sábado, 25 de abril de 2015

DIÁRIO CABOFRIENSE: BIKE NIGHT – PASSEIO CICLÍSTICO NOTURNO

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:



Nas noites de quinta-feira, acontece na cidade o Bike Night, um passeio ciclístico noturno que busca aliar prazer e exercício físico, além de incentivar a convivência entre amigos.
A ideia surgiu há um ano, quando quatro amigosderam início a um passeio semanal pelas ruas e pontos turísticos da cidade. Hoje já são mais de cem participantes, e a cada semana surgem novos adeptos.

O ponto de partida fica na rua Expedicionários da Pátria, no bairro São Cristóvão. São treze quilômetros a partir dali. O passeio prossegue pelos principais pontos turísticos da cidade: orla da Praia do Forte, bairro Passagem, Centro, Canal Itajuru, até finalizar no mesmo local do ponto de partida. Um carro da guarda municipal segue à frente do grupo, e um carro de som acompanha os ciclistas fazendo a trilha sonora.

 pessoas de todas as idades, desde crianças até idosos. O passeio é gratuito. Para participar, basta ter disposição e gostar de pedalar. Para total segurança, recomenda-se o uso de capacete, roupas claras, faróis e lanternas na bicicleta.

Com certeza, uma boa pedida para moradores e visitantes. Um jeito agradável de cuidar da saúde e se divertir ao mesmo tempo.

Luciana G. Rugani
Fotos: Fábio Pereira

sexta-feira, 24 de abril de 2015

GRAVAÇÃO DA ENTREVISTA DE ALAIR CORRÊA NA JOVEM TV

Hoje assistimos pessoalmente à gravação da entrevista do prefeito de Cabo Frio, Alair Corrêa, no programa Informe Local, da Jovem TV.

Foi uma boa oportunidade para conhecermos o estúdio de gravação e o outro lado da telinha, ou seja, a produção, organização, transmissão e participação ao vivo dos cidadãos. O apresentador Dionísio Quaresma é mesmo muito simpático como aparenta na TV, possui uma boa comunicação com o público e seu toque pessoal de adicionar uma pitada de descontração à entrevista torna o programa ainda mais atrativo e mais interativo com o público.

O prefeito esclareceu questões referentes às últimas medidas administrativas que foram tomadas e respondeu a todas as perguntas dos cidadãos, sempre de forma direta, sem rodeios, objetiva e com clareza.

Para nós foi grande a alegria pela oportunidade de prestigiarmos e de pela primeira vez assistirmos ao vivo a uma entrevista do prefeito Alair.

Texto: Luciana G. Rugani
Fotos e vídeo: Álvaro Neves, o Eterno Aprendiz

 
https://www.youtube.com/watch?v=Gbq49oTgzJs

terça-feira, 14 de abril de 2015

DIÁRIO CABOFRIENSE: SOBRE O PROJETO DA TERCEIRIZAÇÃO


Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:


O projeto de lei 4330/2004, que regulamenta a terceirização no mercado de trabalho, foi aprovado quarta-feira passada, em primeiro turno, na Câmara Federal. O projeto contempla a terceirização tanto nas empresas privadas, quanto no setor público.

Acho importante que todos nós nos inteiremos do que está realmente se passando lá no Congresso. Ressalto que não estarei aqui defendendo ideias de partidos A ou B, mas somente analisando, na minha opinião, o que significa este projeto dentro da conjuntura em que está sendo votado.

A terceirização, a meu ver, significa a total fragilidade dos direitos trabalhistas. Ainda que digam que os direitos serão respeitados, sabemos bem que na prática não é assim que funciona. Trabalhadores terceirizados são menos valorizados, ganham menos e ainda há muito mais facilidade de serem burlados em seus direitos. Significará a nivelação por baixo dos salários e remunerações. Além disso, com o tempo levará ao fim das carreiras e categorias profissionais, pois certamente todas as empresas terceirização seus serviços.

A terceirização significa uma precarização dos direitos trabalhistas. Conheço alguns terceirizados que não tiram férias há quase 10 anos, na empresa em que trabalham. Simplesmente porque, a cada ano de contrato, quando estão quase completando o período aquisitivo, a contratante troca a firma terceirizada, faz novo contrato com outra firma. Os trabalhadores, para permanecerem na empresa contratante, são transferidos para essa nova firma terceirizada, passando a ter novo contrato de trabalho. E assim vem sendo feito há muitos anos, e os trabalhadores prosseguem sem direito a férias, pois não completam um ano na mesma firma. Este é somente um exemplo, existem muitas outras manobras que acabam por burlar os direitos sociais.

