades. Achava que os outros tinham que me servir e sempre lutava pelos “meus direitos”. Hoje vejo que cumprir meus deveres é muito mais importante e digno, e que de nada adianta tentar modificar o mundo e as pessoas; ninguém se curvará as minhas pretensões de como o mundo deve ser. O mundo é o que é. Não quero mais que as pessoas sejam da forma que eu acho que devem ser, eu me esforço por aceitar, sem me acomodar, à realidade que se apresenta. Hoje busco apenas melhorar a mim mesmo e ajudar a quem necessita.

Antigamente, eu pensava que podia viver uma vida superficial e mesmo assim ser feliz. Vivia vendo novelas, bebendo, fumando, jogando conversa fora, fazendo sexo sem amor. Hoje vejo que, para ser feliz é necessário olhar a vida como ela é, além do véu aparente que encobre a existência. Não é possível cortejar a ilusão e ser feliz. Ou se vê a realidade para ser feliz, ou se vive uma vida de quimeras e devaneios que só poderá trazer a solidão e a infelicidade.

Antigamente, eu queria ajudar as pessoas a todo custo. Via-me como uma espécie de salvador que poderia socorrer muitas pessoas com minhas capacidades. Hoje sei que cada pessoa tem total poder de lidar com seus contratempos e dissabores, e negar isto é recusar-se a crer no potencial espiritual que cada pessoa tem de crescer a partir de seus próprios percalços , conflitos e limites. Compreendi que, por superestimar minhas habilidades, acreditei que poderia “salvar” as pessoas. Mas entendi que só as próprias pessoas se salvam, e que o máximo que podemos fazer é indicar o caminho e dar um suporte quando necessário. Por outro lado, de nada adianta ajudar aqueles que não querem ser ajudados.

Antigamente, acreditava que deveria ter um compromisso com o sucesso; deveria me debruçar sobre os melhores cargos, os melhores salários; ser alguém de destaque, alguém com uma imagem intocável nos negócios. Hoje sei que buscar a todo custo o sucesso é fazer um contrato com a infelicidade. Ninguém pode ser feliz buscando o sucesso e a fama a todo custo. Quando chegamos ao topo o único caminho possível é o da descida. Quem não valoriza aquilo que possui vive desejando aquilo que não possui, e não há maior pobreza do que viver a vida ansiando ter aquilo que não tem. Quanto maior o desejo e a expectativa, maior a frustração; quanto mais criamos um ideal de como tudo deve ser, mais vivemos numa ilusão criada por nós mesmos. Quando desejamos o destaque e o status quo acabamos por não dar valor às coisas simples da vida, que são as mais importantes.

No final das contas, é o cheiro da grama, a brisa que sentimos num final de tarde, a chuva caindo sobre nós, o abraço do ser amado, a visão de um pôr do sol, o canto dos pássaros, o contato com a simplicidade e naturalidade da vida, do cosmos, do infinito… é isso que nos faz felizes de verdade.

Não se deixe tragar pelas miragens do mundo, pelas imagens que seduzem, pelas formas exteriores, por aquilo que é consumido pelas correntezas do tempo… Busque o real além da ilusão, e terá paz e felicidade jamais sonhadas.

Autor: Hugo Lapa
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...