sexta-feira, 27 de setembro de 2019

TEXTO DE JOÃO PEREIRA COUTINHO: UMA CONSPIRAÇÃO DE ESTÚPIDOS



por João Pereira Coutinho

Se trocarmos políticos corruptos por idiotas, teremos razões para festejar?

Contra a estupidez, até os deuses lutam em vão. Assim falava Schiller. E assim falo eu, que dedico há anos uma atenção obsessiva ao assunto. Há gente que gosta de olhar para pássaros. Eu gosto de olhar para estúpidos, motivo por que me dediquei ao comentário político em solo luso.
Atenção. Não falo da estupidez pontual, acidental, pessoal. Não atiro a primeira pedra: os meus atos de estupidez, que são vários e continuarão a ser vários, fazem parte da minha imperfeição.
Eu falo da estupidez consistente, estrutural, constitucional. Falo de uma estupidez que não é possível apagar, corrigir, civilizar. E que jamais pode ser confundida com a mera ignorância. A ignorância tem cura. A estupidez, não.
Mas o que é a estupidez? De onde vem? Como podemos neutralizá-la, se é que podemos?
A resposta foi dada, de forma inultrapassável, por Carlo M. Cipolla em “The Basic Laws of Human Stupidity”. Conhecia o ensaio (de nome), mas ainda não o tinha lido. Foi preciso viajar para a Itália e encontrar o tesouro numa livraria de Milão. Quase chorei de alegria.
Cipolla, um dos mais importantes historiadores econômicos do pós-Segunda Guerra, escreveu o ensaio em 1976 com o mesmo rigor científico com que tratou da política monetária de Florença no século 14.
A primeira lei parece razoavelmente consensual: todos subestimamos o número de estúpidos em circulação. É um fato. O pasmo que sentimos quando nos encontramos com um representante da espécie é prova desse otimismo absurdo, que só diminui com a idade (experiência pessoal).
Por outro lado, uma concepção igualitária dos seres humanos tende a atribuir à educação, à sociedade e à cultura a última palavra em matéria de estupidez.
É um erro. A estupidez é determinada pela natureza, como a cor dos olhos ou a ondulação do cabelo. É isso que explica a existência de um número mais ou menos constante de estúpidos em todas as classes sociais, em todas as profissões, em todos os países.
Para ficarmos apenas na universidade, um microcosmos que eu conheço bem, o número de alunos estúpidos não difere do número de professores estúpidos. O fato de os primeiros não terem diploma e os segundos terem uma parede coberta de honrarias não altera a estupidez essencial.
Mas é na terceira lei da estupidez que Cipolla se supera. Para ele, os seres humanos se distribuem em quatro categorias fundamentais: os inaptos, os bandidos, os inteligentes e os estúpidos.
O inapto, quando age, beneficia os outros e prejudica a si próprio. O bandido, pelo contrário, prejudica os outros para se beneficiar pessoalmente. O inteligente, quando age, consegue beneficiar todos (por isso é inteligente).
O que distingue o estúpido é a capacidade que ele tem para provocar dano a terceiros sem retirar daí nenhuma vantagem própria. Pelo contrário: ele pode incorrer em danos também.
No fundo, é a irracionalidade do estúpido que o torna a criatura mais perigosa do mundo (lei final). Talvez por deformação iluminista, as pessoas comuns acreditam que a racionalidade foi universalmente distribuída. E que ninguém, em juízo perfeito, irá atuar contra os seus próprios interesses.
Nesse sentido, aceitamos (e lamentamos) o destino dos inaptos; admiramos os inteligentes; e até entendemos a cabeça de um bandido.
Mas os estúpidos nos desarmam. Na linguagem da economia, eles têm uma vantagem competitiva sobre os restantes porque operam num plano onde as leis da lógica não têm vez.
O ensaio de Cipolla tem a rara qualidade de iluminar o mundo. Não apenas o mundo cotidiano que habitamos (“afinal, o meu primo é só estúpido, não é bandido”) mas o mundo político em particular.
Aplicando os tipos ideais de Cipolla à política, eu diria que políticos inteligentes são raros; e que políticos inaptos, daqueles que beneficiam os outros pelo sacrifício dos seus interesses, são mais raros ainda.
A maioria se distribui entre a bandidagem e a estupidez, e eu não sei qual delas será pior. Quando nos livramos de políticos corruptos e importamos políticos estúpidos, teremos razões para festejar?
Só num ponto discordo de Cipolla: ele acredita que, à medida que as sociedades se desenvolvem, o número de pessoas inteligentes será capaz de manter os estúpidos no seu lugar.
Pobre Cipolla. Ele esqueceu a primeira lei do seu tratado: nunca subestimar o número de estúpidos, nem mesmo nas sociedades mais desenvolvidas.
Se ele ainda estivesse vivo (morreu no ano 2000), era só olhar ao redor.

João Pereira Coutinho
Escritor, doutor em ciência política pela Universidade Católica Portuguesa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...