No setor público, a terceirização acabará com a democratização do ingresso no serviço público por meio do concurso. Não significa a extinção legal do concurso, claro que não, mas me digam: o que as empresas vão preferir? Abrir espaço para servidores de carreira, portanto mais qualificados e independentes, ou admitir maior quantidade de servidores, pagando menos, e muito mais fáceis de manipular, como, na realidade, acontece com os terceirizados? Claro que não sobrará mais vagas para concurso! Concurso público é maior garantia de imparcialidade e acesso de qualquer cidadão ao cargo público, além de dar vez ao talento e ao esforço pessoal. Sabemos bem, olhando pelo lado prático, que a terceirização no serviço público permite maior manipulação e utilização dos servidores para fins eleitoreiros. Um amigo meu, servidor terceirizado do poder legislativo de uma capital, me relatou o que passa, juntamente com seus colegas, para que seja possível a continuidade dos seus empregos a cada mudança de legislatura. Segundo ele, aquele servidor que não tem seu vereador "padrinho", automaticamente estará fora, e aqueles que possuem o "padrinho", precisam se submeter a uma série de atividades eleitoreiras e ainda são ameaçados de terem seus votos checados na seção eleitoral em que votam, quando da divulgação do resultado da votação. Trata-se praticamente da “oficialização” dos padrinhos. Será ou não será muito mais conveniente, para o gestor sem ética, lidar com funcionários totalmente dependentes de sua boa vontade?

Já há algum tempo que somos espectadores de uma crise ética no governo, revelada principalmente nos casos da Petrobrás e do Mensalão. Ainda que saibamos que ambos os casos não são novos, são crônicos em nosso sistema político, e que envolvem vários partidos e não somente o PT, a crise eclodiu com maior gravidade foi no governo atual. Ao mesmo tempo, temos uma crise econômica. Crise econômica + crise ética = crescimento de revolta popular e fortalecimento da oposição. E é nessa conjuntura que vemos se fortalecerem também os grupos de extrema direita, tradicionalmente conhecidos por votarem contra os direitos sociais. Aproveitando-se do clima de grande insatisfação contra o governo, viram no momento atual o tempo certo para voltarem a discutir este projeto, que significa um golpe nos direitos trabalhistas. Vale lembrar que este projeto tramita na Câmara Federal desde 2004, mas só agora foi para a pauta de votação.

Fica aqui o alerta para que busquemos enxergar o que está por trás da cortina, e neste caso específico, o oportunismo do momento em que visam aprovar leis que significam retrocesso em nossos direitos, aproveitando o momento de insatisfação em que vivemos. Votar a favor da terceirização é o mesmo que andar mil passos para trás na conquista de nossos direitos, tanto na iniciativa privada quanto no setor público.

Luciana G. Rugani

JORNAL O CIDADÃO - BIKE NIGHT: UMA BOA IDEIA EM CABO FRIO

Exercício físico aliado ao prazer e convivência entre amigos. Essa é a proposta do Bike Night, passeio ciclístico que acontece todas as quintas-feiras à noite, em Cabo Frio.

A ideia surgiu há um ano, quando quatro amigos começaram a realizar um passeio semanal pelas ruas e pontos turísticos da cidade. Hoje já são mais de cem participantes, e a cada semana surgem novos adeptos.

O ponto de saída é no bairro São Cristóvão, na rua Expedicionários da Pátria. São treze quilômetros a partir dali. Meia hora depois uma parada de dez minutos na Praça do Guta, na orla da Praia do Forte. E o passeio prossegue por toda a orla, bairro Passagem, Centro, Canal Itajuru, e daí segue até finalizar novamente no bairro São Cristóvão, no ponto de partida. O passeio é feito com toda segurança e animação. Um carro da guarda municipal segue à frente do grupo, e um carro de som vai acompanhando os ciclistas e fazendo a trilha sonora.

