Pular para o conteúdo principal

NOTA DE REPÚDIO ÀS DECLARAÇÕES DO MINISTRO PAULO GUEDES CONTRA OS SERVIDORES PÚBLICOS


Sindilegis

O Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo Federal e do Tribunal de Contas da União (Sindilegis) repudia veementemente as declarações do atual ministro da Economia, Paulo Guedes, proferidas durante audiência pública na Comissão Especial da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados, nesta quarta-feira (8).

Com base em falácias e em argumentos baseados em puro senso comum, Guedes aproveitou sua fala para afirmar que parte da culpa pelos “desvios” e pela “roubalheira” que há muito ocorre no país é dos funcionários públicos. Ainda segundo ele, são os servidores os responsáveis por “tomar conta das coisas públicas”, mas que a categoria não “cumpriu o seu papel”.

É notório que há uma grande articulação do Governo e da mídia para escorraçarem os servidores públicos, culpando-os por todas as mazelas que acometem ao País. Imbuído de falácias e disseminando informações falsas, que só fomentam o ódio e a divisão de classes, a estratégia de Paulo Guedes é antiga: “dividir para conquistar”. A tática, mais uma vez, vem sendo usada instrumento do Governo para desviar os problemas reais que o Brasil enfrenta.

Em sua fala, o ministro Paulo Guedes, de forma espantosa, cruel e desumana, relega a importância que os servidores públicos exercem para um país. Desconhece o ministro que o servidor público concursado trabalha para acabar com a sonegação, trabalha para a concessão de aposentadorias, para garantir a assistência aos mais necessitados. É quem educa as crianças deste país, quem salva vidas em hospitais sem recursos, muitas vezes, para remédios básicos, quem dirá instrumentos e medicina mais avançada. É quem protege seus filhos, as fronteiras deste país e os cidadãos na eventualidade de um acidente. É quem realiza as pesquisas que podem garantir que nossa pais atinja um novo patamar de desenvolvimento.

Guedes também se esquece de que são os servidores públicos responsáveis por examinar as contas públicas; por investigar aqueles que cometeram desvios; por acusar e prender, após o devido contraditório e ampla defesa, os faltosos que conduziram todas as ações e operações que provocaram uma verdadeira revolução no combate à fraude e corrupção no país. Tudo isso porque o servidor público – que está neste cargo porque jurou, no dia em que tomou posse, servir à Nação e ao País – tem sua atividade voltada para o Estado brasileiro, de forma contínua, e não ao Governo, cuja período é transitório.

O Sindilegis, em sintonia com os servidores públicos, não afasta a necessidade de realização de reformas. Ressalta, entretanto, que as reformas têm que ser realizadas de forma transparente e serem conduzidas em um amplo debate com a sociedade brasileira, respeitando, inclusive, as propostas realizadas durante a campanha eleitoral – entre as quais não se encontrava a proposta de reforma de previdência de tal jaez.

O Sindilegis também ressalta que os trabalhadores, nos últimos períodos, já deram seu contributo para a melhoria das finanças públicas, tendo seus regimes previdenciários sofrido alterações significativas. O caso dos servidores, inclusive, já se encontra em pleno equilíbrio, desde que sejam respeitados os pressupostos do regime de seguridade estabelecido em nossa Constituição, fruto da luta de todos os trabalhadores do país. Acima de tudo, ressalta que nenhum reforma a ser implantada deve atingir os setores mais necessitados do País.

Senhor Guedes, o Sindilegis refuta todas as suas colocações e reforça que os servidores públicos seguirão com seu trabalho diário a serviço do povo e do Estado brasileiros. Exige, por fim, que todos os servidores sejam, sempre, tratados com dignidade e, acima de tudo, respeito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si

PARA HENRY BOREL

Não mais o riso fácil de criança! Os bonecos a lutar, Impulsionados por frágeis mãozinhas, Agora estão inertes Como inerte está  O seu corpinho sofrido. Não mais a alegria E o gosto da liberdade Dos dias fora do calabouço, O seu cárcere de dor. Quantos gritos mudos Em abraços silenciosos. Quantas dores caladas Gritadas em olhar de pavor. Quantos pedidos no choro fácil, No rostinho escondido no ombro No colo de sua algoz. Uma criança somente, E somente só. Única! Seu riso só seu, Seu olhar, sua identidade. Sua voz, seu abraço Únicos! Sua voz agora é silêncio, A mesma voz  Que animava brinquedos A mesma voz  Que implorava socorro na fala curta. Pai, me deixa ficar contigo! A luz aqui Pra sempre se apaga. Ficarão a saudade, E consciências sem paz. Mas a luz vive além Resplandece linda entre anjos. O anjo venceu o leão da arena E em outras esferas foi sorrir, Foi brincar, Foi viver. Liberto está, Para sempre, Das mãos frias de duros golpes, Dos abraços fortes de ódio E da tortura, Que dói