Pular para o conteúdo principal

CONSTITUIÇÃO FEDERAL: 23 ANOS


Hoje, 5 de outubro de 2011, nossa Constituição Federal completa 23 anos. Não é muito tempo em termos de conquistas democráticas, mas é tempo mais que suficiente para que a noção de respeito a uma lei maior se faça presente. E, por respeito, entendemos não somente o cumprimento da lei, mas, além disso, o respeito aos princípios que lhe deram origem, ao modelo de sociedade estabelecido constitucionalmente.
A Constituição Federal de 1988 avançou enormemente no campo da proteção aos direitos fundamentais, sociais e coletivos. E o que vemos na prática? O próprio governo é o primeiro a tentar retrocedê-la no avanço. Vemos agentes políticos aprovando textos a favor de maior desmatamento; órgãos autorizando indústrias comprovadamente mais danosas que rentáveis; hospitais públicos sendo sucateados e mal cuidados, não por falta de recursos, mas por descaso de administradores públicos interessados em promover privatização da saúde; entre outros. Nos últimos anos, têm sido tantos os casos que seria impossível enumerá-los aqui. A noção de respeito à Constituição Federal foi desvirtuada. Se surge uma questão de interesse, ao invés de submetê-la aos princípios estabelecidos constitucionalmente, adequando-a à lei maior, faz-se o contrário: apressa-se logo a fazer uma PEC – proposta de emenda à constituição – para alterar a constituição, tornando possível a receptividade da questão de interesse pelo mundo jurídico. Nossa constituição tem 67 emendas aprovadas, mais 6 emendas de revisão, no total de 73 emendas, uma média de mais de 3 por ano! Virou uma colcha de retalhos!
Tudo isso comprova que precisamos caminhar muito ainda para vivermos uma democracia plenamente consolidada, onde a noção de respeito a direitos básicos esteja introjetada no senso comum. Nossa sociedade ainda engatinha no exercício da cidadania.
Quando da aprovação da constituição, o país era recém-saído de 20 anos de ditadura militar e desrespeito aos direitos fundamentais. Isso justifica o ânimo de se fazer uma constituição avançada na proteção de direitos e da democracia, mas infelizmente nosso meio político ainda está impregnado de práticas e costumes déspotas. Vemos, por exemplo, perseguição aos que pensam diferente, quando muitos sofrem boicotes em seus negócios simplesmente porque optam estar do outro lado. Vemos interferência de um poder em outro: STF rendendo-se a apelos políticos por parte do governo federal; tribunais seguindo preferências políticas de governadores; câmaras municipais funcionando como simples órgãos anexos de prefeituras, aprovando leis inconstitucionais e ilegítimas a favor do interesse do Executivo e contra os interesses da sociedade. São práticas oriundas de uma vivência ditatorial, e que a simples existência de uma constituição cidadã não conseguiu extirpar.
Concluindo, para mim, a data de hoje não é exatamente uma data para se comemorar, e sim ocasião para reflexão. São tantos os desmandos que temos acompanhado ultimamente, que prefiro a realidade dos fatos que a ilusão das palavras postas. Quando, por exemplo, a constituição diz que um dos objetivos fundamentais do Brasil é garantir uma sociedade livre, justa e solidária, é um preceito constitucional, portanto deveria ser respeitado como lei maior. E a realidade dos fatos mostra o contrário. A justiça brasileira afasta-se a cada dia da realização da verdadeira Justiça, pendendo com facilidade para o lado dominante politicamente e financeiramente. Não vivemos em uma democracia plenamente consolidada. A cada dia vemos atos de nossos governantes em que a constituição é simplesmente “rasgada”, ignorada. Que possamos então pelo menos orientar nossos jovens para que ajam de forma diferente no futuro, transmitir-lhes noções de respeito, de verdadeira cidadania, de preocupação social. Ajudá-los a entender que o descaso com o direito do próximo amanhã se reverte contra nós mesmos, através dos inúmeros problemas sociais, ocasionando queda na qualidade de vida para todos, ensiná-los que temos direitos, mas que a cada direito corresponde um dever para com o outro. Isso é mudança cultural, mudança de hábitos. Em suma, só evoluindo na vivência social é que aprenderemos a dar à constituição o devido respeito que ela merece.

Luciana G. Rugani

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si