Há pessoas de todas as idades, desde crianças até idosos. Para participar, basta ter disposição e gostar de pedalar. O passeio é gratuito. E ainda, para total
segurança, é recomendado o uso de capacete, roupas claras, faróis e lanternas na bicicleta.

Taí uma boa pedida para moradores e visitantes de Cabo Frio. Além disso, uma ideia que vale a pena ser cada vez mais divulgada e levada para outras cidades da região. Um jeito agradável e prazeroso de aliar diversão com o cuidado da saúde. 
   Luciana G. Rugani

terça-feira, 7 de abril de 2015

DIÁRIO CABOFRIENSE: CRISE DOS ROYALTIES - PASSANDO A LIMPO A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Minha coluna de hoje no jornal "Diário Cabofriense". Abaixo da foto, segue o texto para mais fácil leitura:



Muitas vezes somos impelidos às mudanças necessárias em nossas vidas. O suceder dos fatos promove a necessidade e a mudança se faz urgente. Assim acontece nos mais diversos setores de nossas vidas: ou mudamos nossos hábitos e nosso proceder, ou a crise se instala ainda de forma mais grave. Vivemos isso atualmente em relação à crise da água, como também em relação à administração pública de uma forma geral. Outro exemplo é a crise dos royalties do petróleo, cuja arrecadação caiu entre 30% a 40% nas cidades produtoras.

O problema da queda dos royalties afeta não somente Cabo Frio, mas várias cidades produtoras do litoral fluminense. Reuniram-se, então, os prefeitos destas cidades, e juntos estipularam algumas medidas a serem tomadas conjuntamente pelos municípios. O prefeito Alair precisou tomar medidas austeras, mas perfeitamente coerentes com a necessidade de adequação das condições à situação presente.

Em relação a esta questão dos royalties, quando falo sobre a necessidade de mudanças, refiro-me ao fato de que é chegado o tempo em que a finalidade básica constitucional da administração pública imponha-se com mais vigor.

Desde que foi promulgada, a Constituição Federal traz, em seu art. 37, os princípios básicos da Administração Pública que, analisados conjuntamente, reforçam a prevalência do interesse público e a finalidade essencial da administração pública de promover o bem comum. Mas de lá pra cá, alguns gestores e também alguns cidadãos, esqueceram, ou deixaram de lado o conteúdo dessa finalidade básica da administração, e agora a sucessão dos fatos traz à tona, imperiosamente, a necessidade de atentar-se para a promoção do bem comum, antes de tudo. O gestor verdadeiramente comprometido com uma administração dentro dos princípios constitucionais naturalmente nesse instante se verá compelido a tomar atitudes firmes, duras, mas que precisam ser compreendidas, pois fazem parte do papel legítimo de um administrador público. Ele não está ali para atender interesses de A ou B, ou para ser o responsável por suprir particularidades de um ou outro servidor. Não, ele está ali para atender ao interesse público e promover o bem da coletividade.

Chegou a hora de mudar a visão que muitos cidadãos têm de que a administração pública está ali para atender aos seus próprios interesses particulares. Aquele que pode, mas não paga seus impostos, por exemplo, precisará compreender a necessidade de contribuir como os demais; aquele que faz do cargo público um projeto pessoal, esquecendo-se da transitoriedade natural que caracteriza a nomeação em cargo comissionado, forçosamente precisará despertar para a possibilidade de que a permanência se dê por período menor que o esperado. É o momento do despertar para um amadurecimento na forma de lidar com a coisa pública, enxergando-a como ela realmente deve ser: instrumento de realização do interesse público.

É hora de compreender e aceitar que o momento pode exigir uma dose de remédio amargo, mas, pelo menos assim, salvar-se-á o doente.

Momentos de crise costumam trazer na bagagem oportunidades. Na economia funciona muito isso. Mudar o foco, a visão, os procedimentos, farão com que surjam novas ideias, novas diretivas de investimentos. Agora o tempo é de despertamento, compreensão, contribuição, colaboração. Cada um com a parte que lhe cabe. Forçosamente deixar o individualismo de lado e enxergar o global, o coletivo, compreender que um gestor público, no caso o prefeito, tem o dever de zelar pela situação financeira da cidade, ainda que para isso seja compelido a tomar decisões mais austeras. Este é o papel constitucional que lhe cabe cumprir, essa é a postura que se espera de um bom governante.

Luciana G. Rugani
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...