Pular para o conteúdo principal

PARTIDOS COM DONOS: MAIS UMA FACETA DO CORONELISMO POLÍTICO

por Luciana G. Rugani - muito pertinente o texto de hoje da coluna de Mateus Simões, no jornal Hoje em Dia. Mateus aborda uma das podres facetas do coronelismo político incrustado em nosso sistema político-partidário no que diz respeito à organização dos partidos políticos tradicionais, com seus "donos" que os vendem segundo critérios em que imperam o autoritarismo, ambições pessoais, manipulação de partidos por famílias, toma-lá-dá-cá, e por aí vai.
Ótimo texto, vale a pena ler!
________________________________________________

Partidos com donos e a democracia de uns poucos

Por Mateus Simões  12/02/2018


Mestre em Direito Empresarial, procurador concursado da ALMG e professor universitário. Vereador em Belo Horizonte pelo NOVO.

Impressionante como, por aqui, continuamos cultivando o coronelismo político, mesmo depois de séculos de experiência frustrada dessa dominação política por uns poucos donos do poder.

Para mim, a face mais aparente desse sistema adoecido e corrupto está na organização local dos partidos políticos tradicionais, que tem donos em cada cidade, que os negociam como quem vende um frango, loteando espaços e exercendo seu pequeno espaço de autoritarismo.

Nem todos os “donos de partido” são pessoas mal-intencionadas ou corruptas, mas é importante reconhecer que eles corrompem o modelo democrático ao dividir entre uns poucos, escolhidos por critérios absurdos, toda a força de representação política.

Na verdade a própria ideia de que para fazer parte de um partido tradicional sua ficha de filiação precisa ser “abonada” por alguém da estrutura já confirma que o espaço político no Brasil tem, cada vez mais, se firmado como um ambiente de reforço dos interesses de alguns.

Para coroar esse fatiamento pessoal do espaço político existem ainda as conhecidas comissões provisórias, nomeadas para administrar partidos em certas cidades ou estados, apontadas pelas autoridades “superiores” do próprio partido, sem processo eleitoral ou segurança de mandato, para que possam ali administrar o partido no seu próprio interesse e, ainda, no de quem os nomeou e que tem o poder de destituí-los a qualquer tempo. Ou seja, a estrutura de poder nos partidos da velha política garante que tudo seja feito para atender ao interesse de quem está lá e ninguém mais.

A estrutura está comprometida a um ponto que há famílias que se especializaram nisso, construindo e manipulando siglas partidárias que usam apenas para promover suas próprias campanhas, alugando tempo de televisão, influência e bancadas a quem estiver disposto a pagar mais. Pior, mesmo em agremiações maiores, que se poderia acreditar estarem livres desse risco, é evidente a formação de grupo de poucos comandantes que manipulam toda a estrutura para viabilizar suas próprias ambições pessoais. Eles têm até um apelido publicamente: caciques partidários.

Por isso dou sempre com alegria a notícia, a quem me procura, de que o Novo não tem comissões provisórias, não persegue abrir diretórios em cada cidade nem tem pressa de que sua estrutura se multiplique pelo país, entendendo que muito mais importante do que constituir mais uma burocracia partidária é trazer pessoas que se identificam por ideias para colaborar com um projeto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A CIDADANIA NOS DIAS ATUAIS

Cidadania é um termo cujo significado encontra-se em constante evolução, sendo modificado e ampliado através da história. Já esteve ligado somente ao exercício de direitos e deveres políticos, mas hoje, devido à evolução das relações sociais, possui um alcance muito maior que envolve também a questão da participação dos membros da sociedade em prol do bem comum. Há alguns anos atrás, os meios de participação social eram restritos, e daí também o conceito de que cidadão era aquele sujeito detentor do direito de voto. A nossa atual constituição federal trouxe enorme contribuição para a ampliação da noção de cidadania, através da instituição de diversos instrumentos de participação popular. Foi um grande passo, e por isso é chamada de “constituição cidadã”. A partir daí, algumas questões onde o abuso era mais evidente ganharam destaque e contribuíram ainda mais para a evolução da cidadania, como é o caso das questões de proteção aos direitos do consumidor e do agigantamento dos

DEMOLIÇÃO DOS QUIOSQUES NA PRAIA DAS CONCHAS E ILHA DO JAPONÊS

Na sexta-feira passada (15), aconteceu a demolição de quiosques na Praia das Conchas e na Ilha do Japonês por fiscais do INEA. Incrível a forma autoritária como as coisas acontecem hoje! Parece que o desrespeito e a força têm sido os principais instrumentos para atingir os objetivos! A questão ali estava sub judice , não havia ainda sentença determinando a demolição, como podem ver abaixo na tramitação do processo. E ainda, a forma como foram feitas as demolições revela total despreparo. Não respeitaram os carrinhos de ambulantes ali guardados, destruíram TUDO, quebraram vidros sem o menor cuidado e preocupação, deixando os pedaços espalhados pela areia da praia, agredindo aquele ambiente natural. Muito triste ver como tornou-se comum resolver as coisas "na marra". Falta total de respeito com anos de trabalho, afinal os quiosques pertenciam a trabalhadores e foram demolidos sem decisão judicial para tal. Seria muito bom saber o que a prefeitura tem a dizer sobre esse triste,

TEXTO EXCELENTE SOBRE RESILIÊNCIA

Como se forma um gênio como o escultor Auguste Rodin?   por Regis Mesquita   Blog www.psicologiaracional.com.br Em 1840 nasceu um gênio chamado Auguste Rodin? Não, ele se tornou um gênio , nasceu com potencialidades, vocações e plano de vida. A sua genialidade foi o fruto final de um longo processo de estudos, tentativas, erros, treinamentos, aprimoramentos, fracassos. Para cada obra bem feita, ele deve ter tido pelo menos uns 400 fracassos. Olhando pelo lado da proporção, o genial Rodin foi um fracassado. O pior vem agora: para cada obra Genial, para cada "obra prima", ele deve ter tido pelo menos uns mil fracassos (obviamente, estes números são projeções minhas). Rodin era pobre, foi rejeitado três vezes ao tentar entrar em escolas de artes. Mas, ele tinha uma arma infalível: ele brincava com a arte. Em nossa sociedade nós dizemos: "isto não é brincadeira, vamos fazer as coisas com seriedade. Se seguisse este preceito, Rodin teria si